Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A próxima geração vai ser melhor que a actual

Preferem um plano de seguro de saúde e só após um bom salário . Bom ambiente empresarial, oportunidades de carreira e tempo para a família. E estão mais dispostos a trabalhar - quando necessário- que não é o mesmo de permanecer na empresa horas seguidas.

Entre as 2.000 pessoas consultadas, 58% dos que integram a geração Z disseram que até  trabalhariam à noite e aos fins-de-semana em troca de melhores salários, contra 45% da geração Y, 40% da geração X e 33% da geração nascida no pós-Segunda Guerra Mundial.

A surpresa não é assim tão grande: têm a juventude a seu favor e geralmente não estão sobrecarregados com a responsabilidade de cuidar de crianças, que torna difíceis para as gerações anteriores os horários irregulares de trabalho.

seguro.png

 

Somos a primeira geração que pode erradicar a pobreza extrema

Numa conferência com o título "O mundo que queremos - Jorge Sampaio frisou que o balanço dos últimos dez anos é globalmente positivo, embora irregular. Quando as metas para o desenvolvimento foram fixadas "24% da população mundial morria à fome e 37% viviam em pobreza extrema". A redução destes números em cerca de metade, o aumento da escolarização ( as crianças sem acesso à educação caíram de 102 milhões para 57 milhões) e o combate à mortalidade infantil são áreas que há que destacar, apesar do muito que há ainda por fazer.

Mónica Ferro, académica e deputada lembrou que " somos a primeira geração que pode erradicar a pobreza extrema". Um dos entraves é que os países ricos apenas contribuem com 0,7% do PIB para a ajuda ao desenvolvimento. Mas na realidade só chegam aos mais pobres 0,3%.

" Por vezes cabe a uma geração ser grande. Esta pode ser essa geração. Deixem a vossa grandeza florescer".

Cuba enfrenta uma oposição interna cada vez mais articulada

A ruptura entre a velha guarda do regime e as jovens gerações é o maior perigo que Cuba enfrenta. As novas gerações querem liberdade, melhor nível de vida, possibilidade de viajar , acesso à internet e a eleição directa do Presidente.

O movimento social intensifica-se e o velho regime vê-se na contigência de uma maior abertura na frente económica e na liberdade de expressão. As novas ameaças que pairam sobre a continuidade do castrismo e que, segundo Castro se encontram na ruptura ideológica entre a antiga liderança e as novas gerações de cubanos e na restauração gradual do capitalismo na ilha. Perante a nova fase de atenuação dos controlos sociais e económicos a que a sua administração se comprometeu, forçada pela crise económica e pelo descontentamento cada vez maior do povo, o presidente afirmou, no entanto, que tinha como objectivo resistir à "permanente campanha de subversão político-ideológica" que tem "como finalidade desmantelar o socialismo" em Cuba "a partir de dentro".

Enfim, Cuba caminha para uma democracia tipo ocidental, com economia social de mercado e um estado de direito. É uma questão de tempo e com o desaparecimento gradual da velha guarda tudo será mais rápido.

Quando uma geração concede a si própria benefícios que as outras vão pagar

Todos gritam mas nem todos têm razão : Os reformados estão hoje entre os críticos mais vociferantes. Mas seria bom que notassem que não descontaram o suficiente para as reformas que agora gozam. (...)
Se alguém pode dizer-se roubado, não são os actuais pensionistas, mas os nossos filhos e netos, que suportarão as enormes dívidas dos últimos 20 anos, e não apenas na segurança social.
Outro mito cómodo é o que diz que os direitos dos trabalhadores e o Estado social estão a ser desmantelados. De facto, os direitos que a lei pretendeu conceder nunca foram dos trabalhadores, mas de alguns trabalhadores. Muitos empregados no privado nunca tiveram aquilo que agora cortam aos funcionários públicos.
Os exageros das regulamentações neste campo são só benefícios que um grupo atribuiu a si mesmo. Como isso aumenta os custos do trabalho, prejudica fortemente o crescimento e o emprego, agravando as condições dos mais necessitados.
Quanto ao Estado social, ele teve como principais inimigos aqueles que durante décadas acumularam supostos direitos sem nunca se preocuparem com o respectivo financiamento. Aproveitaram os aplausos como defensores do povo, receberam benefícios durante uns tempos e, ao rebentar a conta, zurzem agora aqueles que limpam a sujidade que eles criaram. Em todos os temas políticos, como no campo ambiental, esquecer a sustentabilidade é atentar contra aquilo mesmo que se diz defender.