Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

É o sector privado que é o motor disto tudo

Diz Mário Centeno : “O que move o PIB em Portugal é o setor privado, os seus investimentos e o seu sucesso estrondoso num contexto difícil que tem havido no comércio internacional, com guerras comerciais lançadas através do Twitter”, elogiou o ministro das Finanças.

Mário Centeno argumentou, também, que a recuperação económica não se baseia no consumo público “já não é um motor de crescimento”, porque este “cresce menos do que o PIB”.

O Ministro das Finanças começa a dizer adeus ao governo e isso dá-lhe liberdade para algumas verdades.

Portugal é o único país da sua liga económica a crescer menos de 2%

Portugal será o único país da nossa liga económica a crescer menos de 2% nos próximos dois anos (previsão OCDE).

A táctica socialista dá sempre o mesmo resultado: continuamos a cair para o fim da tabela e não tardará muito a sermos o país mais pobre da zona euro, o último na classificação da liga dos últimos.

Portugal precisa urgentemente de novas estratégias, apostando em tácticas liberais como menos impostos e simplificação fiscal, a redução de despesas supérfluas, a liberdade de escolha e o combate à corrupção. Só assim poderemos começar a subir na classificação e aspirar a chegar, um dia, à Liga dos Melhores.

A Iniciativa Liberal mostra o cartão vermelho ao orçamento do estado apresentado pelo governo do PS, um orçamento sem ambição que insiste no estilo de jogo inconsequente que nos trouxe para o fim da tabela.

A Iniciativa Liberal está a preparar várias propostas de alteração ao orçamento para que se possa começar a inverter este rumo e sair da zona de despromoção. Portugal e os portugueses têm capacidade para muito mais.

#PortugalMaisLiberal

81454837_533920310530346_7819331551161745408_n.jpg

 

Há 25 anos que estamos a divergir da UE

72536941_10220287265474594_5791751965453058048_n.j

A estagnação socialista é uma realidade que não dá como negar.

Um estudo do Banco de Portugal (BdP) esta quinta-feira publicado como "tema em destaque" do Boletim Económico revela que, em termos de comparação com a União Europeia a 15 países, o PIB per capita nacional de 2018 era inferior ao registado em 1995 e que nestas mais de duas décadas Portugal tem estado sempre a divergir. Mais concretamente, depois de no período 1960-1995 ter havido uma clara convergência a rondar 1,4 pontos percentuais ao ano, no período 1995-2018 a situação inverteu-se claramente e o PIB per capita nacional tem vindo a perder terreno a um ritmo anual de 0,1 pontos anuais.

É ao contrário Catarina, não há crescimento sem contas certas

O BE diz que quer contas certas mas à custa do crescimento económico. Era bom, estamos todos de acordo, só não se percebe é como é que temos crescimento económico sem ter contas certas.

Como é que crescemos com uma dívida elevadíssima da ordem dos 120% do PIB e com juros da ordem dos 4 000 milhões/ano apesar das taxas de juros estarem historicamente baixas graças à política do BCE ?

Por mais que o PIB cresça se a despesa pública estiver fora de controlo ( é por isso que Centeno faz as cativações que tanto enfurecem Catarina) não há défice que resista, nem dívida que não aumente. E o pior é que a carga fiscal já está em níveis nunca vistos não pode aumentar mais. Resta cativar despesa como faz Centeno. Aumentar o crescimento económico exige políticas de médio e longo prazo que a geringonça nunca esteve interessada em implementar. Não dá votos.

A UE nunca disse para controlar a despesa cortando no investimento. O que a UE diz é que é preciso controlar a despesa de funcionamento, precisamente a despesa que o BE tanto quer aumentar.

E é por estas e por outras que António Costa diz que um governo de coligação com o BE e o PCP é impossível. 

E o Euro é que tem culpa de o PIB português não crescer ?

Desde 2007 - 2018 que o PIB nacional cresceu 3% enquanto o PIB na Zona Euro cresceu 11 %. E a culpa é do Euro por termos esta vergonhosa performance? Os outros crescem !

O resultado económico é sabido. Desde 2007, o PIB subiu apenas 3% em Portugal, e 11% na área do euro, com todos os países a crescerem mais do que Portugal, com a exceção da Grécia e Itália. E sem financiamento e com pouca poupança, o investimento agregado só agora voltou para os valores registados antes da crise, algo que apenas se verifica também na Grécia…

 

grafico2_artigoricardosantos.png

 

E a culpa do PIB não crescer é do Euro ?

Se se corta no investimento para fazer crescer a despesa pública pode esperar-se que a economia cresça ? O que está a acontecer é que o aumento do rendimento dos portugueses está a fazer crescer as importações três vezes mais que as exportações logo, o défice externo cresce. E este défice da balança comercial vai ser pago - como sempre - pelos subsídios europeus e pelas remessas dos emigrantes.

O PIB portou-se melhor do que o esperado no primeiro trimestre de 2019 devido à importação dos aviões da TAP .  Conta-me histórias, António...

pibper.jpg

 

E Sines não tem direito nem a uma autoestrada

O Alentejo Litoral é a região do país com maior PIB per capita do país.

A explicação para estes números passa, incontornavelmente, pela refinaria e pelo Porto de Sines. Aliás, em 2017 o PIB do Alentejo (no seu conjunto) cresceu 5,1% em termos nominais e 3,2% em termos reais, sendo a segunda região do país com crescimento mais expressivo (ao nível das NUTSII), logo atrás do Algarve. Uma evolução explicada pelo “desempenho da indústria e energia, em especial pelo ramo da indústria de fabricação de coque e de produtos petrolíferos, atividade com especial importância nesta região”, destaca o INE.

O governo quer acreditar que as eleições chegarão antes da descida mais violenta

A descida já começou para já, suave . O PIB cresceu apenas 2,1% em termos homólogos no terceiro trimestre do ano, o valor mais baixo dos últimos dois anos. Porque a procura externa se contraiu . Os mercados que importam o que produzimos ou nos visitam como turistas, com a sua redução vai-se o crescimento do PIB português. Tudo porque o dinheiro dos portugueses se escoa no consumo de produtos importados ou sai alegremente para os bolsos do estado em impostos indirectos.

E o Orçamento do Estado para 2019, que poderia ser um bom instrumento para estimular o investimento e compensar, com medidas anticíclicas, a descida das exportações, foi mais uma vez usado para pagar as palmas que a bancada apoiante do governo lhe dedica no Parlamento.

Iremos colher o resultado do que andaram a semear. Não vai ser a crise internacional que vai trair  o Governo ou a sua política económica. É esta que vai arrastar montanha abaixo

PS : Expresso- João Duque