Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A opinião de um prémio Nobel - Portugal é um caso de sucesso

Não me canso de dizer isto aos que sempre fizeram "do quanto pior, melhor" a sua politica de sempre. Portugal no Euro é uma história de sucesso. Toda a população vive melhor, muito melhor do que antes da entrada do país no euro.

As coisas estão más, diz Krugman, ao contrário dos que pensam que já podem baixar as medidas de austeridade.

Frisando sempre que, apesar das dificuldades, a integração de Portugal na Europa é “uma história de sucesso”, Krugman considera que o país atravessou muitas dificuldades nos últimos anos, mas, ao contrário da Grécia, não ficou numa “situação tão desesperada” que pudesse levar a uma decisão como a saída da moeda única, cujas consequências seriam muito dolorosas. Por isso, garante, “nunca iria sugerir que Portugal saísse do euro”, conselho que chegou a dar a Atenas durante o Verão.

 

 

Portugal vive um pesadelo

Krugman volta ao tema. Digam, não! E o conselho é para Portugal. "“Não me digam que Portugal tem tido más políticas no passado e que tem profundos problemas estruturais. Claro que tem, e todos têm, mas sendo que em Portugal a situação é mais grave do que em outros países, como é que faz sentido que se consiga lidar com estes problemas condenando ao desemprego um grande número de trabalhadores disponíveis?”, frisa Paul Krugman num artigo publicado nesta segunda-feira no seu blog do New York Times, intitulado Consciência de Um Liberal.

A Alemanha já decidiu aumentar os salários em 4%

Tal como Krugman preconizou. É uma medida que aumenta a competitividade de Portugal e contribui para aumentar as exportações : O vencedor do prémio Nobel da Economia acrescenta que um aumento dos salários alemães ajudaria a resolver o problema da competitividade dos salários portugueses. Neste momento, salienta o economista, os salários portugueses estão demasiado altos relativamente aos alemães.

“Suponham que eu pudesse agitar uma varinha mágica e de repente aumentar os salários alemães em 20%. O que é que acham que iria acontece ao valor do euro contra o dólar e outras moedas? Cairia muito, não? E as exportações portuguesas tornar-se-iam mais competitivas em todo o lado, incluindo destinos não alemães e extra-europeus”, diz Krugman.

“Eu achava que isto era óbvio. Pelos vistos, não” conclui.

Chipre deve sair do Euro já, diz Krugman

Chipre vive do sistema financeiro e do Turismo. Um deles acabou agora por desaparecer. Tem que sair do Euro e apostar no reforço do turismo e no sector da exportação mas tudo isto leva muitos anos a montar.

Sair do euro permitirá acelerar a reconstrução” económica de Chipre, defende Krugman, explicando que o caminho mais acertado neste momento é apostar num “boom do sector turístico, enquanto se fomenta o crescimento de outras exportações”, dando o exemplo da agricultura. 

Os países têm que manter os sectores primário e secundário. O terciário é demasiado volúvel.

Alguém é capaz de mostrar isto à troika ?

Krugman, o Prémio Nobel da Economia, face aos problemas levantados pela austeridade não entende que o FMI continue a promovê-la. E, já agora, a Europa a aplicá-la. Claro que Krugman sabe que os países de  economias fortes estão a ganhar muito com as dificuldades das economias periféricas .

E, assim sendo, já não é só um problema de economia, é também um problema político. Perguntem à Alemanha que tem eleições em Setembro.

"As nações que impuseram políticas de austeridade severas sofreram crises económicas profundas; quanto mais severa a austeridade, mais profunda foi a recessão. E na verdade, esta relação tem sido tão forte que o próprio Fundo Monetário Internacional, num impressionante mea culpa, admitiu que havia subestimado os danos infligidos pela austeridade", sustenta o economista norte-americano.