Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Um país mais liberal mais justo e mais rico

 
⚠️ Presta atenção.
Portugal está na iminência de uma brutal crise económica. O país não está preparado para esse impacto social que, se nada for feito, gerará muito sofrimento, com grande aumento do desemprego e da pobreza.
É essencial e urgente que o estado torne a vida dos cidadãos menos complicada para que neste momento de dificuldade possam mais facilmente criar actividade económica, sem estarem sujeitos a burocracias, taxas e multas esmagadoras, castradoras, desproporcionais.
É urgente desburocratizar, descomplicar, desregular. É imperativo que o Estado tire peso de cima da iniciativa privada, até ao mais simples negócio individual, para que possa sobreviver à crise. Os portugueses não podem ficar todos dependentes do Estado, até porque este inevitavelmente lhes falhará.
É urgente baixar impostos, permitir que cada português que consiga ter viabilidade económica em alguma actividade em que se empenhe o possa conseguir.
É necessário dar mais Liberdade ao engenho e criatividade dos portugueses para mais facilmente atravessarem a crise. É obrigação moral do Estado, que se tem alimentado de forma sufocante do esforço e trabalho dos portugueses nos últimos anos, que neste momento de crise alivie o seu peso.
Os portugueses sempre foram inventivos e resilientes. Esta crise será mais um teste. O Estado não pode ser mais uma força de bloqueio, o Estado tem de sair de cima.
Presta atenção! Não te distraias com manobras de diversão. A única solução não pode ser sempre sair do país. A tua Liberdade está em causa. A Liberdade de viveres a tua vida com dignidade, com oportunidades, no teu país. Exige que o Governo esteja à altura.
A
Iniciativa Liberal
não permitirá que o país se distraia perante a gravidade do que está em causa e lutará para aprovar medidas essenciais para ajudar os portugueses a atravessar esta crise.
 
 
 
 
 
 

Uma Justiça que oferece demasiadas garantias a quem as pode pagar

Morreu José Oliveira e Costa. Para um cristão a morte de um irmão é sempre um momento de tristeza, a humanidade fica mais pobre e deseja-se paz à sua alma.

No entanto, o elefante no meio da sala é claramente este, Oliveira e Costa foi responsável por uma fraude que custou imenso dinheiro e sacrifício aos portugueses. A nacionalização do BPN ocorreu há 12 anos. Oliveira e Costa morreu sem que, judicialmente, tenha sido plenamente responsável pela sua conduta e cumprido a pena.

Uma justiça lenta, oferecendo demasiadas garantias a quem tem um bom advogado, não é sã e é bom campo de cultivo para populistas.

Obviamente que, no momento da morte, não é de bom tom atacar directamente Oliveira e Costa, que não está cá para se defender. Mas, aproveitar o momento para reflectir acerca da justiça que temos e a que gostaríamos de ter, não me parece mal pensado.

RIP

Afinal aquilo no Brasil não é tão mau como o pintam

E Lula saiu da prisão por ordem de um órgão da Justiça do Estado Democrático Brasileiro. O mesmo que o mandou prender. Quer dizer, no Brasil a Justiça funciona apesar de Bolsonaro.

A América do Sul é uma permanente lição. Presidente de Esquerda que se estime fica eleito para sempre. No Brasil Lula passou a Dilma, na Venezuela Chavez passou a Maduro e agora Evo Morales passou a...Evo Morales. Os golpes são um portento de imaginação para que os democratas não larguem o poder. A bem do povo está bem de ver.

Se o povo em eleições livres dá o seu voto a um candidato que não seja de esquerda temos golpe, e os camaradas rasgam as vestes. Por cá o PS governa há vinte anos nos últimos 27 mas a culpa é do Passos.

Vai lá vai, fia-te na Virgem e um dia tens no poder um Bolsonaro ou um Trump.

74494129_10218985501526139_683281364958576640_n.jp

 

O assalto dos políticos à justiça

Quando correm importantes processos judiciais os politicos querem mudar as instituições com o objectivo de controlar .

Marcelo, que aceitou a não recondução de Joana Marques Vidal, vá lá saber-se porquê, já veio dizer que para se alterar a composição do Conselho Superior do Ministério Público será preciso alterar a Constituição. Será mesmo? A propósito, fiquemos com o que disse Joana Marques Vidal sobre este assunto: «A defesa da maioria de membros não-magistrados no Conselho Superior vai ao arrepio das orientações dos organismos internacionais, como o Conselho da Europa». Citada pelo Público, disse ainda: Essas orientações «têm uma razão de ser: Manter a independência dos tribunais, que pode ficar em causa quando os membros não magistrados ficam em maior número».

Os pobres são os que mais dependem dos degradados serviços públicos

A curto prazo, no recibo dos rendimentos, os pobres vão notando pequenos aumentos a tempo das eleições. A médio prazo, os mesmos pobres que dependem dos serviços públicos, dão de caras com a degradação e a insuficiência.

 

Na Saúde há uma lista de 200 000 doentes à espera de uma cirurgia ; meses de espera para um exame .Os fornecedores desesperam por não conseguirem cobrar mil milhões de euros . Os médicos e enfermeiros estão à beira de uma greve por falta de condições .

 

Metade do país ardeu levando à sua frente o pouco que o povo tinha para o seu dia a dia. Os bombeiros comem sandes de ar e vento enquanto os governantes comem belos jantares.

 

Na Educação, a uma semana da abertura do ano lectivo, falta colocar uns milhares de professores que fazem manifestações sem que o alucinado Nogueira se veja. E os pais desesperam para colocar os seus filhos em escolas dignas.

Por outro lado, tem graça ver a esquerda elevar a bandeira da justiça social falando de reduções na tributação do rendimento, enquanto mantém uma política que compensa "o fim da austeridade" com níveis historicamente baixos de investimento público e cativações recorde, que deixam os serviços em condições miseráveis. Os mais pobres, quase metade dos agregados, não pagam IRS. Não pagam IRS, mas são os que mais dependem dos serviços públicos. Por isso, durante anos escutámos a esquerda dizer que a justiça social se cumpre, não com reduções de impostos, mas com o investimento nos serviços.

Mas a propaganda tudo muda

 

 

Ao par é mais barato

Há entre o PS e a Justiça uma espécie de paixão. Não conseguem viver um sem o outro .

Já agora metam também o "piloto" e os comandos . Escolham com critério . Apagar escutas e rasgar processos ou abrir a Assembleia da República a quem acabou de sair da prisão também provaram . E o PCP e o BE não são necessários para fazer a lei ? Ou votam todos a favor incluindo PSD e CDS ? É um fartar.

cmsoc.png

 

É só o estado de direito a funcionar

A Democracia vive da separação de poderes. O poder judicial não depende do poder executivo, isto é, do governo.

À Justiça o que é da Justiça e não pode ser de outra maneira. Por cá também ensaiaram a narrativa que se tratava de uma perseguição. Depois veio a ordem de prisão e agora esperamos pela acusação. Os tribunais decidem. É assim em Democracia. Com todos os direitos de defesa intactos e com presunção de inocência.

Em certos sistemas avançados é que há presos politicos. Sem direito a um tribunal imparcial.

capa_jornal_i_30_03_2016.jpg

 

 

 

 

 

Henrique Neto não engole a narrativa de Sócrates

Os indícios eram mais que muitos. Sempre esperou que mais tarde ou mais cedo o ex-primeiro ministro estivesse a contas com a Justiça. E considera que é dever dos candidatos a presidente da república pronunciarem-se sobre os ataque de que a Justiça é vítima.

"Portugal não pode ter um Presidente da República cúmplice de comportamentos eticamente reprováveis, nem com medo do poder do sistema partidário ou de interesses económicos”, conclui Henrique Neto.

O militante socialista foi um dos maiores críticos da governação de José Sócrates e chegou a assumir, em declarações ao i após a detenção do ex-primeiro-ministro, que “há anos que esperava que isso acontecesse”, porque “os indícios eram mais que muitos”.

Há algum candidato mais independente que Henrique Neto ? Empresário, deputado e socialista ?

Saber como vive um ex primeiro ministro é coscuvilhice ?

Já todos ouvimos aquelas perguntas e todas aquelas respostas. E o resumo está feito . Há uma máquina no Ministério Público que tem como objectivo inventar processos contra o ex - primeiro ministro . Levantar suspeitas .

O que ainda nenhum de nós ouviu foi o que falta passe a redundância. Como é que o ex PM a quem não se conhece fortuna pessoal ou familiar vive uma vida de luxo gastando fortunas ? Porque carga de água em todos os processos inventados pela tal máquina, damos de caras com tios, primos, amigos, ex-professores do ex PM ?

No Freeport encontramos lá o tio e o primo. Na PT que desapareceu como um fósforo, após as manigâncias conhecidas, incluindo a gold share que José Sócrates usou como quis, lá estava o amigo Rui Pedro que, com 35 anos, ganhava 150 mil euros/mês. Na Operação Marquês lá está a roda de amigos. Na Cova da Beira um ex professor...

Esperemos que na 2ª parte da entrevista pelo menos estas duas perguntas sejam colocadas e respondidas. Todos nós como cidadãos temos o direito de saber. Não tem nada de coscuvilhice como se chegou a insinuar. E temos o direito a formar uma ideia sobre o ex-governante. Uma coisa é certa . Se é ou não culpado perante a Justiça só à Justiça cabe decidir.