Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Há muitas semelhanças entre o que se passou no Montepio e no BES

No BES houve um governante que teve a coragem de dizer não a Ricardo Salgado . No Montepio não há quem no governo tenha coragem de dizer não a Tomás Correia. Mas os avisos de quem conhece muito bem os dois casos e até é membro dos órgãos sociais do Montepio não deixam dúvidas. Aos mesmos procedimentos correspondem os mesmos resultados.

Mas a verdade é que Tomás Correia não sai apesar de ser notório que já devia ter saído. O apoio de conhecidos políticos explica muita coisa. Há muito a esconder e há muita gente envolvida.

Aliás, basta ler os próprios relatórios da Associação Mutualista e da Caixa Económica, que hoje é Banco Montepio, e o muito que se tem escrito em volta disso, para perceber que a gestão do atual presidente e da equipa que serviu com ele o Montepio, por várias razões, destruiu centenas de milhões de euros de capital mutualista. Se formos ver a redução de capital do grupo que se verificou nos últimos cinco, seis anos, ultrapassa 700 milhões de euros. Mas isso é conhecido…

Tomás Correia mantem-se em funções mercê de duas coisas. A ausência de supervisões — a bancária, a de seguros, à própria CMVM em alguns aspetos, e também à da tutela direta que era a do governo — e a existência de uma densa rede de interesses e de cumplicidades.

O esquema de Ponzi montado por Tomás Correia - os lesados do Montepio

Preparem-se para mais uma factura dos "Lesados do Montepio"

Eis finalmente um texto bem explícito e que de forma bem objectiva e directa, explica com rigor e define bem o que é e o que se passa na Associação Mutualista Montepio.

Um grande bem haja para o Rudolfo Rebelo pela sua clarividência e pela forma simples como consegue explicar aquilo que muitos andam a tentar esconder.

"O Montepio (Associação) não passa de criminoso "esquema de Ponzi", com Tomás Correia a servir o ágape, coadjuvado pelo padre "Malícias".

Explico-me, o caso é simples. Os activos daquela corporação, destruída pelos dois malfeitores, andam pelos 4 mil milhões de euros, dos quais, vejam, 2,2 mil milhões inscritos como valor do banco Montepio (Associação do Tomás e Malícias controla o banco com o mesmo nome). Outros mil milhões de euros são obrigações emitidas pelo banco e tomadas pela Associação...
A conta malandreca fica completa com 800 milhões em "créditos fiscais" (uma treta imaginada pelo cúmplice Centeno, que nunca serão recuperados já que a Associação não dá lucros...).
Ora bem, no total, 95% dos activos da Montepio está "dentro de casa", enterrados no banco... que, também, não dá lucros, rendimentos!

Convém esclarecer: o banco não vale 2,2 mil milhões de euros. Nem 500 milhões vale...

Então, perante esta fraude, como a rica dupla Tomás-Malícias, remunera, anualmente, os 600 mil associados da Associação, proprietários daqueles 4 mil milhões de euros?
Com outra fraude: Os juros para estes 600 mil aforradores depende de novas entradas de dinheiro fresco: quero dizer, de novos papalvos associados!
É este o criminoso esquema de Ponzi.

O ministro pai da Vieira da Silva e amigo-agarrado pelo financiador socialista Tomás sabe deste jogo perigoso. Costa e Centeno também.
E um dia destes, 600 mil lesados (que não têm direito ao Fundo de Garantia de Depósitos) pegam nas enxadas e picaretas, marcham sobre Lisboa e alguém responderá com as goelas de fora...!

Claro, isto dá o estouro se passa para o supervisor dos seguros - É que, com a "idoneidade" do Tomás e do Malícias, o supervisor dos seguros quererá ver as contas... E, lógico, as seguradoras não estão para pagar um bilionário Fundo de Resolução, pior que o do BES...!

PS. Não acho necessário aconselhar associados que sabem ler ou ouvir...!"
(Rudolfo Rebelo)

Os apoios a Tomás Correia da sociedade civil são surpreendentes

Com processos a correr contra ele mesmo assim, ou por isso mesmo, Tomás Correia contou com apoios de peso de gente bem conhecida. Porque será ?

Agora que o gestor foi condenado podemos esperar a sua demissão do cargo de presidente do Montepio ? E as pessoas públicas que o apoiaram irão retirar-lhe o apoio que o ajudaram a ganhar as recentes eleições para o Montepio ?

Fernando Ribeiro Mendes apresentou a sua lista que conta com o nome de João Costa Pinto, antigo vice-presidente do Banco de Portugal, para o conselho geral da associação. Durante a apresentação da candidatura foi revelado ter sido enviada uma carta ao ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, mas também ao primeiro-ministro e ao ministro das Finanças, a chamar a atenção “para a situação financeira da Associação Mutualista levada a cabo pela atual administração”.

A apresentação, que decorreu no Teatro Capitólio, em Lisboa, contou com presenças e apoios de vários integrantes da comissão de honra da Lista A, como Manuela Ramalho Eanes, Jorge Coelho e os fadistas Camané, Cuca Roseta, Maria do Céu Guerra, Carlos Lopes, José Eduardo Martins, Edmundo Martinho (provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa), Rui Nabeiro, Francisco Moita Flores, assim como Maria de Belém Roseira, candidata da lista ao conselho geral.

Estiveram ainda presentes João Pedro Pais, Vitorino, Hélder Moutinho e António Manuel Ribeiro (UHF), Godinho Lopes e Sousa Cintra (ex-presidentes do Sporting), João Varandas Fernandes, António Pedro Vasconcelos, entre outras figuras públicas.

Tanta gente de esquerda que está com Tomaz Correia

É dificil perceber que tanta gente de esquerda tenha apoiado o gestor agora condenado a pagar multas milionárias por graves decisões.

Em causa neste processo estão, entre outros ilícitos, várias violações do sistema de controlo interno do banco no âmbito da gestão do risco de crédito, ou seja, foram aprovadas muitas operações sem que houvesse análise de risco adequado, ausência de constituição de provisões para risco especifico de crédito, concessão de créditos a sociedades de que os administradores eram gestores, assim como incumprimento nos deveres de implementação de controlo interno na verificação da origem do dinheiro dos subscritores das unidades de participação,

Nada disto impediu que muita gente de esquerda tenha apoiado a reeleição de Tomaz Correia. Porque será ?