Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

António Costa perde votos entre os abstencionistas

A degradação da imagem do primeiro ministro é muito evidente entre os eleitores que não têm partido. Os indecisos e os votantes noutros partidos ou em branco apresentam quebras muito significativas. Tanto para António Costa como para Marcelo.

Mas há uma "nuance" muito relevante : no caso de António Costa a deterioração da imagem é muito evidente entre os abstencionistas . António Costa Pinto no Negócios diz que é natural que a onda de instabilidade transmitida pela vaga de greves no sector público faça o seu caminho entre esta parcela do eleitorado.

Pode este desagrado dos abstencionistas converter-se em votos nos novos partidos que estão a aparecer à direita ? Isto explica que o PS esteja longe da maioria absoluta ? O PSD tem nos abstencionistas um potencial eleitorado que está a fugir ao PS.

Na opinião do politólogo esta é a grande incógnita para os actos eleitorais que aí vêm.

Informação sob controlo do PS

António Costa é primeiro ministro. Ricardo Costa é irmão filho do mesmo pai. Maria Flor Pedroso é filha do padrasto. Está bem é tudo gente decente (individualmente) mas estas coincidências são pavorosas. Salva-se a TVI que está nas nãos de privados espanhóis . Já no tempo de Sócrates a TVI esteve sob ataque cerrado.

Tenham medo, muito medo.

inforcontrolada.jpg

 

A remoção da PGR é do interesse privado de António Costa

É do inner circle de José Sócrates que sairão as suas testemunhas em tribunal e, entre elas, estará António Costa.  

Portanto, a remoção da PGR constitui um interesse privado de António Costa. Mas não se distanciou ele próprio de Sócrates e o PS não abandonou Sócrates à sua sorte? Sim. Mas: caso o julgamento se inicie, como deve ou está previsto, ainda em 2019, o “animal feroz”, que nos desgovernou e arruinou durante oito anos, não deixará de citar como suas testemunhas os seus mais próximos colaboradores, logo recuperados por Costa como elementos do seu inner circle ou fazendo parte da “tralha socrática” anichada no partido ou em lugares subalternos do governo. Last but not least, enquanto ministro da Administração Interna, o próprio Costa foi um colaborador próximo de Sócrates.

É de entre estas criaturas que Sócrates nomeará as suas testemunhas, que o Tribunal convocará oportunamente. Vai ser um espectáculo muito divertido (e instrutivo) assistir à caminhada, a conta-gotas, de actuais governantes e influentes ex-socráticos para o Campus da Justiça, na Expo. E isto a meses das eleições de 2020. É este carnaval que António Costa necessita de evitar – rolem as cabeças que rolarem. Que ninguém se meta com António Costa!

Costa já encontrou um bode expiatório para o escândalo de Tancos

É a Procuradora Geral da República Joana Marques Vidal que, aliás, já tinha sido despedida pela ministra da Justiça.

Mas um dos grandes recados que Costa deu foi a Joana Marques Vidal, anunciando praticamente que a procuradora-geral da República tem o seu destino traçado em outubro. Isto é: não vai ser reconduzida no cargo. Mas o primeiro-ministro tem alguma facilidade em resvalar para o mau gosto pois, se assim não fosse, não culpava exclusivamente Joana Marques Vidal por o escândalo de Tancos ainda não estar resolvido. Qual a razão então para Costa, seguindo o mesmo critério, não culpar os seus ministros sempre que há algum problema nos seus ministérios? O que dizer da ministra da Administração Interna responsável pela tutela da Proteção Civil quando morreram mais de 100 pessoas nos incêndios do ano passado? Constança Urbano de Sousa demitiu-se por não aguentar mais a pressão e não consta que Costa tenha dito ao país que a ministra tinha falhado no combate aos incêndios, até porque estaria a culpar-se a si próprio .

O BE e o PCP não piam .

 

António Costa finalmente fala verdade : não há dinheiro

O discurso perigosamente irrealista e mentiroso do  primeiro ministro foi interrompido. Não há dinheiro.

Em mais de dois anos de Governo, estas foram as palavras de António Costa que mais gostei de ouvir. Não porque me tenha habituado a ele ao ponto de entranhar esta gestão irrealista e mentirosa das expectativas dos portugueses, mas porque o primeiro-ministro começa finalmente a dizer que a margem de manobra é muito mais estreita do que ele sempre defendeu .

O que é que o governo sabe das finanças públicas que nós não sabemos ? O argumento nas negociações com os sindicatos dos professores é que as finanças públicas não têm uma margem de 600 milhões de euros para descongelar as carreiras dos professores.

É possível enganar muitos durante algum tempo mas não durante o tempo todo.

António Costa irritou-se com Cristas

Os incêndios estão aí para durar. Esta semana já tivemos incêndios com as queimadas de inverno.

A limpeza da floresta - segundo os especialistas - como está a ser feita é um erro porque o que arde é o restolho não são as árvores. E há árvores e árvores.

Mas a questão do momento é arranjar desculpas e argumentos para quando chegar o verão e se possível um bode expiatório. Autarcas e bombeiros já vieram dizer que não aceitam ser os bodes expiatórios quando falta dinheiro, máquinas e homens no terreno. E, claro, falta tempo esse carrasco.

António Costa irritou-se porque sabe que muita coisa pode mudar com a dimensão dos próximos incêndios. E desta vez ninguém aceitará que vá de férias. A começar por Marcelo.

Assunção Cristas levou para o debate a notificação das Finanças que todos os contribuintes receberam para cumprimento das responsabilidades que tenham na limpeza em torno de casas e de aldeias no espaço rural. Disse, por exemplo, que "particulares e autarcas se queixam da inexequibilidade da operações, por não existir maquinaria para cumprir a lei".