Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Políticos podem vir a responder criminalmente pelas mortes nos incêndios

Políticos e operacionais podem vir a ser indiciados criminalmente à luz do recente relatório independente.

Os responsáveis operacionais e os responsáveis políticos podem ter de responder criminalmente pelos fogos de Outubro de 2017, avança o jornal Público, esta quinta-feira, 22 de Março. A hipótese foi admitida ao jornal por uma fonte ligada às investigações, que sublinhou a importância do relatório da Comissão Técnica Independente para o desenvolvimento dos inquéritos em curso.

Poderá vir a estar em causa o crime de homicídio por negligência devido à recusa de reforço de meios de combate ou à omissão em pré-posicionar recursos humanos e materiais, medidas que poderiam ter diminuído o impacto dos incêndios.

PS : Eucalipto só dominava num dos sete incêndios de Outubro de 2017

A culpa é dos jornalistas já não é de Passos Coelho

A culpa dos incêndios já não é de Passos Coelho agora é dos jornalistas, segundo António Costa.

Ora, como todos sabemos, se não fosse o trabalho de investigação da imprensa, hoje não estaríamos a par daquilo que o Governo tentou esconder da opinião pública e dos partidos da oposição que, desde maio de 2017, questionam o governo e, em particular, o Ministério da Administração Interna pelo mau planeamento da época de incêndios de 2017.

Os portugueses podem pois agradecer à imprensa termos ficado a saber que a escassos meses da mais difícil época de incêndios de que há memória, em que todos os dados do IPMA previam as piores condições, o Governo liderado por António Costa decidiu despedir experientes comandantes distritais da Proteção Civil para os substituir por boys do aparelho socialista com parca experiência de terreno .

Há que encontrar um bode expiatório para os incêndios do próximo verão

Quando " Os lobos uivam " :

Por fim sinto indignação. Por mais argumentos que escute, por mais diatribes que oiça, não consigo encontrar um racional para a irracionalidade desta campanha a não ser o racional que não devia existir: o cálculo político. Dizendo a coisa de forma frontal e franca: todo este alarido tem menos a ver com a protecção da floresta contra os incêndios e muito mais a ver com a protecção de António Costa contra os imprevistos de um Verão que corra menos bem, pois nem é preciso que corra tão mal como o último para ele pagar um elevado preço político. Mas agora já não corre esse risco, porque depois desta campanha vai sempre poder dizer: fiz tudo o que estava ao meu alcance, se as coisas estão a correr mal é porque os malvados dos proprietários não limparam as suas matas.

É assim que actua um politiqueiro habilidoso e calculista, não é assim que actua um estadista.

António Costa irritou-se com Cristas

Os incêndios estão aí para durar. Esta semana já tivemos incêndios com as queimadas de inverno.

A limpeza da floresta - segundo os especialistas - como está a ser feita é um erro porque o que arde é o restolho não são as árvores. E há árvores e árvores.

Mas a questão do momento é arranjar desculpas e argumentos para quando chegar o verão e se possível um bode expiatório. Autarcas e bombeiros já vieram dizer que não aceitam ser os bodes expiatórios quando falta dinheiro, máquinas e homens no terreno. E, claro, falta tempo esse carrasco.

António Costa irritou-se porque sabe que muita coisa pode mudar com a dimensão dos próximos incêndios. E desta vez ninguém aceitará que vá de férias. A começar por Marcelo.

Assunção Cristas levou para o debate a notificação das Finanças que todos os contribuintes receberam para cumprimento das responsabilidades que tenham na limpeza em torno de casas e de aldeias no espaço rural. Disse, por exemplo, que "particulares e autarcas se queixam da inexequibilidade da operações, por não existir maquinaria para cumprir a lei".

Para já há uma demissão no governo faltam ainda umas tantas

Para já há seis arguidos constituídos com o desenvolvimento do inquérito aos incêndios . O governo tentou censurar o Prof. Xavier Viegas, ocultando parte do seu relatório mas o presidente da Comissão de Inquérito não foi na cantiga. Corajosamente publicou culpas negras e incompetências vergonhosas. Tudo o que o primeiro ministro  "não sabia."

No caso "Raríssimas" o actual ministro da Segurança Social ( aquela entrevista demitia qualquer um) andou por lá como vice-presidente mas nunca viu nada nem "sabe nada" . A mulher, deputada da nação, vai de viagem ( afirma que devolveu o dinheiro). É assim que se preenchem currículos, muitos cargos importantes mas sem responsabilidade e sem trabalho. E é claro "não sabe nada".

O secretário de Estado da Saúde, também foi consultor da "Raríssimas" recebendo 3 000 euros/mês enquanto ocupava outras funções. Pediu hoje a demissão mesmo não "sabendo nada".

O Estado é isto, um amontoado de gente sem "rei nem roque", sem avaliação e com salário fixo e progressão automática na carreira . Claro que há no Estado gente muito capaz e decente e é por isso mesmo que não é possível continuar com este conveniente " todos iguais todos medíocres".

Porque se o Estado não for escrutinado pelos contribuintes vai enchendo até rebentar. Aliás, os funcionários públicos deviam ser os primeiros a exigirem uma administração pública transparente e exigente consigo própria.

Costa promete - haverá mais dramas como os de hoje

António Costa já promete que haverá mais dramas como os de Pedrogão e os de hoje. Ninguém tem culpa, os incêndios são um problema estrutural e como tal não há demissões. Nem da actual ministra nem dos antigos onde, por acaso, encontramos o actual primeiro ministro.

É que é mesmo por esta circunstância que António Costa defende a ministra "à outrance" . Se tivesse que a demitir por causa dos incêndios que fazer com ele próprio que é o pai da organização estatal de ataque aos incêndios que tão bons resultados tem dado ?

Na última década houve poucos incêndios há muito combustível acumulado e com este verão que não nos larga é de prever que nos próximos dias haja mais do mesmo.

Claro que ninguém pergunta a Costa porque é que não mandou limpar a floresta mas isso não estará ao alcance das devoluções. São muito mais fáceis de fazer e ganham-se votos, já mandar limpar a floresta só dá chatices. Sem fogos ninguém se lembra do governo que mandou fazer a limpeza da floresta.

E bem vistas as coisas além dos seis anos nos governos Sócrates só tem dois anos no actual governo. Como se vê não teve tempo para fazer o quer que seja . Não, sem varinha de condão, os portugueses são adultos e percebem...

Acção judicial colectiva contra o Estado

A população não esquece os seus entes queridos que morreram carbonizados no incêndio de Pedrógão, embora o poder não veja isso com bons olhos. O melhor mesmo era esquecer e agora até vêm aí as autárquicas não convém nada.

Foi criada uma associação que podera avançar com uma acção judicial contra o estado. Querem saber quem são os responsáveis. 

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa e que anuncia a celebração da escritura da constituição da associação, a AVIPG diz que, “nas ações mais imediatas”, “pretende constituir-se como assistente no inquérito que investiga as causas e culpados do grande incêndio que assolou os sete concelhos do Pinhal Interior, causando 64 mortos e mais de 200 feridos e que pondera uma ação coletiva contra o Estado. E não vai parar por aqui”.

A sociedade civil não pode continuar a ser subjugada pelo Estado e não se organizar para se defender de um Estado incompetente e em demasiados casos irresponsável. Em qualquer país decente do mundo uma tragédia como a de Pedrógão daria lugar à demissão do governo . Mas aqui, nem os donativos dos cidadãos chegam às vítimas .É mau demais.

“Quase três meses após a tragédia de Pedrógão Grande, um conjunto de 47 familiares das vítimas, feridos e amigos das vítimas uniram-se para lutar contra o estado de coisas que conduziu à maior tragédia de vidas humanas em incêndios florestais em Portugal e na Europa”.

É bom que todos nós que assistimos primeiro à tragédia e agora à pantomina, ajudemos nesta acção justa e importantíssima para a Democracia.

António Costa já apresentou a sua nova versão dos factos

Há cinco (5) hipóteses segundo o governo que explicam a tragédia dos incêndios :

Estas são as quatro primeiras versões (há uma quinta, já lá vamos). Recapitule-se: (1) a de o SIRESP ter funcionado com toda a normalidade; (2) a das falhas do SIRESP terem sido de “menor relevância”; (3) a de que o SIRESP falhou excepcionalmente num momento de emergência; (4) a de que há um problema efectivo no SIRESP. Ora, apesar de contraditórias, estas versões têm em comum um único foco de responsabilidade: o SIRESP, a sua gestão e a sua articulação com o Estado. Primeiro, para o ilibar. Depois, para o comprometer cada vez mais.

Agosto, surja a quinta versão dos factos, desta vez pela boca do primeiro-ministro, para que fique definitiva: o SIRESP “colapsou” mesmo e a responsabilidade afinal é da PT. Vendo para além dos relatórios e dispensando as conclusões da comissão de peritos que o parlamento convocou, António Costa já apresentou a sua (nova) versão dos factos. Uma versão particularmente conveniente, diga-se. Por um lado, iliba o governo e anula as suas co-responsabilidades. Por outro lado, faz de bode expiatório uma empresa (Altice, detentora da PT) à qual declarou guerra e contra a qual tem direccionado as suas críticas – e, já agora, ameaça-a com a mudança do SIRESP para outra operadora. Situação win-win

Não, não estava nem está tudo esclarecido

Percebe-se a pressa do primeiro ministro em fechar o processo dos incêndios em Pedrogão. Contrariamente ao que Costa diz, o processo não está esclarecido. Á medida que conhecemos mais informações percebemos a dimensão das falhas e da descoordenação.

"Nem sempre foi possível garantir a defesa perimétrica das povoações, as intervenções de socorro e as evacuações desejadas" durante o incêndio de Junho de Pedrógão Grande, reconheceu esta quarta-feira, 9 de Agosto, a ministra da Administração Interna. Por outro lado, acrescentou, "as condições do incêndio inviabilizavam os acessos a algumas localidade e algumas situações de emergência chegaram, por dificuldades de comunicação, tardiamente ao conhecimento ao Posto de Comando e Controlo".

Não fosse o imenso clamor da sociedade civil, o governo teria dado por terminada uma tragédia onde morreram 66 pessoas . Com Costa é sempre assim, varrer para debaixo do tapete como se ele próprio não tivesse largas culpas .

E como se tinha já percebido a informação foi centralizada para ser filtrada. Mas quem se indigna com estas jogadas pouco escrupulosas é que é o mau da fita.