Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Diferença entre PS e PSD cai a pique num mês e meio

Os problemas exigem decisões difíceis que desagradam a  muitos. E a governação dos últimos quatro anos também não ajudou. O país continua pobre e não resolveu nenhum dos problemas importantes que dependem da capacidade em criarmos mais riqueza.

A distância entre as intenções de voto no PS e no PSD reduziu-se dramaticamente em apenas um mês e meio, período marcado por negociações tensas em torno do Orçamento do Estado para 2021 e pelo agravamento da pandemia no país

Nesta sondagem cujo trabalho de campo decorreu entre 22 e 26 de outubro, o PS surge com 35,5%, menos 2,1 pontos do que na sondagem anterior, realizada entre 12 e 15 de setembro. Já o PSD, teve a evolução contrária, passando de 23,9% para 27%. Resultado: a diferença, que era de 13,7 pontos percentuais há mês e meio, passou para 8,5 pontos.

O que é que marca a diferença face às esquerdas ?

São os caminhos não são os objectivos e muito menos a natureza das pessoas . Entre o ser bom e o ser mau para os outros. Entre dois wisquies e um arroto e uma tirada sobre a justiça social.

Ser ministro há vários anos e a sua principal defesa é "não saber nada" não é de esquerda nem é de direita. É cobardia. Entre o roubo da "Raríssimas" e as mortes dos incêndios está o Estado e os seus serviços que não funcionam. Indigência, incompetência, entrar às nove e sair às cinco . Todos iguais todos medíocres.

"Onde a esquerda nos prepara para viver protegidos do mundo global e competitivo, nós ambicionamos vencer nesse mundo. Onde a esquerda receia a inovação e a mudança, nós aceitamo-las com abertura. Onde a esquerda desconfia da iniciativa, nós confiamos em quem quer subir na vida. Onde a esquerda limita a liberdade individual e empresarial, nós queremos alargar a liberdade de cada um escolher o seu projecto de vida. Onde a esquerda pede à Europa de Centeno que se resolva e que aprove mais regulação, nós exigimos à Europa que acabe com tanta regulação. Onde a esquerda olha para os serviços públicos como dogmas de funcionalismo público, nós queremos aperfeiçoá-los em benefício dos utentes. Onde a esquerda apregoa o igualitarismo e o facilitismo, nós pugnamos pela igualdade de oportunidades e pela exigência. Onde a esquerda descura a negociação de directivas, nós não queremos o Governo a importar mais burocracia. Onde a esquerda defende mais Estado, nós queremos um Estado mais justo.

O que nos diferencia das esquerdas é precisamente esta ideia de abertura à mudança, porque a grande questão do nosso tempo é precisamente esta: como reagimos à mudança? Com abertura ou com medo? A nossa aspiração deve ser a de um país aberto ao mundo, a de uma sociedade aberta ao novo, a de uma economia aberta à concorrência, na convicção de que só uma atitude de abertura nos permitirá vencer, crescer, num planeta mais competitivo e global. Não podemos ser espectadores receosos da mudança, temos de ser líderes nesse processo, processo que a Europa (de que Centeno será um rosto) tem vindo a perder para a América e a Ásia. 

O que são " grandes diferenças" orçamentais ?

A Comissão Europeia veio dizer que há grandes diferenças entre o governo português e as instituições europeias. Seria bom que António Costa explicasse o que isso quer dizer . É que face à barragem de críticas vindas de todos os lados a credibilidade do documento já se foi. E quanto mais tempo passa mais o país se parece com aquela ópera bufa que vimos a Grécia protagonizar e que teve como resultado um 3º resgate .

Mil milhões de euros é muito dinheiro e não há como resolver o assunto pela lado da despesa. O aumento de impostos é a única saída e quem vai pagar são os mesmos de sempre.

"Quanto às discussões que estão a decorrer, há grandes diferenças e estamos a trabalhar com as autoridades portuguesas para reduzir a distância" entre ambas as partes, explicou a responsável da Comissão.

E cada vez mais se fala de rejeição. Só politicamente será possível resolver a questão agora que estamos como nunca nas mãos de terceiros. Obrigado António Costa, conseguiste.