Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O governo a jogar sozinho

Quando se compara os indicadores com os outros países da Europa percebemos que o país que nos vendem é uma ilusão.

Vamos voltar a crescer a um bom ritmo este ano. Mas o que importa é saber como estamos a evoluir em termos relativos. Qualquer jogador pode pensar que é o melhor do mundo se jogar sozinho, mas é quando se compara com os outros que percebe em que campeonato pode jogar. E no do crescimento estamos perto da despromoção para a terceira divisão distrital.

Temos o menor défice da democracia, mas é o sexto pior da zona euro. A dívida pública está em queda, mas é a medalha de bronze no pódio dos que mais devem. Vamos crescer 2,3% (ou qualquer valor próximo), mas é o sétimo pior registo entre os 28 países da União Europeia. Temos a taxa de desemprego mais baixa dos últimos 14 anos, mas temos o segundo menor crescimento de produtividade de toda a Europa.

Compare-se a direita em Espanha com a esquerda em Portugal

Infelizmente a realidade é a realidade o resto não passa de narrativas tão ao gosto do PS. Uma das grandes agência de notação publicou uma comparação da actual situação dos países mais atingidos pela crise. Leia-se sem preconceitos ideológicos e depois digam-me a que se devem os foguetes.

Apesar de algumas semelhanças, a agência vê diferenças consideráveis entre os dois países da Península Ibérica, destacando que Espanha lidera a recuperação, com maior crescimento de emprego, consumo e exportações, pelo que admite melhorar para positivo o ‘outlook’ (perspetiva) do ‘rating’ do país, atualmente em BBB+ (dentro de nível de investimento).

Já sobre Portugal, é dito que “avança mais lentamente do que Espanha”, mas que “deve manter-se no caminho da recuperação moderada”.

Quanto ao ‘rating’ de Portugal, a S&P diz que este continua “constrangido pela elevada dívida pública e privada” e por um “sistema bancário que permanece frágil”, o que dificulta a transmissão da política monetária e o estímulo ao investimento.

Quer dizer Portugal cresce menos ( a Espanha está a crescer 3%), cria menos emprego , tem uma dívida bem maior face ao PIB e paga três vezes mais em juros. E a Espanha vai ter melhoria na avaliação ( juros mais baixos) enquanto Portugal continua preso à maquina

De que te ris, António ?