Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Os contribuintes pagam as proprinas de futuros gestores e financeiros

Os contribuintes com esta treta do Ensino Público grátis pagam as propinas a quem ganhará muito mais no futuro .

Concordo que ninguém deve ficar para trás se não tiver possibilidades financeiras para estudar mas, quando estiverem a trabalhar, devem pagar esse débito a quem ganha menos do que eles. Como se faz em muitas partes do mundo. E isso é particularmente justo nos países mais pobres e mais injustos como é o nosso caso.

Que os estudantes paguem propinas nas escolas e universidades privadas é inteiramente justo o que não é justo é os pais desses jovens pagarem também as propinas dos que frequentam o ensino público. É pagar duas vezes.

Fazer um empréstimo bancário durante os anos em que estudam e mais tarde pagarem segundo os rendimentos . Não ficam a dever nada a ninguém e já podem escolher o seu caminho profissional em liberdade .

O que não é aceitável é nivelar por baixo para que todos tenham um mau ensino. Lembram-se o que o ministro da Educação fez quando a escola pública não estava preparada para o ensino on-line ? 

Todos iguais todos medíocres .

 

Ao contrário do que exige a esquerda o ensino de Medicina não é gratuito

Há sempre forma de fazer pagar aquilo que a esquerda apresenta como gratuito. As propinas para os alunos de Medicina passam a ser os dois ou três anos em que terão de  trabalhar para o SNS depois da especialidade.

O retrato da política prosseguida pela esquerda no poder tem um espelho dramático no SNS. Urgências que fecham, serviços que encerram, médicos que não aderem às condições propostas, enfermeiros que emigram, listas de espera, medicamentos que não chegam aos doentes...

Neste caos em que se ameaça transformar o SNS aparecem as medidas draconianas. Não há estado sem dinheiro que possa sustentar um SNS gratuito e universal. Não há aqui nem em lugar nenhum .

É por isso que o serviço privado hospitalar não deixa de crescer.

expresso 16.11.webp