Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Os indignados socráticos tiraram a máscara

Mais do que qualquer outro primeiro ministro, Sócrates foi (é) suspeito  de ilegalidade e de crimes. A justiça nunca o acusou formalmente. Nesses tempos o que mais havia era pessoas indignadas . Nunca lhes interessou o facto de Sócrates estar ferido de morte pese não haver formais acusações. O argumento era mesmo esse.  Mas Sócrates era sujeito a tantas, variadas e graves suspeitas que há muito tinha perdido a credibilidade e o respeito do país. Sabe-se o que aconteceu.

Agora com Passos Coelho existe uma suspeita de um crime fiscal que prescreveu há muito. Na lógica dos antigos indignados não pode ser suspeito de nada porque a justiça já nada pode fazer. Isto é, o actual PM não pode ser investigado sobre o assunto. E assim sendo, por esta suspeita, não poderá ser culpado. Está, pois, numa posição muito diferente da de Sócrates desde logo com um grau de gravidade muito menor. Mas nada disto conta para os ex-indignados . O que negavam em Sócrates exigem em Passos. Os direitos de Sócrates não se aplicam a Passos.

Temos uma má justiça? Queixamo-nos de haver uma justiça para pobres e outra para ricos? Que a justiça anda a reboque de interesses poderosos? É tempo de percebermos que a justiça não mudará enquanta a olharmos a cores. Se é dos nossos é uma coisa, se não é, passa a coisa bem diferente. Nunca tive dúvidas que os indignados teriam este comportamento deplorável. Nunca quiseram nem querem uma justiça igual para todos.

 

 

As centrais de informação a todo o vapor

Foi Vara e Maria de Lurdes agora chegou a vez de Passos Coelho. E a câmara de Gaia está a ser investigada. E Crato adjudica refeições sem concurso público. Por cada "PS" que caia um "PSD" tropeça. Olho por olho, dente por dente.  Não sei se são ou não culpados. Os tribunais pronunciaram-se. Mas isto de uns dias depois aparecerem nos jornais estas notícias mostra bem que as "centrais" estão a todo o vapor. Há um equilibrio de terror que a comunicação social alimenta. No horizonte estão as eleições do próximo ano.

Manter estes e outros casos no espaço público, ano após ano, mantendo as suspeições, é muito mais rentável do que fazer justiça .Lido o acordão esperam-se as reacções nos dias seguintes e o assunto acabou, não rende mais.