Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A selecção de doentes não é exclusiva dos tempos de crise

Por mais ventiladores e camas de cuidados intensivos que um hospital tenha há sempre um dia em que há um doente a mais e, nesse dia, os médicos vão ter que fazer uma selecção.

Tal como diz esta médica essa selecção não é exclusiva dos tempos de crise. Quem é mais velho, quem está há mais tempo, quem tem menos hipóteses determina a opção. Será ?

A Bioeticista Maria do Céu Patrão Neves diz que a objectividade do critério de escolha dos doentes está baseada na “optimização dos meios” e não “numa valorização de pessoas em detrimento de outras”. Uma conversa sobre as questões éticas desta pandemia.

Vale a pena pensar neste assunto quando a classe política nos empurra para a " eutanásia" sem que se faça primeiro uma abrangente e profunda análise de questões que são diárias nos hospitais.

Quem salvar ?

A França teve um caminho mais difícil que Portugal ?

Há por cá uns "connaisseurs" de futebol que percebem sempre mais que os outros  , topam os grandes segredos e de preferência estão sempre contra Portugal .

Dizem que a nossa selecção teve um percurso fácil : Áustria, Hungria,  Croácia,  Polónia e Gales . Agora comparem com a França : :  Albânia ,  Roménia,   Suíça,  Irlanda , Islândia e a Alemanha .

Com excepção da Alemanha a quem ganharam com um penalti em cima do intervalo e quando estavam bem apertados, parece que a França escolheu os adversários. O nível de exigência tem alguma coisa a ver com o que foi exigido à selecção portuguesa ?

Perguntar não ofende o que ofende é a opinião idiota destes analistas de meia tijela.

Por uma vez na vida fomos cínicos

Já vi a seleção portuguesa perder jogos por ser optimista, aventureira e ter a cabeça onde tem os pés. Desta vez fomos cínicos à Fernandos Santos que nem parecer ser luso-descendente. Mal encarado parece trazer o mundo às costas.

O Moutinho não jogou, não por problemas físicos como nos conta o cínico mas por estar fisicamente rebentado. O mesmo com o Ricardo Carvalho. Meteu o José Fonte, grande e a jogar à inglesa ( joga em Inglaterra) com pontapés para onde está virado e o Adrien que tem pulmão e coração que não mais acabam. E não deixou jogar a Croácia.

É o que nos fazem, frequentemente. Deixa-os jogar, dá-lhes a bola para eles correrem e fecha-te como o caracol. Depois com a bola no pé é tentar. 

Por uma vez, o cínico, teve um pampejo de lógica e meteu o Renato. Fresco, no meio da fadiga geral, começou a levar a bola lá à frente. A seguir, agora já com o cinismo todo, meteu o Quaresma ( estás a ver até meti o Ricardo).

Não sei se sabem mas o cínico é crente, acredita em milagres e na Senhora de Fátima. Não está com meias e mete o Danildo a jogar ao lado do William a ver se ia para o prolongamento. Defender, defender até às grandes penalidades.

Mas há milagres e o crente acredita e sabe que há milagres. O Quaresma roubou uma bola junto da nossa área( ele que muitas vezes não joga porque não defende), passou-a ao Renato que correu 40 metros com ela e que, à entrada da área,  tinha três matadores para a receber. Como é jovem achou  que o melhor mesmo era passá-la aos três( o respeitinho é muito bonito). Deu-a ao Nani, que a deu ao Ronaldo, que a deu ao Quaresma. Ganhamos.

São assim os cínicos. É claro que estou doido de alegria. Já perdi tantas vezes quando merecia ganhar.

 

 

Não há golos sem erros defensivos

Tínhamos dois defesas para dois avançados na nossa área, mas nenhum deles marcou o avançado que lhe competia. A bola já vinha nas alturas e ainda Pepe estava a avisar Vieirinha para trocarem de posição. Resultado, o avançado sem oposição marcou de primeira. 

Não parece que Fernando Santos beneficie a equipa excluindo o jogar de "olhos fechados" do meio campo do Sporting. João Mário - William - Adrien - André . Moutinho não está em forma e Danilo contra equipas fechadas não desequilibra. É necessário meter velocidade naquele meio campo e isso só se faz com automatismos que o meio do campo do Sporting tem.

Nani jogou bastante bem e faz um par temível com Ronaldo assim a bola saia do meio campo rapidamente, ora pelos extremos, ora na frente em profundidade. Cada um deles teve um golo na cabeça, sendo que o guarda redes ainda está por saber como defendeu a cabeçada de Nani.

Na defesa, os centrais estiveram bem especialmente Ricardo Carvalho. Guerreiro esteve bem mas não rasgou o flanco como habitualmente . Vieirinha e Pepe falharam estrondosamente no golo adversário. Patrício ao contrário do que se previa teve que se opor com classe a várias tentativas do adversário.

Jantei com uns amigos um belo arroz de lingareiro acompanhando uns filetes no ponto. O golo adversário estragou-me a digestão. Estou a escrever esta crónica de futebol a ver se descarrego a bílis. Não, cá em casa não há violência doméstica.

A selecção de Jorge Mendes e de Paulo Bento

Que se saiba só os médicos da selecção não são agenciados por Jorge Mendes, o maior empresário do mundo do futebol. Jorge Mendes vende e compra jogadores e treinadores mas não árbitros. Nem as bolas que batem na trave da baliza adversária mas que entram na nossa. Vimos no Brasil equipas a jogarem a anos luz da nossa. Muitos golos e muitos prolongamentos. Atletas com grande preparação física e a jogarem ao ataque. Como Bento não aprendeu nada no Mundial no Brasil, continua agarrado aos seu futebolezinho, com quatro jogadores a defender contra uma equipa que jogou sempre com onze jogadores atrás da linha da bola. Se sofresse um golo perdia o jogo, como se veio a verificar. Tal como no Brasil. Joga contra a Albânia da mesma forma que joga contra a Alemanha. Num 4-3-3 patético. Patético contra a Alemanha porque no meio campo jogam cinco ou seis alemães. Patético contra a Albânia porque no meio campo albanês jogam onze albaneses. Viu isto a dez minutos do fim tirando um defesa e metendo um médio.

Que fazer? O Paulo Bento tem contrato para mais três anos assinado antes do mundial no Brasil, custa milhões despedi-lo. E o Jorge Mendes é quem manda na selecção. Escolham!

 

 

 

Derrota, empate, vitória...só parávamos na final

Primeiro uma derrota, a seguir um empate, depois uma vitória. No primeiro jogo várias mazelas, uma expulsão, amarelos. No segundo jogo alguns percalços mas bem menos. Na vitória correu tudo como "il fault" só não jogamos bem. Estávamos a ganhar força e alegria de jogo para jogo . Até onde poderíamos ir? Mas não, regulamentos da treta, em vez de incentivar as equipas em progressão, que dão espectáculo, que atraem multidões, protegem os que já deram tudo o que tinham a dar. Agora que afastaram a equipa em nítida progressão rumo à vitória qual é o interesse que resta neste mundial? 

Metade está lesionada e a outra metade cansada

Não tenham ilusões. Metade da seleção está lesionada e a outra metade cansada. Contra a Alemanha que, como se viu contra o Gana, está longe de ser uma grande equipa, jogamos dez minutos a correr. O resto do tempo estivemos a lamber as feridas e a pôr gelo. Eram cinco alemães no meio campo contra 30% de três. Um, o Miguel Veloso, que mesmo quando está bem tem um raio de acção muito limitado, refugiou-se junto dos centrais. O Moutinho e o Meireles não se viram. No centro da defesa morava um Pepe que não jogava há um mês lesionado e o Alves que estava preso por arames ( lesionou-se num treino). Na frente o Ronaldo a milhas do que sabemos que ele vale ( aqui os alemães fizeram o trabalho que, por exemplo, os pobres dos suecos não souberam fazer. Roubaram-lhe o espaço). O Nani desapareceu como desaparece sempre que é necessário dar o corpo às balas e o Hugo Almeida e o seu bigode andaram ali aos caídos até que caiu mesmo, lesionado.

Não tenham ilusões e oxalá me engane mas esta selecção já deve ter as malas feitas há muito. Andou a ganhar dinheiro junto dos portugueses nos US. O Bento até teve o cuidado de não levar suplentes que chateiem. Jogam os mesmos nem que seja de muletas.

É BOM VIVER NUM PAÍS EXÓTICO

Um jogador grego caiu na grande área do adversário; ainda no solo, apressou-se a sinalizar ao árbitro que não tinha sofrido falta, prevenindo que este, por erro, assinalasse grande penalidade.

Na mesma competição, um jogador português cometeu falta sobre um alemão; o árbitro não viu a infracção. Ao invés de aproveitar a posse de bola, que a falta impune lhe concedera, para iniciar uma jogada de contra-ataque, o português recuou, dirigiu-se ao seu adversário, ainda caído, e desferiu-lhe uma cabeçada. O jogador português foi expulso.

 

No final do jogo, o seleccionador queixou-se da arbitragem. Os comentadores, sem exaltar o comportamento do jogador, invocaram o seu temperamento difícil, inflamado pelos erros da arbitragem que lhe puseram a “cabeça quente”.

 

 

Num país de despesismo público infrene e impenitente, um executivo camarário logrou concluir o ano de 2013 com um superavit de mais de 23 milhões de euros.

Os partidos da oposição criticaram, clamando que tal evidenciava má gestão.

Um deles argumentou que se deveria ter aproveitado o facto para baixar impostos, com a particularidade de, na última assembleia para votação do orçamento anual, esse mesmo partido ter impugnado a proposta de redução da taxa de IMI, apresentada pela vereação, acusando-a de eleitoralista.

 

Os jornalistas relatam o sucedido como facto normal e nem questionam se os críticos não estariam a exagerar. (Eu, mas sou eu, até teria perguntado o que tinham estado a beber).

 

Isto é uma gente boa. Um pouco diferente, é certo. Mas boa. Toleram-se estes dislates com um encolher de ombros e um sorriso indulgente. Na hora de punir, somos magnânimos. Pobres, mas magnânimos.

 

Deve ser por isso que gostam de vir cá.

O Bento já dorme melhor

O Pepe não jogava há mais de um mês. Mas tinha que jogar. O Veloso nunca foi um "seis". Agora que temos um "seis" o Bento não o põe a jogar. O Moutinho não está a jogar "rien" e o Meireles idem aspas ...

O Nani não jogou durante a época e isso vê-se nos jogos a sério. O Hugo Almeida saiu a tempo e o Ronaldo está mesmo lesionado. Faltava o Coentrão lesionar-se e o Pepe ser expulso.

O Paulo Bento agora já está mais descansado, já dorme melhor, contra os próximos já pode jogar para o 0-0 que feitas as contas no final dá para passar. Isto não contando que a Alemanha nos derrote duas vezes. Com duas vitórias os tanques podem escolher correr com os Tugas no terceiro encontro, fazendo descansar os titulares e perder. Mas com o Paulo Bento nada muda. Sem risco, conservador, sempre com a resposta na ponta da língua. "Não foi com estes que chegamos até aqui"? Enfim, resolvido o problema que tínhamos pela frente amanhã as coisas estarão melhor. 

Sou obrigado a escrever sobre o Alemanha- Portugal

Juro que fiz o possível para fugir ao assunto mas tal não é possível. Há tréguas no ar, sentem-se , os outros assuntos esperam vez mas só amanhã. Que o diga Jerónimo de Sousa que foi a Belém pedir eleições antecipadas e, contra o habitual em Cavaco, veio de lá com a resposta. Nem pensar. Divergências profundas, ninguem espere antecipação de eleições, mesmo com orçamento para 2015  a atrapalhar tudo.

Mas isso agora não interessa nada. Os alemães fartam-se de marcar golos, foi o que fizeram nas últimas partidas. Como diria o "Zé do boné' há que lhes tirar a bola. Podem correr muito desde que não tenham a bola. No meio campo vai haver uma batalha campestre, eu metia o William Carvalho, a disponibilidade física é maior que a do Veloso, mas a disponibilidade de Bento é bem menor para fazer mudanças.

Lá na frente não há dúvidas. Joga o único "alemão" que temos, o Hugo Almeida. É grande e pesado, pede meças no jogo aéreo e nos empurrões e, sendo ele avançado, logo, jogando na área deles leva vantagem. Pode fazer faltas. O Nani está em forma, e não está desgastado, jogou pouco durante a época. E deixem o Ronaldo jogar onde quiser de preferência com muito terreno livre.

Na defesa os nossos centrais dão-se bem com os embates, já quanto aos defesas laterais, temo que grande parte dos lances de bola parada explorem a falta de altura de João Pereira e Coentrão. Pode entrar o André Almeida que é mais alto? Avança o Coentrão para a costas do Ronaldo, jogando a médio interior e o Veloso, esquerdino, ocupa aquela zona? E agora até logo que isto do nervoso dá cabo de uma pessoa.