Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Bloquista admitem ruptura ainda em 2016

E avisam que pode levar à ruptura. Reestruturar a dívida é a exigência do BE . Já vimos o mesmo com o Syriza. Deu em mais um resgate. Alguém acredita que será Bruxelas a ceder?

Tenho para mim se e quando houver contas nacionais consolidadas haverá da parte da UE uma maior abertura para reestruturar a dívida. Não será difícil com a quantidade de dívida nacional que o BCE comprou. Alargar prazos de pagamento, manutenção de juros baixos, pagamento dos dividendos do BCE ao accionista Portugal com contrapartida do pagamento da dívida. Tudo isso é possível mas leva tempo e obriga a politicas que  o BE não pode aceitar. 

Por isso, "sem outra política para a dívida, muito dificilmente o Orçamento do Estado para 2017 continuará o sentido de mudança que, mesmo mitigada, encontramos no OE deste ano. A reestruturação da dívida continua no centro da nossa alternativa", lê-se no texto que o i reproduz.

"Não é difícil antecipar que as exigências e imposições da UE vão agravar-se no contexto da preparação e discussão do próximo Programa de Estabilidade (PEC) e do OE para 2017, elevando a tensão política e a pressão sobre o Governo".

A chantagem a que António Costa se expôs vai ganhando forma e pressão. O PS sempre soube que seria assim.

Provável ruptura na coligação é ameaça

A Fitch ( agência de notação financeira) teme que a coligação (PS+PCP+BE) atinja o ponto de ruptura ainda em 2016. Essa é uma das razões que levou a agência a baixar o "outlook" sobre Portugal de positivo para estável. As outras razões são as já conhecidas acerca da credibilidade do orçamento.

Estamos perante mais uma pazada de terra sobre a evolução da situação do país a juntar-se a tantas outras. E  “atingir um equilíbrio entre o cumprimento das regras orçamentais europeias e as exigências do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista está a mostrar-se uma tarefa difícil, o que cria riscos políticos significativos no curto prazo”.

Nada que não se soubesse desde que entramos na aventura