Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Um país de tanga

A ala pediátrica do hospital de São João pelo seu simbolismo é a prova concreta que o estado não tem dinheiro. Não se inaugura uma obra para crianças sofrendo de doenças oncológicas esperando que ninguém perceba que se trata de uma golpada eleitoral. E só quem não tem mesmo como resolver a situação é que corre um risco eleitoral desta monta.

O mesmo se diga dos hospitais com serviços a fechar, medicamentos que faltam, médicos e enfermeiros que abandonam o barco, listas de espera que crescem em vez de reduzir. E nas escolas em que 20 000 alunos não têm professor nem auxiliares escolares. E os polícias e os guardas que se manifestam com estrondo a ponto de as autoridades cercarem a AR com betão armado defensivo.

As obras na ferrovia que não avançam, o aeroporto que não sai do papel, os cinco novos hospitais que se arrastam.E a razão é a mesma. O Estado não tem dinheiro.

Por tudo isto António Costa volta-se agora para os privados, esperando o seu apoio no aumento no salário mínimo ( decidiu sem negociar com os representantes dos patrões), é falada uma PPP para a construção do Novo Hospital de Lisboa ( o maior de todos eles e sobre os restantes ainda nada se sabe) e decidiu sobre o Montijo porque quem paga ( a ANA) assim o impôs.

Com Sócrates não havia juros baixos ( graças ao programa de compra de dívida do BCE), a dívida tinha atirado o país para o lixo e o défice andava nos 7% ( a UE agora não deixa que o descalabro nas contas volte). Em tudo o resto estamos ao mesmo nível.

De tanga.

72483432_10220223704440839_1506056524592578560_n.j

 

Não há dinheiro : o que é que PCP e BE não percebem ?

Não há dinheiro nem agora nem no futuro próximo. O que é que PCP e BE não percebem ?

PSD defende a contabilização total do tempo de serviço dos professores, “desde que salvaguardados pressupostos muito claros de equilíbrio orçamental, respeito pelo pacto de estabilidade e crescimento, pela situação económico-financeira do país, pelo controle da dívida pública e pela sustentabilidade do sistema público de ensino”.

Quanto aos sindicalistas não percebem e até têm raiva a quem percebe. Não é das suas contas e alguém pagará .

Queremos o nosso dinheiro de volta

«No dia em que o PS tiver de depender dos votos do PSD ou do CDS-PP para aprovar alguma matéria que seja importante, eu espero é que o doutor António Costa peça desculpa ao país e se demita», disse Pedro Passos Coelho em entrevista à RTP.

Queremos o nosso dinheiro de volta, nós os que fomos para o desemprego, emigramos ou antecipamos a reforma. E que pagamos os impostos, os da privada.

Mas o pior é a medida concreta. Os professores têm até razão quando exigem que o tempo congelado conte para a carreira. Mas todos os funcionários públicos a têm: desde ontem, não é uma questão de os sindicatos terem direito a reivindicá-la para todas as profissões, passa a ser uma obrigação dos mesmos quatro partidos a aprovarem. Mas, e os privados? E como pagar? Com mais impostos, claro. E escusam de comparar salários com essa infâmia das injeções na banca, porque os salários são um pagamento perpétuo. Despesas perpétuas são impostos perpétuos. A direita sagrou-se canhota: quer mais impostos.

Já há fogos mas o dinheiro ainda não chegou às autarquias

O dinheiro tantas vezes anunciado pelo governo para limpar as florestas ainda não chegou. Mas os fogos já estão aí . Mais uma campanha de faz de conta. E de quem é a culpa ? Do calor e da chuva que não cai mas a limpeza que se não fez essa, a culpa do governo, vai morrer solteira.

É incrível que um governo que tinha anunciado a maior campanha florestal desde D. Dinis, nem sequer tenha conseguido que o dinheiro para limpeza das florestas tenha chegado a tempo. Leia-se, antes dos fogos.

Os portugueses têm que pedir contas a este governo de família . Desastre após desastre o país sem manutenção degrada-se a níveis nunca vistos . Mais um pesadelo que se anuncia.

Costa já percebeu de que lado está a maioria da sociedade civil

É claro que não ter dinheiro ajuda muito. Não havendo dinheiro não há palhaço e Centeno diz o que Costa não pode dizer. Mas o Primeiro Ministro também sabe de que lado está a opinião pública.

Só o PC e o BE e aquela ala esquerda do PS é que não se importariam de estragar todo o trabalho orçamental realizado e aumentar a despesa pública . Mas como não há dinheiro, o défice não pode aumentar, a dívida não pode crescer, a carga dos impostos não pode ser maior e a economia já está em trajectória descendente, resta a coragem de dizer "não" aos sindicatos.

Mário Centeno: “Não há margem para mais despesa”

Ministro das Finanças recusa, em declarações ao Expresso, gastar mais com enfermeiros e professores. Como António Costa vai gerir o ano eleitoral sem mais dinheiro. Empresários pedem estabilidade política. Marcelo pressionou primeiro-ministro a negociar

 

 

 

D. Sebastião vai trazer os 600 milhões aos professores e os 500 milhões aos enfermeiros

Numa manhã de nevoeiro, D. Sebastião vai chegar

As últimas variações desta forma mais recente de sebastianismo são os movimentos reivindicativos de professores e enfermeiros. Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. Aparentemente, para impor esta realidade alternativa, a única coisa que se exige é acreditar. Com paixão, com raiva, na rua, de braço dado, de punho erguido, de peito esticado. “O povo unido, etc.”

Não há dinheiro o que é que não percebem ?

Quem é que paga aos enfermeiros grevistas ?

Há um segundo pedido de apoio financeiro para as greves dos enfermeiros no montante de 400 000 euros. O primeiro pedido andou também pelo mesmo montante ao perto disso.

Quem paga ?

Os enfermeiros pagam a si próprios ? Os enfermeiros não grevistas ( que recebem o salário normal) pagam aos seus colegas em greve que não recebem salário ? E os montantes tão elevados não assustam ninguém ? Estranho, no mínimo...

Seria bom que a bastonária dos enfermeiros explicasse de onde vem o dinheiro . É que pescadores de águas turvas é o que há mais por aí...

Com os professores o resultado foi o mesmo

Volta sempre ao mesmo. Não há dinheiro, há mais tempo mas não mais dinheiro.

Ou seja, no próximo orçamento haverá uma norma igual à que existia no orçamento deste ano, que não garante nada além de que haverá uma negociação. Os professores têm assim uma nova oportunidade de voltar a negociar com o Governo, que já tinha aprovado um decreto-lei que contabiliza apenas dois anos e noves meses de tempo de serviço dos mais de 9 anos que os sindicatos exigem, mas que ainda não foi promulgado.

As negociações não obrigam o Governo a ceder mais perante os professores. Se as negociações recomeçarem, a única garantia que os professores têm é que esta progressão chegará mais tarde.

O governo dá aos professores o que deu aos outros servidores do Estado

Como não há dinheiro para mais dá o que pode e, quem dá o que pode, a mais não é obrigado. O governo tem culpa ? Claro que tem, deixou que se pensasse que havia dinheiro para todos mas, a realidade, chega sempre . O problema do governo agora é a crise que já chegou devagar não vá acelerar e rebentar ainda antes das eleições.

Há uma "enorme virtude" no que propõem bloquistas e comunistas, disse. "Vêm demonstrar que tínhamos razão. O que o PCP e o BE agora vêm propor, não é a mesma norma do ano passado, mas o que eles diziam que estava na norma do ano passado e nós dizíamos que não estava e a melhor demonstração de que não estava é que eles agora sentiram a necessidade de explicitar e dizer aquilo que no ano passado não foi dito".

E o PSD vai pescar em águas turvas não apoiando o governo nesta matéria .Temo que perca a coerência e não ganhe votos.

E deixar a geringonça colher as tempestades que anda a semear ?

O " país está melhor" e com esta António Costa anda a fazer a cama a quem vier a seguir. A saúde está a descambar como nunca se viu . A Educação não tem dinheiro para a ambição dos professores . Na Justiça afiam-se as facas. A economia está a chegar a 2011. O défice é prejuízo não é outra coisa. A dívida não desce.

E a situação ambiente está a formar nuvens negras no horizonte. O melhor mesmo é deixar António Costa ficar com o menino nos braços .

...e também suficientemente eficaz para alimentar a patética conversa de que havia um senhor muito mau, chamado Passos Coelho, que andou quatro anos a empobrecer o país e a destruir o Estado Social, e que depois foi substituído por um senhor muito bom, António Costa, que anda há três anos a enriquecer o país e a reconstruir o Estado Social. Desculpem colocar isto desta forma, em linguagem infanto-juvenil, mas nada disto faz sentido para quem tiver idade mental superior a oito anos.

...para chegar ao poder, Costa assumiu uma solução de governo que tem vantagens políticas, no sentido em que responsabiliza uma extrema-esquerda que até 2015 levou 40 anos a dizer “não” sem jamais ter de assumir as consequências daquilo que propunha; mas que, ao mesmo tempo, amarra o país a um modelo de governação incapaz de assumir medidas reformistas, ou um qualquer programa estratégico que não passe por devolver dinheiro, carreiras ou tempo de serviço.