Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Uma pipa de massa

 
Vêm aí cerca de 50 mil milhões de euros da UE para gastarmos em sete anos. Uma pipa de massa. Os portugueses reconhecem o contributo dos fundos europeus para o desenvolvimento do país. Mas todas estas décadas de dinheiros europeus também nos mostram outra coisa: os fundos, por si só, não desenvolvem um país, relembra o Fernando.                                                               Tal como nos anos 90, um trabalhador português produz hoje cerca de metade do valor de um trabalhador alemão.
Pequenos grupos de interesse, os do costume, na sombra, já estão a afiar os dentes para abocanhar, uma vez mais, o grosso da tal pipa de massa. As bravatas dos nossos governantes na Europa tornam-se cada vez mais ridículas. Ainda bem que os chamados países frugais se mostram exigentes em relação ao uso dos dinheiros. Nós, enquanto cidadãos, devemos era fazer o mesmo. Caso contrário, já sabemos qual vai ser o fim desta história.

Dinheiro europeu - E você já criou a sua empresa ?

Convém que o objecto social da empresa seja o mais generalista possível para poder responder aos inúmeros concursos públicos. Não precisa de curriculum.

Convém ter alguém próximo do governo que lhe dê as dicas necessárias. Data do concurso ( para poder analisar o mercado e encontrar o fornecedor), montante e facilitadores. No prazo indicado para concorrer só aparece a sua empresa, com o trabalho de casa feito.

Depois tem que aguentar a reacção, se a houver, dos que não chegaram a tempo. Uma hipótese de os calar é dar-lhes a oportunidade de ganharem o próximo concurso. Pequeno.

O dinheiro está a caminho, é muito, vai ser distribuído, convém estar preparado

Ser político é influenciar decisões em proveito próprio

Hortense Martins é presidente da distrital do PS de Castelo Branco e deputada à Assembleia da República. O marido é Presidente da Câmara de Castelo Branco e está envolvido num processo de perda de mandato porque fez negócios( enquanto autarca) com a empresa do pai .

É público que o Hotel Dona Amélia naquela cidade é da família e vamos sabendo que há outras empresas criteriosamente instaladas em sectores que beneficiam de subsídios estatais. Diz-se na Beira Baixa que quem está perto do fogo, aquece-se. E os subsídios são concedidos.

O Estado quer agora que a deputada devolva 170 mil euros de um subsídio concedido a uma sua empresa. Empresas com accionistas políticos e beneficiárias de subsídios estatais são como cogumelos. Conhecem os programas europeus que concedem os subsídios e têm poder para influenciar as decisões . Juntar poder e dinheiro dá nisto e, é por isto, que o Estado centraliza tudo e quer estar em toda a parte.

Descentralizar e perder poder nunca será objectivo do estado central a não ser que a sociedade civil o exija.

Lembram-se dos subsídios que compravam "ifadaps"?

Os subsídios eram distribuídos através dos balcões do IFADAP - Instituto Financeiro de Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura e Pescas - e rapidamente utilizados para comprar geeps muito em moda e que a população rapidamente crismou de "ifadaps".

Fomos bastante precoces no desvio desses subsídios de que só uma pequena parte chegava aos verdadeiros agricultores e pescadores. A notícia vem de uma investigação em vários países da UE .

Segundo aquela publicação, "isto ocorre porque os governos da Europa Central e Oriental, vários dos quais liderados por populistas, têm ampla latitude na distribuição dos subsídios, financiados por contribuintes de toda a Europa, mesmo quando todo o sistema está oculto em sigilo".

O artigo do NYT cita um estudo que revela que 80% do dinheiro vai parar aos maiores recetores, que representam 20% do bolo.

Dos 58 mil milhões de euros anuais que a União Europeia disponibiliza para a agricultura, uma parte fica nos bolsos dos mais poderosos, entre eles, os líderes populistas húngaro e checo.

O Estado quando parte e reparte segue a velha máxima " quem parte e reparte e não fica com a maior parte ou é tolo ou não tem arte".

António Costa : quem conheceu Portugal antes e depois da União Europeia

Quem ataca a UE e ou dela quer sair esquece sempre a modernização que Portugal teve com a aplicação dos subsídios que recebeu . António Costa não esquece.

O PS é o partido da UE diz e é preciso um PS forte dentro da Europa.

"O partido, que, desde o pedido de adesão e até hoje, nunca teve dúvidas de qual era a sua posição: defender a integração de Portugal, o aprofundamento do projecto europeu, defender que haja cada vez mais Europa e maior solidariedade dentro da Europa".

E ainda nos lembramos todos como havia alguns que queriam sair da UE ou do Euro .

O líder do PS disse que os portugueses "sabem bem porque é que importa defender a União Europeia", lembrando que "é graças à União Europeia que temos 32 anos de modernização, de progresso e de desenvolvimento, como era muito difícil imaginarmos que poderíamos ter tido se não estivéssemos na União Europeia".

E deu como exemplo Alqueva esse gigantesco projecto que mudou o Alentejo e que não teria sido possível sem os subsídios da Europa.

Uma grande maioria ( PS - PSD - CDS ) de eleitores são pró- UE . A minoria está contra mas paradoxalmente apoia um governo PS .

Estamos a chegar ao fim da legislatura e dá para perceber que a água e o azeite não se misturam .

O subsídio que pode reduzir as desigualdades

Um subsídio para todos a troco de nada. Única forma de acabar com as desigualdades. Comprar tempo para si e para os seus.

Há quem diga que isso seria destruir a economia tal qual a conhecemos mas a verdade é que a indústria cada vez mais roboritizada não cria empregos para todos.

Os promotores do movimento defendem que com o RBI é dada a oportunidade a cada um de “escolher livremente um trabalho verdadeiramente gratificante, social e economicamente produtivo ou outras formas não remuneradas de contribuir para a sociedade“. “O RBI também liberta tempo para dar um novo fôlego à atividade associativa, ao envolvimento cívico, aos projetos profissionais e à criação artística, recriando laços sociais, familiares e de confiança nas nossas cidades, bairros e aldeias”, .

No resto da Europa, foi aberta em 2013 uma Iniciativa de Cidadania Europeia (ICE) neste sentido, mas esta fechou com menos de um terço das assinaturas necessárias para que a medida fosse estudada e discutida pelo Parlamento Europeu (seria necessário um milhão de assinaturas). Ainda assim, uma sondagem recentemente feita a nível europeu revelou que 58% dos inquiridos sabem do que se trata quando se fala em RBI e 64% dizem que votariam a favor se fossem diretamente consultados sobre o tema. A ideia parece ser particularmente bem recebida em Espanha e Itália.

Os subsidios, os ajustes directos e as vinganças

Tudo confidencial e na paz dos anjos até ao dia que a câmara ou o estado se vê sem dinheiro ou apertado pelo Tribunal de Contas. Cortadas as benesses aparecem as vinganças envoltas em discursos bonitos sobre a defesa do ambiente.

Vítor Rodrigues ( presidente da câmara de Gaia ) considera que a referida "vingança" se deve ao facto de o Movimento SOS Estuário do Douro estar descontente com o "corte do financiamento confidencial à Quercus (...) de 15 mil euros por ano, assinado no mesmo ano em que desmataram por completo a Quinta Marques Gomes. E o descontentamento pelo fim dos ajustes diretos a uma empresa de árvores e jardins que ganhou dezenas de milhares de euros de ajustes diretos da Câmara e das Águas de Gaia nos anos anteriores".

Recorde-se que a promotora do Marés Vivas, PEV Entertainment, vai levar a associação ambientalista a tribunal, acusando-a de "terrorismo" por ter tentado convencer os artistas confirmados a não atuar no festival.