Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A remoção da PGR é do interesse privado de António Costa

É do inner circle de José Sócrates que sairão as suas testemunhas em tribunal e, entre elas, estará António Costa.  

Portanto, a remoção da PGR constitui um interesse privado de António Costa. Mas não se distanciou ele próprio de Sócrates e o PS não abandonou Sócrates à sua sorte? Sim. Mas: caso o julgamento se inicie, como deve ou está previsto, ainda em 2019, o “animal feroz”, que nos desgovernou e arruinou durante oito anos, não deixará de citar como suas testemunhas os seus mais próximos colaboradores, logo recuperados por Costa como elementos do seu inner circle ou fazendo parte da “tralha socrática” anichada no partido ou em lugares subalternos do governo. Last but not least, enquanto ministro da Administração Interna, o próprio Costa foi um colaborador próximo de Sócrates.

É de entre estas criaturas que Sócrates nomeará as suas testemunhas, que o Tribunal convocará oportunamente. Vai ser um espectáculo muito divertido (e instrutivo) assistir à caminhada, a conta-gotas, de actuais governantes e influentes ex-socráticos para o Campus da Justiça, na Expo. E isto a meses das eleições de 2020. É este carnaval que António Costa necessita de evitar – rolem as cabeças que rolarem. Que ninguém se meta com António Costa!

Costa já encontrou um bode expiatório para o escândalo de Tancos

É a Procuradora Geral da República Joana Marques Vidal que, aliás, já tinha sido despedida pela ministra da Justiça.

Mas um dos grandes recados que Costa deu foi a Joana Marques Vidal, anunciando praticamente que a procuradora-geral da República tem o seu destino traçado em outubro. Isto é: não vai ser reconduzida no cargo. Mas o primeiro-ministro tem alguma facilidade em resvalar para o mau gosto pois, se assim não fosse, não culpava exclusivamente Joana Marques Vidal por o escândalo de Tancos ainda não estar resolvido. Qual a razão então para Costa, seguindo o mesmo critério, não culpar os seus ministros sempre que há algum problema nos seus ministérios? O que dizer da ministra da Administração Interna responsável pela tutela da Proteção Civil quando morreram mais de 100 pessoas nos incêndios do ano passado? Constança Urbano de Sousa demitiu-se por não aguentar mais a pressão e não consta que Costa tenha dito ao país que a ministra tinha falhado no combate aos incêndios, até porque estaria a culpar-se a si próprio .

O BE e o PCP não piam .

 

António Costa finalmente fala verdade : não há dinheiro

O discurso perigosamente irrealista e mentiroso do  primeiro ministro foi interrompido. Não há dinheiro.

Em mais de dois anos de Governo, estas foram as palavras de António Costa que mais gostei de ouvir. Não porque me tenha habituado a ele ao ponto de entranhar esta gestão irrealista e mentirosa das expectativas dos portugueses, mas porque o primeiro-ministro começa finalmente a dizer que a margem de manobra é muito mais estreita do que ele sempre defendeu .

O que é que o governo sabe das finanças públicas que nós não sabemos ? O argumento nas negociações com os sindicatos dos professores é que as finanças públicas não têm uma margem de 600 milhões de euros para descongelar as carreiras dos professores.

É possível enganar muitos durante algum tempo mas não durante o tempo todo.

António Costa irritou-se com Cristas

Os incêndios estão aí para durar. Esta semana já tivemos incêndios com as queimadas de inverno.

A limpeza da floresta - segundo os especialistas - como está a ser feita é um erro porque o que arde é o restolho não são as árvores. E há árvores e árvores.

Mas a questão do momento é arranjar desculpas e argumentos para quando chegar o verão e se possível um bode expiatório. Autarcas e bombeiros já vieram dizer que não aceitam ser os bodes expiatórios quando falta dinheiro, máquinas e homens no terreno. E, claro, falta tempo esse carrasco.

António Costa irritou-se porque sabe que muita coisa pode mudar com a dimensão dos próximos incêndios. E desta vez ninguém aceitará que vá de férias. A começar por Marcelo.

Assunção Cristas levou para o debate a notificação das Finanças que todos os contribuintes receberam para cumprimento das responsabilidades que tenham na limpeza em torno de casas e de aldeias no espaço rural. Disse, por exemplo, que "particulares e autarcas se queixam da inexequibilidade da operações, por não existir maquinaria para cumprir a lei".

Os "rabos de palha" de Santana Lopes são uma prenda para António Costa

Agora vejam a importância que será atribuída por António Costa às trapalhadas com que Rui Rio ontem brindou Santana Lopes em futuro debate entre ambos.

Santana Lopes ripostou com questões internas do partido (PSD) mas com Costa vai ripostar com quê ? Com as facadas de Costa a Seguro ?

Dos três Rui Rio é o único que não tem "rabos de palha". Esteve doze anos na Câmara do Porto com rigor e competência . Já António Costa está directamente implicado nos incêndios ( há doze anos foi ministro das florestas e como primeiro ministro recebeu os resultado da sua competência) . Mais de cem mortos. Santana Lopes conseguiu dar pretextos a Jorge Sampaio para que fosse afastado ao fim de uns meses.

É claro que tanto Costa como Santana sabem que as suas responsabilidades serão escrutinadas ao pormenor. Sem perdão .

A mais de centena de mortos nos incêndios podia ter acontecido a qualquer primeiro ministro ? Poder, podia, mas não a um primeiro ministro que é o principal responsável pela organização de ataque aos incêndios tendo gasto milhões de euros . Um primeiro ministro pode ser demitido ao fim de um par de meses de governo ? Mesmo com um presidente da república que teve como objectivo colocar no poder o PS ? Não, não podia. A não ser ( como  aconteceu) que as trapalhadas fossem tantas a ponto de Jorge Sampaio ter na sua mão sondagens que davam a maioria ao PS.

E estas circunstâncias existiam por Santana estar a governar bem ? Não brinquem com coisas sérias porque o que está em jogo é o país não é o PSD

 

Costa, Rio e Santana de acordo quanto ao futuro

A conclusão a tirar do debate de hoje e das declarações frequentes de António Costa é que no essencial estão de acordo quanto ao futuro.

Estão de acordo sobre a permanência do país na União Europeia e na Zona Euro. E isso por si só implica estar de acordo com o sistema político e com a economia social de mercado.

Na presente situação o país tem que trabalhar para conseguir um crescimento da economia que seja superior à média do crescimento da economia europeia. Para isso é necessário efectuar uma série de reformas estruturais que já foram ou estão a ser efectuadas nos outros países europeus.

Um estado mais leve e menos interventivo amigo da iniciativa empresarial virada para as exportações. Uma carga fiscal mais leve quer seja para os cidadãos quer seja para as empresas. Criar condições que atraiam o investimento estrangeiro.

Aumentar o nível de poupança dos cidadãos e manter uma balança comercial externa equilibrada. Manter contas públicas controladas e pagar a dívida mantendo-a à volta de 60% do PIB . Promover a descentralização com um modelo económico virado para o futuro e não para o presente e não deixar que a despesa pública seja superior a 50% do PIB.

Este é o quadro padrão para Costa, Rio e Santana e que terá a oposição de Jerónimo e Catarina. E não há mais tempo. É isto que estará em votação nas próximas eleições com o povo a saber que Costa não poderá voltar a juntar-se a Jerónimo e a Catarina.

 

 

 

António Costa acompanhou à distância como sempre

Sempre que cheira a esturro o primeiro ministro acompanha à distancia e não sabe de nada. Agora no caso do assalto à Santa Casa, Costa sabe, mas à distancia .Se correr bem lá estará a colher os louros se correr mal o Vieira da Silva é o culpado.

Ata confirma “intenção do Governo” de colocar Santa Casa no Montepio. Ministro reuniu-se várias vezes com Santana e Edmundo Martinho. Marcelo entusiasmou-se mas retraiu-se depois. PM acompanhou à distância. Direção financeira recomenda prudência

distancia.jpg

 

 

Com o PCP e o BE Costa levou para o governo a "política da terra queimada"

O que se passa nos CTT e na AutoEuropa é o prosseguimento da "política da terra queimada" concretizada com as reversões de algumas privatizações . Trata-se de levantar dúvidas aos investidores estrangeiros. Em Portugal é como ? É a política de quem ganhou as eleições ou de quem tem mais votos ? São as políticas dos partidos democratas cristãos, sociais democratas e socialistas democratas que ganharam a maioria dos votos que conduzem a governação do país ?

É este o grande objectivo de Catarina, Jerónimo e Arménio . Este último até já exige ao governo que negoceie com o governo alemão a estratégia para a AutoEuropa e, desta forma, assegurar a permanência da empresa de Palmela com ou sem greves .

É que, como mostra a reestruturação dos CTT, a inovação e a evolução tecnológica não se compadecem com a figura simpática e familiar para a maioria de nós, do carteiro a percorrer o bairro entregando cartas. E na AutoEuropa o investimento necessário para a produção dos carros eléctricos do futuro só virá para Portugal se o Grupo alemão considerar que o nosso país oferece  estabilidade laboral e fiscal convincentes.

António Costa, perdendo as eleições, ou se apresentava no Largo do Rato de mãos a abanar ou chamava para o apoio ao governo os partidos marxistas, adversários confessos da Democracia ( conforme a reconhecemos no Ocidente) da União Europeia e da Zona Euro.

" Agora que estamos já na segunda metade da legislatura, receio que esta preocupação de setores da maioria parlamentar, a fazer ressaltar as respetivas identidades ideológicas, se possa acentuar e causar cada vez mais prejuízo aos objetivos do crescimento económico, do progresso e da melhoria das condições de vida por portugueses."

António Costa salvou a pele oxalá não perca o país. 

Morreram mais de 100 pessoas nos incêndios mas Costa diz que o ano foi saboroso

O primeiro ministro na ânsia de vender as maiores vitórias do século diz coisas absolutamente inaceitáveis e ofensivas.

2017 foi o ano que por incúria e incompetência do governo morreram mais de cem pessoas nos incêndios mas isto não impede Costa de afirmar que o ano "foi particularmente saboroso" . O mesmo Costa que fugiu para férias e que nem sequer pediu desculpas ao país. Ele que há 12 anos foi o ministro que montou a estrutura de ataque aos fogos e que por isso é, em larga medida, o principal responsável.

A sua genial reforma das florestas deu num ano "particularmente saboroso". As familias das vitimas devem ter a mesma opinião.

"Num tom mais grave, o líder do Executivo comentou que tal mudança "não é de somenos e significa claramente que algo de novo está a acontecer na Europa". "Há uma nova vontade, depois de anos muito difíceis e em que muitas divisões existiram entre os diferentes países europeus, de seguirmos em conjunto, reagindo positivamente. Se calhar o choque do Brexit foi excessivo para o que era necessário, mas o que é verdade é que desde esse momento há com que uma nova vontade de a Europa se construir", regozijou-se.

A Europa salvadora que os seus amigos do governo não querem mas que puxou para a governação para salvar a pele.

2017 foi um ano particularmente doloroso mas para o primeiro ministro o que é importante é que Centeno substituiu o holandês dos "copos e das mulheres ".

António Costa não tem um pingo de compaixão .