Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O empregador não pode determinar critérios de seleção ?

Esta prova vem de 2007. Todos andaram a fazer de conta que não existia. Existe e é para ser cumprida.

O recrutamento de professores, designadamente daqueles que terminam o seu curso e procuram um primeiro emprego, tem como único critério de seleção, a classificação final de curso, a qual é atribuída pelas instituições do ensino superior.

Deste modo, o acesso ao emprego é determinado pelas próprias instituições do ensino superior, através das classificações atribuídas. O facto de o empregador não poder determinar critérios de seleção torna este sistema desajustado e incompreensível.

Se até há cerca de uma década, o sistema ia abarcando todos os diplomados em ensino, com todos os mecanismos criados para tal, nos últimos anos isso já não acontece. Assim sendo, a classificação atribuída ganha uma importância crucial, que só o rigor e profissionalismo das instituições do ensino superior têm controlado.

O acesso ao mercado de trabalho, na generalidade dos cursos, é um instrumento de regulação das formações ministradas. Porém, isso não acontece no caso dos cursos de professores, porque, como vimos, as próprias instituições podem, pela nota atribuída, controlar esse acesso.

Todas as carreiras fazem provas menos a carreira docente

António Miguel CristinoLamento, sinceramente esta atitude dos docentes. Independentemente das boas razões que possam ter em relação à prova a que foram sujeito em concreto (por não seleccionar alegadamente os melhores), também gostaria que eles reflectissem sobre as provas que TODOS os demais trabalhadores em funções públicas têm de fazer (, inspectores, policias, militares, médicos, enfermeiros, técnicos superiores, assistentes técnicos, magistrados, dirigentes....) podem dizer TODOS o mesmo. O facto é que concordo em abstracto com a realização da prova pois ela é, aliás, uma exigência constitucional. Diz o artigo 47.º, n.º 2 da CRP que o acesso é Função Pública se faz por concurso e deve reger-se pelo recrutamento por mérito e o mérito, em regra, faz-se mediante provas. O período probatório só se realiza depois do ingresso nos quadros do Estado que por sua vez se fez por prestação de provas. Sublinho que o concurso que os docentes fazem têm como único elemento de seriação partindo da média de licenciatura, sabendo nós que há licenciaturas e licenciaturas.... O Estado entendeu que a melhor forma de escolher pelo mérito é fazer provas e é assim em TODAS as carreiras, sejam elas gerais ou especiais, menos, até agora, a docente. Não me parece razoável.