Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Mais uma ramo da família PS a fazer negócios com o Estado

Graça Fonseca : Este é mais um caso para juntar aos que nos últimos dias têm vindo a público: a empresa do pai de Pedro Nuno Santos fez contratos públicos, assim como o marido da ministra da Justiça tem colaborado várias vezes com o Governo, incluindo com o Ministério da Administração Interna, além do filho do secretário de Estado da Proteção Civil, que celebrou pelo menos três contratos com o Estado já depois de o pai assumir funções governativas. O nome de Graça Fonseca junta-se agora ao leque.

Bem faz o governo é melhor mudar a lei já que o PS não muda

A origem das golas é um governo que tem no seu seio vários familiares

Uma rede familiar que começa no Conselho de Ministros e se alarga por autarquias, gabinetes governamentais, empresas e instituições mais diversas.

A este nível, chamemo-lo de superior, foram identificadas mais de 40 pessoas com relações de afinidade no governo de António Costa. Quando no topo da hierarquia não se respeitam as regras básicas de higiene política, claro está que toda a base da administração pública e local é contagiada. Este vírus é especialmente resistente porque ao longo do caminho foi sofrendo mutuações genéticas, à medida que foi entrando em contacto com outras patologias igualmente graves, como a partidarite aguda, a cunha, o amiguismo e o clientelismo.

A família do PS nem a paz dos cemitérios respeita

Não têm vergonha, não dá para mais, é um escândalo . A família agora assalta os cemitérios com sobrinhos, tios e primas . Ora veja

"Jorge Ferreira, fotógrafo de campanhas do PS e de eventos da Junta de Freguesia do Lumiar; Pedro Almeida, funcionário do PS no Parlamento; Inês César, sobrinha de Carlos César; a sua mãe, Patrocínia Vale César (deputada municipal do PS) e o seu pai, Horácio Vale César (irmão de Carlos César e ex-assessor de João Soares quando ele foi ministro da Cultura); João Soares; Diogo Leão, deputado do PS; Filipa Brigola, assessora do grupo parlamentar do PS. E podia continuar a elencar nomes",

E, mesmo antes do protocolo assinado, a Associação já recebeu 10 mil euros de subsídios da câmara.

A bronca é de tal ordem que o proponente retirou a proposta face ao pânico de Medina . O PS come tudo e não deixa nada.

E se a família perde as eleições ?

Estiveram no governo de António Guterres que acabou num pântano . Estiveram no governo de José Sócrates que acabou na bancarrota . Estão agora a multiplicar-se no governo de António Costa que vai acabar na cauda da Europa. 

E com a composição das listas para as eleições virão ao de cima as nomeações na administração pública, nas câmaras, nas empresas públicas, nas assessorias tudo o que tenha cartão. As elites de Lisboa que andaram nos mesmos colégios, nas mesmas universidades e que agora frequentam os mesmos restaurantes. Os que têm rodeado António Costa desde a presidência da Câmara de Lisboa.

O problema é que são muitos casos que formam clãs que tomaram o poder no Largo do Rato. Não há gente da província que ainda assim aparecia nos tempos de Guterres e Sócrates . E dos Açores aparece Carlos César envolto em nevoeiro, com filho e sobrinho e os mais que se saberão. 

O aparelho foi surpreendido e já há vozes que se fazem ouvir. É que pode ocorrer um desastre neste verão, ou um roubo de armas . E professores e enfermeiros não desistem.

De repente António Costa percebe que tudo pode acontecer incluindo a revolta em curso no PCP contra a geringonça. E se o PS junto com o BE não chega aos 112 deputados ?

 

O cartão de família do Largo do Rato

Como se explica esta anormalidade de se reunirem tantos familiares no Estado e no Governo ?

"É a primeira vez que se vê um número tão razoável de membros da mesma família na elite ministerial", frisou Costa Pinto, que acredita no "despertar da vocação política em termos familiares", que depois criam dinastias.

Mas o que acontece neste Governo vai muito além das dinastias políticas, como acontece nos Estados Unidos com os apelidos Bush e Clinton. "O que se passa com o PS é diferente. Não falamos apenas de dinastias nos cargos cimeiros da governação; falamos da captura do governo e do Estado por famílias inteiras que têm como currículo um cartão do Largo do Rato", explica Pereira Coutinho.

António Costa ou perdeu a vergonha ou perdeu o controlo dos boys e girls.

Por três dinheiros

Será possível que esta fúria familiar que assaltou o governo e a administração pública não tenha consequências ? A recente sondagem que mostra que o PSD cresceu dez pontos foi feita antes de a opinião pública ter conhecimento desta vergonha . Mas se os portugueses fecharem os olhos a esta infâmia é porque não merecem mais.

O motorista, o chefe de gabinete, o ministro e a mulher dele, a filha e o namorado saltaram das festas de verão das jotas e das juntas de freguesia . Todos invulgarmente competentes .

capa_jornal_i_27_03_2019.jpg

 

 

A última ceia de César

Dizem eles que os amigos e familiares têm o mesmo direito de todos os outros em aceder a um empregozinho no Estado. Acontece é que todos os outros não têm a família à mesa . Mas Carlos César, o grande timoneiro da ética acha, que estando a mesa cheia pelos seus familiares então é porque estão lá todos.

Este homem que depois de 30 anos à frente do governo regional dos Açores deixou as ilhas como a parte mais pobre do país, habituado ao quero posso e mando assentou o seu modus operandi por cá, terminando com o resto da decência.

O problema é que os meios começam a revelar-se cada vez mais degradantes aos olhos da opinião pública.

É o caso dos empregos para os amigos e familiares. O caso que tem estado na actualidade neste momento é dos empregos da família de Carlos César. Claro que os familiares de políticos não estão impedidos de aceder a cargos de nomeação política quando têm qualificações. O problema, neste caso, é o número de familiares envolvidos. E o facto de boa parte dos portugueses, com ligações à administração pública, saber que está generalizada esta prática de empregos para os amigos, familiares e militantes partidários.

Sempre foi assim com o PS. Até PCP e BE se mostram incomodados.

 

A FAMÍLIA - Prof Raul Iturra

fam.jpg

 


 


Recentemente têm começado a aparecer, de forma mais notória e sobressalente, o abandono que fazem os pais dos seus filhos, sem nenhum cuidado pelos mais novos. Dias antes, escrevi o texto violência e crime intrafamiliar, acessível em http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/violencia-ou-criminalidade-1091182 . Mas, revoltei-me ao saber que um antigo Ministro de Ciência e uma apresentadora da TV, apenas podem-se encontrar para se entregar os filhos que têm passado dias com eles, si a polícia está presente: tanta é agressividade entre este desfeito casal, que passam a ser o pior exemplo para os pequenos filhos, um hoje qua augura um futuro infeliz para o dia em que os pequenos passem a ser adultos. Ou a rapariga que salvara de um incêndio a seis irmãos dos oito que tinha, e entrou de novo por não estar certa se os outros dois dormiam no lar o em casas de avós. Era hábito nesses jovens pais abandonar os filhos de noite e sair a se divertir como pais sem filhos. Ela morreu na tentativa nos seus dezasseis anos. Amadora toda ficou revoltada e uma linha telefónica especial, o 24, tem sido aberta para filhos abandonados. Como é natural, as crianças sobreviventes não foram devolvidas, vivem com parentes e os pais, foram a cadeia e tribunal. É a família de hoje.

Sonhemos. Tornemos ao que entendemos por família: é um substantivo quase impossível de definir. Talvez se possa dizer que é um conceito que tem várias definições, todas elas certas por corresponderem a diferentes maneiras das pessoas se vincular. Pela negativa, é mais simples falar de família às pessoas que não têm parentesco entre si, quer dizer relações consanguíneas ou por afinidade. Se a relação é consanguínea, a definição é mais simples: automaticamente pensa-se no pequeno grupo de pai, mãe e descendentes (filhos). Nos tempos da minha juventude, era um grupo que incluía irmãos dos pais, os seus filhos, ou os meus primos, pela primazia da relação entre essas pessoas, todas as filhas ou filhos de irmãos/ãs dos pais. Se ainda eram vivos, os pais dos pais ou avôs, eram não apenas família, bem como eram parte do grupo familiar extenso. Viviam todos na mesma casa, baixo o mesmo teto.
Há as teorias da família, definidas especialmente no direito romano, no direito canónico ou no direito positivo do código civil. Os três tipos de lei imperavam e mandavam a proximidade das pessoas parentes entre si. O primeiro grupo que tenho mencionado, nasce da economia do capital que pode ter a família alargada que moram juntos num paço, ou num bairro vedado ao público, condomínio de todos os familiares com várias casas divididas entre os grupos domésticos familiares, todos com porta aberta e com circulação dos familiares entre os diversos lares. O meu melhor exemplo, retirado não da teoria que legisla e orienta as relações dos parentes, o que aprendi em trabalho de campo ou método etnográfico. Método que narra e é interpretado pela etnologia ou ciência do entendimento da comparação etnográfica.
A imagem que seleccionei para ilustrar este texto descreve o que normalmente se pensa de uma família: grupo pequeno, novo e com bebés. Tal como Norma refere a Druida, que vê os seus filhos assassinados, a destruição do hábito de viverem juntos e da casa queimada pelos invasores que lhe destroem a família. A ideia está baseada numa lenda francesa defensora da família. O segundo exemplo que pensei referir, é o de meu amigo Hermínio Medela de Vilatuxe, descendente dos duques de Alba e primo dos Condes de Lemos na Galiza, factos que ele próprio desconhecia e que acabei por desvendar durante a minha pesquisa de etnopsicologia da infância, com três visitas prolongadas de dois anos, e outra de sete meses em casa deles.
A lei gálica dá a herança ao primeiro filho(a) nascido(a), o que coube à sua irmã Marcelina, a Patrúcia da família, os descendentes sem herança, tinham de abandonar a casa. Quando adulto, Hermínio era pastor de cabras por isso emigrou. Com as poupanças e a colaboração da sua mulher Esperanza, que se empregava como doméstica em casas ricas, enquanto as crianças eram cuidadas pelos avôs maternos e paternos, regressou a Vilatuxe, onde construiu uma casa para a família. Mas a família cresce, à casa são acrescidos novos quartos até que o meu compadre abuelo, pondo de lado a lei, decidiu dividir a sua quinta, adquirida com dinheiro da emigração e da sua pastorícia de cabras, a sua profissão, para a repartir de igual forma entre os seus descendentes. Filho(a) que casa, recebe então parte das terras e entre essa inúmera família construem-se novas casas para os casados ai viverem e ganharem a vida no que melhor puderam. Ao todo, cinco casas são levantadas, contando a casa paterna, entregue ao mais novo Medela, o meu amigo Miguel e à sua mulher Catarina. História narrada e analisada nos meus livros sobre Vilatuxe, especialmente no editado pela Profedições: O Crescimento das crianças, Porto, 1998.
Era uma família de condomínio, muito chegados uns aos outros e com uma profunda solidariedade e respeito aos pais, Hermínio e Esperanza, como analiso no meu livro de 2010: Esperanza, uma história de vida, publicada em Estrolabio pelo meu amigo editor Carlos Loures, Lisboa.
Teoricamente, família é definida como o conjunto de todos os parentes de uma pessoa, e, principalmente, dos que moram com ela. Conjunto formado pelos pais e pelos filhos, ou conjunto formado por duas pessoas ligadas pelo casamento e pelos seus eventuais descendentes, bem como é um conjunto de pessoas que têm um ancestral comum, ou que vivem na mesma casa.
Família, enfim, são pessoas unidas por consanguinidade ou por laços de afinidade, resultantes de matrimónios de pessoas de fora da família conjugal, que casam entre si e geram uma descendência que passa a ser consanguínea da pessoa e dos seus parentes, que incorporou por matrimónio mais um membro dentro da família. Passam a ser de parentesco duplo: consanguíneos e afins. Ou que não casam e aparece uma terceira forma de família: amancebamento, legislado pelo Código Civil.
A família tem a sua nota em dó maior com os netos, como a que hoje espero: May Malen I. Ilsley, que amo profundamente, como à senhora que me acompanha na vida, fémea que fixou este texto e tem feito da sua família um sítio em que se acompanham e se fecham entre eles. Como a minha. A dela não cabe na minha e vice-versa, pelo que a relação é longínqua, mas há confiança e comunicação- co eantigamente.
Isso e família.
Raul Iturra
25 de Outubro de 2014
lautaro@netcabo.pt