Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

De segunda escolha

A verdade é que os candidatos do PS de primeira escolha foram António Guterres e António Vitorino. Não aceitaram serem candidatos a presidente da república. Só na sua ausência é que avançaram Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém.

É difícil perceber que dois políticos com a carreira de Guterres e Vitorino não olhem para a presidência da República como um final feliz. Outras razões haverá.

Percebe-se que Sampaio da Nóvoa apareceu para dar a cobertura necessária à formula de governo de António Costa. Com PCP e BE.  E essa intenção foi tão evidente que Maria de Belém apareceu do nada para ser a representante do PS que se opõe à coligação à esquerda .

Só quem não quer perceber é que não vê que há uma bomba relógio dentro do PS que pode implodir o partido a qualquer momento. O PCP mostra-o todos os dias ao país pela boca de Jerónimo Sousa. E agora avança a CGTP com uma greve nacional reivindicando para já a reposição das 35 horas. A pressão sobre o PS será em crescendo. Veja-se o que se passou na Educação em que pela primeira vez em décadas o Nogueira da Frenprof elogia o ministro. Literalmente o beijo de Judas.

Não podem pois, os candidatos da área do PS, olhar para os outros candidatos como subalternos nesta disputa. Se há candidatos de segunda são eles mesmos. Não passam de instrumentos necessários na guerra surda que se trava dentro do PS.

Usar a Presidência da República para resolver os problemas internos do PS é o limite abaixo do qual a política partidária perde o pouco que lhe resta de legitimidade . Já que em termos de dignidade os candidatos não se mostraram nem pouco mais ou menos, apoucados.

Todos contra Marcelo menos o povo

Mas que interessa a opinião do povo ? Mal informado, levado pela conversa dominical, ninguém  conhece verdadeiramente Marcelo. Sabemos que anda na política há 40 anos e nunca teve a mais ligeira suspeita contra si. Em Portugal não é coisa pouca.

Claro que face às sondagens o ruido subirá de nível. Mal andará Marcelo se cair na armadilha. Deixa-os a falar sozinhos, não vai dar-lhes a notoriedade que não têm. Refiro-me aos outros candidatos está bem de ver.

Vasco Lourenço diz o que o candidato Sampaio da Nóvoa não pode dizer. Um trabalho de sapa fundamental para abrir caminho . E Jerónimo de Sousa vai fazer o mesmo, chamando-lhe "fiteiro". O objectivo é o mesmo. Os nossos candidatos são brancos como a neve. O habitual, desde o livro de Cunhal " A superioridade moral dos comunistas". A tese é fraquita mas seguiu caminho . Como "nós" queremos o "bem" para todos somos moralmente superiores. O problema é que a realidade está longe. 

Em Portugal ser social democrata é ser um perigoso reaccionário. Tenho um amigo comunista que me conhece desde criança que foi perguntar a um camarada psicólogo a que se devia o meu desvio, tendo sido eu uma criança "pé descalço".

E não percebendo que o erro é deles e que 80% das pessoas não podem estar enganadas - pensam segundo a vida que têm - tratam de encontrar razões para a realidade que não está conforme aos seus axiomas ideológicos.

Registo de interesses . Sou amigo de Vasco Lourenço, andei a estudar com ele e com os irmãos, tenho por ele uma grande amizade e uma dívida que não conseguirei pagar

Sondagem - Marcelo ganha à primeira volta e à segunda se for preciso

 Marcelo ganha à primeira volta com enorme vantagem (57%) em relação a Sampaio da Nóvoa (15%) ou Maria de Belém (14%) e até vai buscar votos ao PCP e ao BE .

Só tem que fazer de morto, sem cartazes e sem manifestações, participando só nos eventos televisivos onde é muito difícil batê-lo. Não se envolver nas questões politicas que há muito dão cabo do juízo ao povo que está farto. Pode ser uma passeata em passadeira vermelha. Claro que as culpas vão inteirinhas para o PS e António Costa que se apressaram a conceder o seu apoio a Sampaio da Nóvoa e a seguir levaram com a candidatura de Maria de Belém. Resultado, PS dividido ao meio.

marcelo presidenciais.jpg

 

 

Eleições legislativas e presidenciais no mesmo dia já em Janeiro

acordo para governo do PS com BE e PCP é um nado morto. Mesmo que o governo tome posse será um governo sem credibilidade e prejudicial ao país. As reacções por essa Europa fora não deixam dúvidas. E as taxas de juro que se afastam cada vez mais das espanholas também não.

Com uma mexida cirúrgica na Constituição é possível marcar eleições antecipadas para o mesmo dia das eleições presidenciais. De onde sairá uma maioria absoluta, ou para a coligação de esquerda ou para a coligação de direita. Com credibilidade e legitimidade . Ganha o país. E um governo de iniciativa presidencial durante três meses que aprovaria o orçamento seria visto como credível e respeitado.

Se o problema é esse até poderia ser liderado por António Costa . E aproveitava-se para reduzir os prazos neste processo sem fim das eleições e da tomada de posse de governo e da Assembleia da República.

O "abraço de urso" do PC e do BE ao PS toma forma deixando o PS sozinho no governo. Na primeira oportunidade voltam "as amanhãs que cantam ". Nesse aspecto eles não enganam ninguém a não ser quem queira ser enganado.