Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Um governo que é capaz de disponibilizar os militares às empresas privadas

Não se esqueçam de lhe dar a maioria absoluta. Ele é capaz de quase tudo.E o Presidente da República faz de conta que não vê.

“A mobilização das Forças Armadas afigura-se claramente ilegal, não só pela utilização dos militares como fura-greves fornecidos a custo zero à associação patronal que constitui uma das partes em conflito, mas por se fazer sem que tenha sido decretado o estado de sítio ou o estado de emergência exigidos pela Constituição e a lei. O Governo somou à requisição civil uma requisição militar, disponibilizando os militares às empresas privadas”, lê-se no abaixo-assinado onde surgem também os nomes do economista e colunista do PÚBLICO Luis Aguiar-Conraria, do politólogo André Freire ou da historiadora Raquel Varela.

 

Um governo homeopático

Um governo poucochinho que governa para uma parte da população, os funcionários públicos e os pensionistas que vivem, maioritariamente, em  Lisboa e Porto.

Os serviços mínimos aplicam-se a Lisboa e Porto onde estão os eleitores o resto arde como em Pedrogão, Tancos, Borba/Vila Viçosa. Um país preso por arames onde falta o essencial por falta de investimento e das medidas difíceis de que este governo foge como o diabo da cruz. E os que correram a comprar os novos passes de transporte estão nas filas de espera nas bombas de gasolina . E as listas de espera na saúde perduram ( 47% do total dos serviços foram assegurados pelo SNS o restante pela saúde privada e social) .

A sociedade civil agita-se . Aparecem sindicatos independentes que fogem ao controlo dos sindicatos partidários. Na saúde ( enfermeiros). Na educação. Nos transportes. Nos portos (estivadores).

António Costa como uma barata tonta fingiu que o pré-aviso de greve não era com ele( como habitualmente faz) e em menos de 24 horas vê o país parado por uma greve de poucas centenas de pessoas. O culpado deve ser o governo anterior.

Com os professores está cercado pelos partidos apoiantes que , segundo nos vendeu, garantem uma governação estável. Mas tudo aponta para que até a estabilidade financeira das contas públicas se rompa por aqueles que sempre desejaram que o governo evite a subordinação aos ditames de Bruxelas. Verga aos professores e aos sectores que se seguirem e o défice aumenta .

Com a dívida em alta, um PIB poucochinho, contas externas degradadas, sobra a taxa de juro mínima que o BCE ofereceu. Houve gente que sonhou com mais deste governo homeopático.

bcarroça.jpg

 

 

O PCP exige que o Estado faça na saúde privada o que fez no SNS

Requisição civil da saúde privada, já ! é esta a exigência que os comunistas fazem a António Costa .

Não só a requisição civil tem circunstâncias obrigatórias para ser requerida como não se percebe que, estando o SNS no estado calamitoso em que se encontra por culpa das cativações do governo ( como  afirma o PCP) se vá entregar nas mãos do autor do desastre anunciado a parte do sistema que ainda funciona.

Mas para os comunistas portugueses o racional não é para aqui chamado. Interessa a ideologia mesmo que os doentes morram em listas de espera . Faça-se pois, na saúde privada, o que se está a fazer na saúde pública.

Acabe-se com ela .

 

Entre os serviços mínimos e a requisição civil

Entre os serviços mínimos e a requisição civil

A vaga de greves que afecta os cidadãos e a economia deve fazer-nos pensar.
Vemos um Governo quase inactivo a deixar apodrecer as situações até ao limite, como no caso da Autoeuropa , e questionamos se tinha de ser assim.
Vemos que uma centena de estivadores prejudica durante mais de um mês a imagem de Portugal como país acolhedor para o Investimento directo estrangeiro e questionamos se tinha de ser assim.
Vemos uma greve dos enfermeiros que testa os limites da proporcionalidade e questionamos se tinha de ser assim.
Vemos uma constelação de greves sem razões compreensíveis para a generalidade das pessoas que são afectadas e questionamos se tinha de ser assim.
Não tinha de ser assim se entre os mínimos serviços (raramente respeitados e razoavelmente definidos) e a "bomba atómica " da requisição civil , existisse uma regulamentação sensata do direito à greve.
Não existe . A greve é um direito quase sem restrições . Não se exige um pre-aviso devidamente publicitado para que os afectados possam preparar-se .
Não se exige que os motivos sejam transparentes e bem definidos para que sejam percebidos .
Não se exige que a greve não seja a primeira solução e que tenha de haver gradualismo e tentativas de conciliação.
Não se exige a proporcionalidade entre os interesses defendidos e os ofendidos , designadamente quando estão em causa direitos básicos dos cidadãos ( saúde, educação, segurança , transportes ).
Não se proibem formas abusivas de greve como as " "trombose" , " rotativas" ou " intermitentes" .
Em suma, a falta de uma regulamentação gera um ambiente de " Far West " laboral que prejudica os cidadãos , as empresa e o país, em benefício de grupos sociais mais organizados e políticamente mais apoiados .
A tudo isto acresce um Governo que preferiu ( até agora) subestimar este problema para não prejudicar a sua imagem de esquerda . Até quando ?

TAP - um conjunto de personalidades

Trabalhadores da companhia e outros cidadãos estão contra a greve. A estes a comunicação social não trata por "um conjunto de personalidades", título que reserva para qualquer lista onde entre Mário Soares, Manuel Alegre e António Pedro Vasconcelos. Que estão sempre em todas contra o governo, este ou outro que eles não controlem.

À lista das "personalidades" faltam quatro notáveis para chegar aos "69" curioso número, enquanto à lista de trabalhadores e contribuintes não falta ninguém para chegar aos 500. Redondo.

"Os sindicatos queriam mandar na TAP" diz João Cravinho, para justificar a sua requisição civil. Pois, é isso mesmo o que os sindicatos querem continuar a fazer. Mandar enquanto todos os outros portugueses pagam.

Entretanto, o Metro, está em greve e já anunciou outra para a próxima semana, tudo para defender o "serviço público" que deixa os contribuintes " a penates". E a Refer vai pelo mesmo caminho. Roubam o Natal aos contribuintes para eles ficarem à lareira. Serviço público.

As personalidades já estiveram no "lado de lá" quando o governo era "legítimo e patriótico". Os trabalhadores, os verdadeiros, os que trabalham e não fazem política sempre estiveram do mesmo lado.

TAP - requisição civil de João Cravinho

O Engº João Cravinho diz que no seu tempo era muito diferente. Era o interesse nacional que estava em causa, pelo que se infere que agora não é o interesse nacional. Até porque o país está a sair de uma crise de que os seus camaradas são responsáveis. E , pelo sim pelo não, o melhor mesmo é isto correr mal. Compreendido.

“Mas tenho a certeza que o Governo tomará todas as medidas que considerar adequadas para garantir, na medida do possível, aquilo que a lei confere, a normalidade em serviços que são tão importantes para o país como é aquele que é servido pela TAP”. Mas isto foi dito pelo actual primeiro ministro, é muito diferente. No tempo do PS era mesmo o interesse nacional . Quem não percebe a diferença não percebe nada e nunca compreenderá o respeito que o Engº tem pela greve.

No verão de 1997 a greve era "um abuso" agora é um direito patriótico".