Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Eram conhecidos da policia mas todos mataram

Sabe-se hoje que os terroristas de Paris e Bruxelas estavam referenciados pela polícia. E mesmo assim mataram. Como é possível ? Eram conhecidos da polícia francesa mas não da polícia belga ? É a falta de partilha de informações que explica que gente perigosa, referenciada, circule à vontade dentro do espaço europeu ? O que é preciso fazer para, depois de identificados, controlar se não mesmo expulsar gente que a polícia sabe que mais tarde ou mais cedo vai matar?

Sem segurança não há liberdade e não se está a exigir que todos e cada um dos cidadãos a viver na Europa tenha um polícia à porta. Mas os referenciados, uma minoria de muçulmanos fanáticos, têm que ser vigiados, controlados, presos ou expulsos. Uma liberdade musculada com alvos bem precisos .

A Europa já recuou no uso pelas mulheres muçulmanas de vestuário que é uma boa forma de, à luz do dia, transportar armamento e material necessário para construir bombas. Financia mesquitas onde são pregados o ódio e a intolerância. Nas escolas retiraram-se os crucifixos mas as muçulmanas podem exibir vestuário que não são mais que evidências de um religião. Quanto mais recuarmos e aceitarmos o multiculturalismo que não é mais que cedermos no nosso modo de vida, mais sinais enviamos de fraqueza.

Não somos todos iguais mas temos que respeitar a diferença entre nós. Não podemos andar a morrer às mãos de meia dúzia de fanáticos. As ligações entre os autores dos atentados de Paris e Bruxelas mostra bem o que é preciso fazer. Sem exitações.

Aproveitar o sangue de Paris

Ana Gomes , logo na sexta-feira à noite, tentou aproveitar o sangue em Paris para lembrar que, numa altura destas, não podemos estar sem governo, esqueceu-se de que não chega qualquer governo. Seria de facto crítico que, perante o terrorismo, encontrássemos ministros dependentes de quem não é capaz de condenar um crime sem elaborações duvidosas, ou considera que os EUA ou Israel, neste caso como em todos os casos, é que representam a culpa e a ameaça. Não pode haver dúvidas sobre o empenho de quem governa na defesa dos valores ocidentais e do nosso modo de vida.

 

Vou ali à Síria e ao Iraque cortar o pescoço a uns gajos e já volto

Os dois irmãos muçulmanos que assassinaram os jornalistas em Paris estiveram na Síria e no Iraque. Devem ter ido passar umas férias calmas porque regressaram a França sem problema nenhum.

Há aqui muita coisa que não bate certo e que mostra bem como o Ocidente está a deixar que gente cheia de ódio derrote a democracia.

Segundo o Le Point, os três indivíduos terão regressado recentemente da Síria, onde terão combatido nas fileiras radicais. Já a edição francesa do Metro noticia que um dos irmãos encontra-se referenciado pelas autoridades francesas há vários anos, e que terá integrado um grupo radical que combateu no Iraque.

Quando fanáticos como estes entram e saem da Europa sem qualquer problema esperamos o quê?

Não são só os muçulmanos moderados que vão sofrer

Quem vai sofrer a retaliação são os muçulmanos moderados a residir na Europa... Isto só vai servir para dar força à extrema direita e a movimentos nacionalistas.

Mesmo que a grande maioria dos cidadãos europeus continue a defender a liberdade e a não se deixar intimidar por extremismos, venham de onde vierem, a verdade é que a rede de vigilância e de segurança vai continuar a apertar. E, nesse processo, são os cidadãos europeus que mais perdem.

Já tive toda uma sala cheia de progressistas contra mim, depois dos atentados de Londres e em Espanha, quando disse que, para além das vítimas directas, todos os que amam a liberdade sofreriam com o apertar da rede da segurança.

Hoje sabemos que todos nós somos "escutados" e "vigiados" e esse privilégio devemo-lo aos extremistas de todas as matizes. E os piores de todos são os que, vivendo entre nós, e sendo ocidentais, escolhem odiar a terra onde vivem, onde serão enterrados e onde viverão os seus filhos e netos. 

sapo.jpg

 

A maior intolerância, a mais dificil de aceitar, é a que é agitada por heróis soviéticos, cubanos, coreanos, muçulmanos e outros que se servem da Democracia para a derrubar.  

A executiva de Sócrates é paga pela RTP

Passos e Sócrates viajaram no mesmo avião desde Paris. Passos em económica, Sócrates em executiva. Mentiram-nos dizendo que os comícios na RTP eram grátis mas não são nada, quem paga as viagens  somos nós, em nome do serviço público.

Com este homem a verdade nunca é toda. Vale a pena ter deixado o país na bancarrota. Ao contrário, o que perde o cabelo a resolver os problemas, bem como o governante Moedas, vieram no meio da populaça. Não há nada como o estilo, o glamour...