Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O Reino Unido quer sair da UE ficando dentro

Como se previa as negociações do Brexit são dificeis porque o Reino Unido quer sair com o lombo deixando ficar os ossos. Ora se há coisa que não pode acontecer é o Reino Unido ficar em melhor situação que os membros da UE que têm direitos mas também deveres. 

Assim, na visão de May, a futura relação não se pode resumir a uma simples parceira comercial ou acordo de cooperação. Apesar de querer sair do mercado único, a líder britânica manifestou a vontade do Reino Unido em permanecer nalgumas agências europeias, como a do Medicamento. E frisou ainda que depois do brexit o Tribunal Europeu de Justiça deixará de ter jurisdição no Reino Unido.

Ora ontem foi a vez de o presidente do Conselho Europeu revelar a sua proposta, que rejeita muito do que queria Theresa May. Na carta que enviou aos chefes do Estado e do governo da UE, com vista à cimeira dos dias 22 e 23, Donald Tusk estabeleceu as linhas de orientação para as negociações. Estas propõem, nomeadamente, um acordo de livre comércio "como a única solução para a saída do Reino Unido".

Os trabalhadores da AutoEuropa já aceitam o que rejeitaram

Já estão a ganhar como se previa. Agora a administração da empresa nem sequer concede as condições apresentadas aos trabalhadores e rejeitadas no inicio do processo.

"Os trabalhadores não têm de ser castigados por terem uma opinião diferente da opinião da administração. Nós achamos, como Comissão de Trabalhadores, que devia ter sido, pelo menos, implementado tudo aquilo que tinha sido decidido para a primeira parte do ano e não castigar os trabalhadores, retirando-lhes o prémio, retirando-lhe 175 euros de prémio, cinco minutos de sobreposição da mudança de turnos, dez minutos de intervalo e mais 25% (pelo trabalho aos sábados) que seriam pagos no âmbito do pré-acordo, e que agora só será pago ao fim de três meses, se a produção atingir os números que a administração pretende", acrescentou.

Na opinião do representante dos trabalhadores da Autoeuropa, a administração da empresa deveria, pelo menos, ter implementado o pré-acordo que tinha negociado com a actual Comissão de Trabalhadores, apesar de o mesmo ter sido rejeitado por larga maioria dos funcionários da fábrica de automóveis de Palmela."

E segundo o membro da Comissão de Trabalhadores a fábrica nunca será deslocada porque é na fábrica de Palmela que está instalada toda a capacidade de tratamento de chapa para todo o Grupo. Se bem percebo mesmo que essa secção da fábrica permaneça  o resto da produção - linhas de produção - poderão ser deslocadas facilmente.

Ficam com o osso e pelos vistos os trabalhadores ficam satisfeitos .

 

Quem é que mentiu aos Ingleses ?

O Brexit levanta enormes problemas . O primeiro é que o Reino Unido não pode ficar numa situação que seja mais favorável do que as dos membros efectivos da União Europeia. Quer dizer, o Reino Unido não pode esperar poder " escolher as cerejas " . Deixar o osso e ficar com o lombo .

O mesmo povo que votou o Brexit é o mesmo que pensa como segue no gráfico seguinte :

brexit.jpg

 Quem é que andou a mentir a esta gente para votar na saída ? Este processo do Brexit e este gráfico mostram aonde pode chegar o populismo dos "farage" deste mundo, como Catarina Martins e Jerónimo de Sousa. Uma maioria absoluta de votantes ingleses espera manter-se com várias ligações à União Europeia . Os mesmos que votaram pela saída, aliás, bem menos que os que se mostram agora favoráveis à União Europeia. 

O Brexit vai ser uma vacina para os povos que tanto beneficiam com a União Europeia e com a Zona Euro . E as gerações mais jovens que votaram maioritariamente pela permanência terão a sua oportunidade de voltar quando as gerações mais velhas desaparecerem .

É verdade que em democracia a base é "um homem um voto " mas os mais velhos não devem cortar horizontes aos mais novos. O Brexit é uma machadada na esperança e nos horizontes dos mais novos por quem já cá não estará.

Contra mim falo .

A renegociação da dívida é para fazer mais despesa ?

A renegociação da dívida irá fazer-se quando as condições necessárias estiverem reunidas. Não há bruta como querem o PCP e o BE mas em harmonia com os credores. E depois é preciso saber onde se aplica a folga orçamental assim obtida . Para fazer mais despesa ou para fazer as reformas de um estado gigantesco e  demasiado interveniente na economia ? É que se é para fazer mais despesa rapidamente voltaremos à situação habitual .

Com a maioria dos países controlados financeiramente será possível prolongar prazos e baixar juros, mas não obter perdões como querem os partidos da extrema esquerda. Aliás, António Costa já veio dizer isto mesmo em recente entrevista. Negociar no quadro da União Europeia , com a certeza que a dívida só será paga com a economia a crescer bem mais e, para isso, é necessário investimento que virá da Europa .

Não só estas magnas questões terão que ser resolvidas no quadro da União Europeia como também é certo que não terão solução fora dele. A alternativa é o empobrecimento e o isolamento. As notícias sobre a dívida e o espírito de negociação estão cada vez mais presentes e colhem mais aceitação.

É só preciso que os partidos da extrema esquerda não façam da chicana política a sua contribuição para dificultar a solução.

O Reino Unido vai continuar na União Europeia

A União Europeia é como o casamento. Quem está dentro quer sair ( nem todos) quem está fora quer entrar. E há os que passam a vida a falar de divórcio mas depois não abandonam a casa "cosy" ( acolhedora). Falam, falam, mas eu não vejo ninguém a apresentar uma alternativa válida.

O referendo no UK foi ideia que surgiu como pressão para o país ganhar força nas negociações com os restantes países da Europa. Nasceu com muita força mas à medida que se aproxima o momento da decisão o voto a favor da permanência vai na frente nas sondagens.

Mas esta não é a única sondagem que cimenta a preferência dos britânicos pela permanência. Segundo a Reuters, das sete últimas sondagens conhecidas, seis indicavam que a maioria dos inquiridos quer ficar no Reino Unido e a sondagem que agrega todas as sondagens sobre o Brexit do Financial Times indica que há 47% dos britânicos a favor da permanência e 40% que preferem a saída.

 

 

Canta Catarina, canta

António Costa sempre que sai de um encontro com o BE vem de riso alargado. Afinal como se vê as reivindicações do BE são confortáveis, nada que o PS não faça sozinho. Com o PC é mais difícil que este não dá nada em troca, mas a táctica é a mesma. Esvaziar os dois partidos extremistas das políticas que podem ser executadas pelo PS no âmbito da UE e da Nato e deixá-los com as medidas revolucionários que o PS nunca apoiará.

O BE e menos o PC sobem eleitoralmente à conta do PS que tem que separar águas. Muitas, senão mesmo a maioria das medidas preconizadas pelos partidos da esquerda dura têm que passar a ser bandeiras do PS, sob pena de o PS estar cada vez mais próximo do PSD . E, no âmbito da União Europeia, do Euro e do Tratado Orçamental é cada vez mais difícil distingui-los. Veja-se o que se está a passar com os governos socialista na Europa. Holland, Pasok, PSOE e tantos outros. O socialismo democrático tem que se reinventar . No PS, basta olhar para as primeiras bancadas da Assembleia da República, ter noção que o PS perdeu 850 000 votos entre 2005 e 2015 e que já levou o país a três bancarrotas.

Canta Catarina, canta...

O imperativo nacional é não dar tiros no pé

BE diz que é um imperativo nacional renegociar a dívida e que o governo ao fechar-se a esta possibilidade nos está a envergonhar a todos. O PCP diz que é preciso preparar a saída do euro quando 74% dos portugueses quer permanecer na Zona Euro.

Teixeira dos Santos, ministro das finanças do anterior governo socialista diz, que quando o governo está em condições de pagar antecipadamente ao FMi, falar em negociar a dívida é um autêntico tiro no pé. Lá se iam as baixas taxas de juro que tantos sacrifícios nos custaram e os mercados passariam  a fazer pontaria a Portugal.

Quando BE e PCP se dizem alinhados com o Syriza e o Podemos é isto que pretendem. Se a Grécia cair não cairá sozinha, Portugal e se possível os outros países do sul da Europa, serão arrastados para as "manhãs que cantam".

Estes partidos não estão preocupados com Portugal, perseguem o "internacionalismo", a "frente comum" contra o Ocidente e as suas sociedades liberais, onde foi possível criar o "estado social", barreira que é preciso derrubar.

..."não é para discutir a dívida de um só país, como maldosamente se insinua, mas de todos. A dívida dos gregos, dos irlandeses, dos cipriotas, dos espanhóis, dos italianos, dos belgas e a nossa dívida, a dos portugueses.

PCP e BE cada vez mais isolados

PS ( de Seguro e de Costa) estão prontos a negociar com Ana Drago. E o LIVRE de Rui Tavares também pode entrar nas contas. Uma ruptura corajosa com o imobilismo que anda sempre agarrado ao dogmatismo, abriu de imediato espaço para caminhos até agora interditos. Afinal sempre é possível convergir no quadro da UE. Os que se mantêm na árdua tarefa de estrangular a esquerda "à esquerda do PS" reconhecem agora o peso eleitoral das ideias políticas de Ana Drago e Daniel Oliveira. Ambos são “bem-vindos” no Livre, mas nos corredores bloquistas cresce a convicção que farão um novo partido para se coligar nas legislativas de 2015. E abrir a porta ao PS.

"Não queremos ser sucursal do PS " dizem os que vão continuar dogmaticamente nos seus "blocos" de onde nunca sairão. E como lembra Daniel Oliveira : "quem se nega a governar é governado ". O PCP sabe-o melhor do que ninguém.

A falta de entendimento na política, paga-se cara

A política é essencialmente negociação. Que PSD e PS não sabem fazer. O país paga caro : Por uma falta de coordenação entre PSD e PS, em Portugal o ajuste não foi pensado, foi totalmente imposto por técnicos da Comissão Europeia e do FMI, que têm trabalhado noutras regiões com programas muito similares e que não olham para o país em si. E pensam: isto resultou noutros países. E quiseram fazer de Portugal uma experiência, tal como aconteceu na Argentina, que foi uma grande experiência. O FMI nas suas experiências na Argentina dizia: aqui está um grande país que fez tudo isto. Passados cinco anos olhamos para a Argentina e a Argentina não está lá.

A Alemanha está há um mês a negociar uma coligação

Deve estar enganada. Nós por cá é "atar e pôr ao lume". Não há que negociar nada, se quer muito bem se não quer governamos em minoria e depois fazemos "negócios tipo queijo limiano", cedemos aqui e ali, e no fim de tudo governam todos e não governa ninguém.

Fazer política é negociar, encontrar a melhor forma de servir o país. E negociar é ceder em algumas coisas e ganhar noutras por forma a que o governo possa ter um programa conhecido de todos e credível.

Por cá todos se queixam mas ninguém está disposto a ceder em nada para servir o país. Tudo gente com uma "visão" estratégica para o país. Falhada uma solução com os Verdes, os conservadores encontraram terreno comum para negociarem com o SPD. Nas últimas semanas, várias delegações dos dois partidos reuniram entre si para elaborarem um programa conjunto.

Esta é a diferença entre os idiotas tugas meio ignorantes e políticos alemães responsáveis. Mário Soares , anda por aí, alegremente, a dar gaz aos seus "rapazes".