Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Rever em alta o PIB é rever para 1,3% ?

E está tudo dito quando rever em alta é rever o PIB para 1,3%, abaixo dos 1,5% de 2015 e menos de metade do que o país precisa ( pelo menos 3%) para pagar a dívida e gerar investimento. E esta revisão é para 2016 e 2017 .

O simples facto do BCE reduzir a compra de dívida portuguesa já atirou a taxa de juro a dez anos para 3,76% perto dos fatídicos 4% .

Nestas miseráveis condições o PCP e o BE querem renegociar a dívida e sair do Euro com o que pressionam ainda mais os mercados. Com amigos destes...

Mas o que se lê por aí é que há boas notícias mesmo quando o défice pode ser pior do que o indicado pelo governo e o investimento afunda em cortes generalizados para conter a despesa.

Não sou eu que o digo são as instituições financeiras nacionais e internacionais que o dizem. Devemos nós, com umas mentirolas para Tuga ver, fazer de conta que não se passa nada ?

Quando se revê o PIB para 1,3% e, se considera esse desastre uma revisão em alta, não devemos nós ficar preocupados ? Não devemos ser patriotas ? Ou para ser patriota em Portugal é preciso ser de esquerda ?

Há bem pouco tempo o PS era de direita para o PCP e o BE...

OCDE antecipa Plano B para Portugal

Revisão em baixa do PIB .Com a economia portuguesa a crescer apenas moderadamente este ano e o défice a derrapar para lá das previsões do Governo, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) vem juntar a sua voz à do FMI e da Comissão Europeia, alertando para a necessidade de serem adoptadas medidas adicionais em Portugal – o chamado Plano B. 

O crescimento da economia já vai em 1,2% tendo começado por 2,1% e tendo sido orçamentado em 1,8%. A OCDE considera que, à excepção de Angola, os riscos que a economia portuguesa enfrenta são mais internos, devido ao elevado nível de endividamento, do que externos.  

Face ao cenário cada vez mais negro o que fazer ? O governo tem andado a lutar contra moinhos de vento não querendo ver o que todos prevêem . Sem muito mais investimento a economia não cresce o suficiente e a criação de emprego não arranca. A redução do IVA diminuiu as receitas e não criou postos de trabalho e a reversão de salários e pensões tem um efeito limitado no consumo interno.

Quem salta primeiro da geringonça face às mais que prováveis medidas exigidas por Bruxelas ?

Quem tem medo de eleições antecipadas ?

Corria o ano de 2014 e PS, PCP e BE cobriam o país com as " grândoladas" a exigir eleições antecipadas. Governava um governo sem pecado original. Os partidos que o constituíam tinham a maioria na Assembleia e as eleições não foram contestadas por ninguém. Não agradava a austeridade.

Agora temos um governo ferido na sua legitimidade e na sua credibilidade. O grande derrotado nas eleições prepara-se para ser governo apoiado por dois partidos com que não tem nenhuma semelhança ideológica e programática. Metade do país não acredita em António Costa .

É verdade que este governo não dura mais que seis meses nos quais vai distribuir dinheiro . Quando chegarem os problemas, as medidas duras, o acordo desfaz-se como manteiga. Vamos ter eleições antecipadas. Nessa altura veremos se o PS vai a eleições coligado com PCP e BE . Sem subterfúgios.

Não perder tempo seria rever a Constituição e avançar já para eleições antecipadas . Afinal quem tem medo da voz do povo ?

Gold para PS, PSD e CDS e de lata para o BE e PCP

O habitual. O programa dos vistos GOLD trás muito dinheiro para Portugal, dá vazão ao imobiliário e acelera a actividade da construção civil. Mas o PCP e o BE estão contra. Razão? O dinheiro é sujo, é bom para os outros países mas é mau para Portugal. Cria postos de trabalho ? É possível melhorar a fiscalização ? Nada disso interessa.

O PS apresentou duas propostas que facilitam mais o programa dos vistos gold, cuja eliminação o BE e o PCP pediram hoje no Parlamento. Portas rejeitou abdicar do programa, apesar de ter estado no final do ano passado envolvido num escândalo de corrupção. Como se o culpado seja o sistema de atribuição dos vistos Gold e não a tal rede que se apoderou do estado como bem disse a PGR Joana Marques Vidal.

Perante as queixas da oposição de que o regime está demasiado centrado no sector imobiliário, Paulo Portas posiciona que os vistos "gold" representaram um contributo de 120 milhões de euros em termos de receitas fiscais, "o que tem um impacto positivo nas contas de várias autarquias".

Já quanto à modalidade da criação de empregos em Portugal – que registou apenas três vistos emitidos -, o governante recorre a um estudo da Associação Portuguesa de Resorts para defender que o programa de vistos "gold" criou cerca de 20 mil postos de trabalho em Portugal.

Para PCP e BE fazer oposição é tornar a vida mais difícil aos portugueses.

A Constituição previu tudo menos a crise

A Constituição, ou a interpretação que, poucos, fazem dela, está a levar o país para um beco sem saída. Esta crise dificilmente será vencida sem alterações à Constituição. É, que, o documento "mãe de todas as leis" foi escrito e aprovado num tempo "normal" .A falta de visão dos constitucionalistas fez o resto. Meteram o país numa ratoeira porque estavam convencidos que, inseridos na UE , não havia governo capaz de gastar o que Sócrates gastou. Enganaram-se e agora não há remédio.

Estamos sem soberania e sem caminhos e os credores internacionais estão a perder a cabeça com a nossa falta de juízo. Vamos ao tapete e a austeridade que sofremos até aqui é um passeio no parque comparado com o que pode aí vir. Claro que o PC e o BE deitam foguetes, para eles bom é o país ter dificuldades, mas que dizer do PS ? Tem soluções diferentes das que têm sido aplicadas? Com esta Constituição? E se o PS também falhar? Só nessa altura, perdidos os anéis e os dedos é que PS+PSD+CDS se vão entender quanto à necessária revisão da Constituição? Perdidos mais três ou quatro anos? É esse o interesse do país?

Ou o PCP e o BE constituem governo?