Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O governo não oferece soluções só oferece culpados

É o "populismo" que chegou ao poder. Na Hungria e na Polónia é o populismo de direita em Portugal e na Grécia temos o populismo de esquerda. No fim da política não há soluções há só culpados.

“Foi essa cultura política que levou aos problemas que todos conhecemos de BES, PT”, lembrou, argumentando que se um Governo num dia pede um favor, até com a melhor das intenções, a um acionista privado ou empresário, na semana seguinte esse empresário vai estar à porta do executivo a pedir um favor em troca.

As críticas do atual Governo sobre os atrasos na execução dos fundos comunitários mereceram também uma palavra de Poiares Maduro que assegurou que “não têm a mínima adesão com a realidade”, explicando que se existem atrasos é porque as empresas decidiram não executar todos ou parte dos seus projetos ou porque há atrasos no pagamento das faturas pelas entidades que gerem os fundos.

Colocar a estratégia à frente da realidade é isso o "populismo".

O PC não faz parte das soluções democráticas

O PC foi durante muito tempo o seguro de vida da direita :

Seria bom que se visse nos programas do PCP e do Bloco o que estes partidos pretendem do futuro de Portugal, da democracia em geral, da democracia avançada em particular, da União Europeia, do euro, da NATO, da iniciativa privada, do investimento internacional, do endividamento externo, da negociação da dívida... O PCP, que já derrubou dois governos socialistas, foi durante quarenta anos um seguro de vida da direita. A impossibilidade genética de aliança dos socialistas com os comunistas dava, sem justa causa, uma "folga" aos partidos de direita. Mas era, do ponto de vista da democracia, razoável. Na verdade, o PCP não faz parte das soluções democráticas. O PCP integra o sistema democrático pela simples razão de que a democracia é o regime de todos, incluindo dos não democratas. Essa é a força da democracia, por vezes a sua fraqueza. Mas o PCP nunca deu provas de considerar a democracia algo mais do que uma simples transição para o regime comunista, através de uma democracia avançada, cujos horrores são conhecidos. Enquanto o PCP se mantiver fiel a tudo quanto o fez viver até hoje, deveremos tratá-lo como todos os comunismos e fascismos: combatê-los com a liberdade. A ter de ficar nas mãos de alguém, prefiro mil vezes os credores aos comunistas. Destes, sei que não se sai vivo nem livre.