Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Acabou a prepotência ?

Parcerias com os privados para colocação de desempregados. A partir de agora os desempregados só são chamados quando o IEFP tem uma proposta firme de emprego para oferecer.

Escriturárias do alto do seu emprego para toda a vida mal tratavam os desempregados, abusando da situação crítica em que estes se encontravam. Pessoas sem carácter chamavam os desempregados para os ameaçar, sem qualquer proposta para lhes oferecer. Por prepotência. Parece que acabou. " O presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), garante que os desempregados só são chamados quando há uma resposta para oferecer."

Empresas privadas a colocar desempregados

A colaboração entre o Estado e as empresas de recursos humanos só ainda não é uma realidade há muito tempo porque no nosso país há o preconceito contra a actividade privada. Empresas que estão no negócio de colocação profissional de pessoas, com ligação ao mundo empresarial, que conhecem as necessidades e que ajustam a procura com a oferta são um instrumento poderoso para encontrar soluções.

Há décadas no mercado, estas empresas possuem uma vastíssima base de dados de profissionais e do mundo empresarial podendo canalizar os desempregados que se amontoam nos centros de emprego do IEFP.

Mais uma vez o que é importante não é se é público ou privado. É resolver a situação aflitiva de quem está desempregado. 

Isto é verdade - oferecido estágio de cabeleireira a uma economista

A forma prepotente como o Instituto do Emprego e Formação Profissional trata os desempregados é um vómito. O que aqui se relata também aconteceu comigo. Fui chamado para ser enxovalhado por uma qualquer escriturária . Nada tinha para me oferecer e aproveitou para insinuar que me arranjava um lugar de estagiário. Eu tinha 55 anos e vinte e cinco anos de direcção e administração de empresas e nunca tinha metido uma baixa. Nunca tinha recebido um subsídio por mais pequeno que fosse da Segurança Social.

Se esta colega, amiga de Mário Crespo, precisar de uma testemunha em tribunal estou pronto para comparecer e testemunhar. Nestes serviços a relação é de "empregado com vencimento certo para todo o sempre" para o pobre desempregado que precisa de trabalho. Se fazem isto a uma economista adivinhem o que será com trabalhadores mais modestos.