Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Baixar o IVA baixa o preço no consumidor ?

Claro que não :  Para Diogo Sousa Coutinho, uma das razões que motiva uma tributação tão pesada sobre o setor, é a fuga aos impostos, porque “caso toda a gente da área da restauração pague IVA, e não fuja ao Fisco, é possível que este seja 13%”. A restauração tem de ser muito bem gerida, considera o dono do Noori. Na opinião do empresário, “ainda há uma grande percentagem de fuga ao Fisco”. Se todos pagarem impostos, “é possível descer a taxa para 13% e até para 11%. É possível baixar, é matemático,” conclui.

Eu que janto frequentemente em restaurantes vejo-os cheios e, não vejo ninguém a pedir factura, a não ser os que podem apresentá-la na empresa como custo. Quer dizer para mim e para a maioria o jantar fica 23% mais caro e o estado não ganha nada com isso. Se a taxa baixar para 13% aumentam os consumidores ? E passam todos a pagar o IVA ?

E se a taxa na hotelaria subir de 6% para 13% e na restauração baixar de 23% para 13% ? Travava o turismo nos hotéis ? Talvez neste caso do IVA o número "13" não seja um número aziago. 

A burocracia que nos esmaga

Dez anos para abrir um hotel. Reabilitar o edifício e transformá-lo num hotel demorou dois anos o resto ( 8 anos) foi consumido pela burocracia. Pelas capelinhas dos poderes. Por um monte de entidades que dão pareceres e complicam a seu belo prazer. Como é que a economia pode funcionar com eficiência ? Não pode.

Comprámos o edifício em 2005 e só abrimos o hotel em 2015", salienta António Trindade, referindo que a demora do projeto se deveu sobretudo à burocracia "e por estar dependente de demasiadas entidades", já que a obra em si decorreu em dois anos.

"O drama nacional é o excesso de pequenos poderes com os seus sucessivos protelamentos, e a pequena burocracia é a mais difícil de ultrapassar. É o sistema que efetivamente tem de mudar", sustenta o hoteleiro, defendendo aqui o modelo anglo-saxónico em que "o ónus dos prazos das aprovações recai sobre as entidades licenciadoras". 

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/porto-bay-abre-hotel-em-lisboa-que-levou-dez-anos-a-reabilitar=f913889#ixzz3Tp7EyvuM

Os (PIN ) Projectos de Interesse Nacional estão ao abandono no Algarve

Os PINs,  uma boa ideia que rapidamente se transformou numa batota. Apercebi-me que só serviam para enterrar dinheiro em Hotéis e Campos de golfe. O aumento de capacidade na refinaria de Sines é da GALP e para além disto há um barracão da IKEA em Lousada.  Fábricas nem uma!

Quarenta e oito por cento dos hotéis estão ao abandono no Algarve com muitos milhões desperdiçados e, os campos de golfe, vão pelo mesmo caminho. Em 2006, quando o dinheiro abundava eram estes os investimentos . Falava-se que tinham sido autorizados projectos para mais 24 000 camas só no Algarve.