Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A Belle Époque em filmes remasterizados 4K

Ao longo do tempo a televisão e o cinema têm apresentado vários filmes dos primórdios do cinema. A Saída dos Operários da Fábrica Lumière 1895 será porventura o primeiro filme da história do cinema, o qual foi produzido e distribuído em 1895 pelos irmãos Lumière. Nos anos mais recentes o Youtube constitui uma ferramenta para pesquisa e visualização deste manancial de filmes antigos a preto e branco e de baixa resolução, sem som, com efeito de velocidade das imagens acima do normal devida ao reduzido número de frames por segundo e com a deterioração das imagens provocada pelo tempo.

Mais recentemente têm sido exploradas novas tecnologias computacionais de melhoria da qualidade de vídeo, pela diminuição da velocidade do vídeo para uma taxa natural de 60 frames por segundo, remasterização de alta qualidade até 4K e melhoria da nitidez do vídeo (ex.: [60 fps] The Flying Train, Germany, 1902), adição de som ambiente de contexto (ex.: Around the world in 1896!) e colorização das imagens com uma tecnologia designada de Neural Networks Footage (ex.: Moscow, Tverskaya Street in 1896). Estes processos são efetuados com algoritmos publicados no Github pela comunidade mundial de Machine Learning que contribui ao tornar esses algoritmos de domínio público.

Estas novas tecnologias começaram por ser utilizadas de forma isolada, mas nos últimos meses têm surgido vídeos que combinam todas estas tecnologias em contribuições em particular de “Nineteenth century videos. Back to life.” e Denis Shiryaev (canais do Youtube).

Estes vídeos remasterizados da Belle Époque são absolutamente extraordinários, enquanto os filmes antigos nos transmitem sensações de algo distante no tempo e no espaço, os novos vídeos remasterizados transmitem uma sensação de enorme proximidade e de quase viagem no tempo! Pois os vídeos têm a qualidade dos atuais que transmitem quase que a realidade, mas as pessoas e a forma de vestirem, os edifícios, os veículos e as paisagens são os da Belle Époque... A seguir os três vídeos que considero mais deslumbrantes!…

[4K, 60 fps, color] Kids in Lumiere films. 1896 - Nineteenth century videos. Back to life. - YouTube 
Nota: Toda a qualidade da imagem pode ser desfrutada com a definição máxima de imagem HD em controlos do leitor de vídeo e a opção Ecrâ Inteiro

[4K, 60 fps, color] A Trip Through Paris, France in late 1890s - Colorize - YouTube 

[4k, 60 fps] A Trip Through New York City in 1911 - Denis Shiryaev - YouTube 

Acharam-no tão bonito que lhe chamaram Óscar

A estatueta vale mil dólares não é de ouro mas tem um banho dele. Quem o ganha não o pode vender. Mas para quem o ganhou antes de 1950 pode valer uma fortuna. O mais caro de sempre foi leiloado por um milhão e duzentos mil dólares.

Para se ganhar um Óscar é preciso investir muito dinheiro em publicidade não basta ser um bom filme ou uma boa interpretação. A receita das bilheteiras em todo o mundo depois faz o resto. O principio que não se pode perder de vista é mesmo este. Se tens um mau filme e gastaste muito dinheiro então gasta o dobro em publicidade e se possível ganha um Óscar.

Logo à noite lá teremos novamente a feira de vaidades. As lágrimas, as surpresas ( como se não soubessem antecipadamente) os discursos a agradecer ao daddy e à mom e a toda a equipa. Por uns momentos esquecem-se ódios e ciúmes . E faz-se a declaração de amor eterno ao namorado(a) do momento. E o agradecimento à terra de todas as oportunidades. " Sou apenas uma pobre rapariga que nasceu numa caravana de feira" dizia a maravilhosa Swank .

Mas é mais fácil ser-se negro e presidente do que ser-se negro e ganhar um óscar ? Talvez, mas já houve negros e negras que ganharam. E não foram poucos.  

oscar.jpg

 

Para além dos filmes Manuel Oliveira deu-me uma lição de vida

Foi na Fundação Calouste Gulbenkian. Sentei-me na cadeira que me foi atribuída e ainda estava a espreitar a selecta assistência quando senti um suave toque no braço. Era Manuel Oliveira.

E perguntou-me o que fazia eu na vida. Que andava  na concepção, construção e equipamento de hospitais. E como se faz isso? E quanto custa ? Contei-lhe o estado da rede hospitalar que naquele tempo era muito mau e o que pretendíamos fazer. E aqueles olhos curiosos eram uma esponja a absorver a informação.

Foi há vinte anos, o Mestre tinha 86 anos. Com uma agilidade intelectual impressionante. Como impressionante era a paixão que não disfarçava quando chegou a minha vez de lhe fazer perguntas sobre os seus filmes. E como é que se filmam os olhos verdes da Leonor da Silveira como se pertencessem ao verde de "Vale Abraão" ?

Passei um dia, nos intervalos do Congresso, a ouvir as saborosas histórias de Manuel Oliveira. Que emoldurava em cenários como só ele sabia descrever.

Deu-me um abraço já a tarde ia longa. Que olhasse para o Santo António, com a idade que já tinha era certo que iria precisar de cuidados hospitalares. Foi há vinte anos. Vamos continuar a ver os seus filmes.

olhos.jpg