Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

ADSE avança para uma rede de prestadores mais alargada

A ADSE abre a porta a prazos de pagamento mais reduzidos. "Considera-se muito positivo o compromisso de redução dos prazos de pagamento das faturas", refere o parecer aprovado esta sexta-feira por unanimidade por este conselho consultivo, que tem representantes dos beneficiários, dos sindicatos, dos aposentados e também do Governo.

Confirmando que há cerca de 1700 pedidos de convenções "a que não é dado qualquer seguimento", os conselheiros consideram "fundamental a rápida implementação de uma rede muito mais alargada, incluindo nos grandes centros urbanos", que garanta pelo menos três prestadores em cada especialidade nos pequenos concelhos, ou a existência de hospitais que façam cirurgias e internamento "a uma distância aceitável".

Por outro lado, os membros incentivam a possibilidade de haver "prestadores de saúde de referência, em função da qualidade, garantia de disponibilidade e de praticar preços mais acessíveis", um pouco à semelhança do que já se tentou fazer com os prestadores preferenciais.

Não está mal para quem via nos privados meros colectores de lucros

A ADSE e os privados estão em vias de retomar a convenção

É benéfico para todos. Antes de tudo para os utentes e para a liberdade de escolha. Depois para os privados que têm a procura e também para o SNS que vê a procura aliviada encurtando as listas de espera.

É completamente estúpido querer ignorar a capacidade instalada hospitalar por ser privada. Todos os que procuram os privados fazem-no por iniciativa livre, um direito numa sociedade livre e democrática. 

Ninguém trata os seus males com cegueira ideológica.

São necessários mais 100 000 beneficiários para salvar a ADSE

E o caminho é esse, mesmo que não fosse a pressão financeira a exigir tal decisão. Beneficiar da ADSE é ter acesso à liberdade de escolha na saúde . Ganham todos. Alivia-se o SNS, acumulam-se mais doentes nos privados e o doente livra-se das listas de espera.

É claro que é necessário controlar gastos e preços praticados, nenhuma organização sobrevive se não controlar a despesa, só um serviço do estado é que poupa na carga administrativa para perder muito mais no descontrolo da despesa. Mas com o estado é mesmo assim, é muito mau na gestão.

Haverá funcionários públicos e jovens trabalhadores por conta própria interessados. Só idosos é uma carga insustentável. Assim não entrem na equação ideologias totalitárias tipo " só funcionários", "não aos privados" sejam estes companhias prestadoras de serviços hospitalares sejam utentes .

As ideologias colocam frequentemente boas ideias perante más soluções. A ADSE é um exemplo.

Com a oferta a encolher assim os doentes ficam muito pior

Esta relação das unidades privadas que fecham se não houver acordo com a ADSE mostra bem que quem fica prejudicado são os doentes e o SNS que já está entupido mais entupido fica.

São dezenas de unidades altamente diferenciadas, que empregam milhares de médicos, enfermeiros e outros profissionais todos eles altamente diferenciados, que prestam serviços altamente diferenciados. Serão substituídos como e por quem ?

Por um SNS a rebentar pelas costuras que depende de um estado sem dinheiro para investir ? E como assegurar a liberdade de escolha um direito democrático fundamental ?

Nos países democráticos europeus estas questões não se colocam, porque tais países têm dinheiro, os cidadãos gozam de um nível de vida que nós não temos e os direitos democráticos são garantidos.

Lisboa

CUF Infante Santo
CUF Descobertas Hospital
CUF Belém Clínica
CUF Alvalade Clínica
CUF Torres Vedras Hospital
CUF Cascais Hospital
CUF Mafra Clínica
CUF Sintra Clínica
CUF São Domingos de Rana Clínica
CUF Miraflores Clínica
Hospital da Luz Lisboa
Hospital da Luz Oeiras
Hospital da Luz Torres de Lisboa
Hospital da Luz Clínica de Amadora
Hospital da Luz Clínica Lagoas Park
Hospital da Luz Clínica de Odivelas
Hospital do Mar Cuidados Especializados Lisboa
Hospital Lusíadas Lisboa
Clínica Lusíadas Parque das Nações
Clínica de Stº António
Clínica Lusíadas Sacavém

Porto

CUF Porto Hospital
CUF Porto Instituto
Hospital da Luz Arrábida
Hospital da Luz Póvoa do Varzim
Hospital da Luz Clínica de Amarante
Hospital da Luz Clínica do Porto
Hospital do Mar Cuidados Especializados Gaia
Hospital Lusíadas Porto
Clínica Lusíadas Gaia

Aveiro

CUF São João da Madeira Clínica
Hospital da Luz Aveiro
Hospital da Luz Clínica de Águeda
Hospital da Luz Clínica de Oiã

Braga

Hospital da Luz Guimarães

Coimbra

CUF Coimbra Hospital
Hospital da Luz Coimbra
Hospital da Luz Clínica de Cantanhede
Hospital da Luz Clínica de Coimbra
Hospital da Luz Clínica da Figueira da Foz

Évora

Hospital da Misericórdia de Évora

Leiria

Hospital da Luz Clínica de Pombal

Santarém

CUF Santarém Hospital

Setúbal

CUF Almada Clínica
Hospital da Luz Setúbal
CLÍDIS – Clínica de Diagnósticos de Sines
Clínica Lusíadas Almada

Viana do Castelo

Hospital da Luz Clínica de Cerveira

Vila Real

Hospital da Luz Vila Real

Viseu

CUF Viseu Hospital

Algarve

Hospital Particular do Algarve – Alvor
Hospital Particular do Algarve – Gambelas – Faro
Hospital São Camilo – Portimão
Hospital São Gonçalo de Lagos
Centro Médico Internacional – VRSA
Clínica Particular do Algarve – Guia
Clínica Particular do Algarve – Loulé
Clínica Particular Medchique – Monchique
Clínica Particular de Vilamoura
Clínica Particular SIIPEMOR – S. Brás Alportel
International Health Centres – Albufeira
Hospital Lusíadas Albufeira
Clínica Lusíadas Faro
Clínica Lusíadas Forum Algarve

Alentejo

Clínica Particular de São Teotónio
Clínica Particular de Vila Nova de Milfontes
Clínica Particular de Odemira

Madeira

Hospital da Luz Funchal
Hospital da Luz Clínica do Caniço
Madeira Medical Center
Hospital Particular da Madeira – Funchal

 

 

A venezuelização do SNS desejada pelo PCP

O PCP tem uma virtude. Não engana ninguém. É verdade que aceita a Democracia não acreditando nela mas não o esconde. Leiam o que Jerónimo de Sousa propõe para a ADSE.

"Se no imediato, o Estado verificar que não consegue criar essa capacidade de resposta com a urgência exigível, o Governo pode "utilizar os mecanismos legais de requisição de serviços para que toda a capacidade na área da saúde se mantenha ao serviço dos utentes, mesmo que não seja essa a vontade dos grupos económicos", defendeu Jerónimo de Sousa.

O mesmo comunista que se atirou ao governo por este ter accionado a requisição civil na greve dos enfermeiros vem agora, propor a mesma requisição civil, como solução para a negociação que decorre entre a ADSE e os grupos privados na saúde.

É, na verdade,  uma confissão de que o Sistema Nacional de Saúde não pode prescindir dos serviços dos privados para responder à procura de toda a população .

A CGTP e o BE a pedirem que os privados recebam os funcionários públicos

Uma ironia tremenda. O PCP , e o BE que diariamente gritam contra a saúde privada, pedem agora que a ADSE e os privados se entendam para assegurar que os funciionários públicos acedam aos hospitais privados. 

O facto é que o SNS não tem capacidade para acorrer a tudo e precisa do setor privado. A verdade é que, sem ele, a ADSE pode perder o desconto de muitos milhares de funcionários públicos, assim como o SNS perderia capacidade de resposta para as muitas milhares de cirurgias que o SNS não consegue fazer a tempo e horas. Não é concorrência, é mesmo dependência.

Assim sendo, como é que o Governo parte para um braço-de-ferro sem ter qualquer rede?

Sobre isto, só nos resta um sorriso: o de vermos a CGTP ou o Bloco a pedir gentilmente que as partes se sentem à mesa, para os funcionários públicos não deixarem de poder ir à CUF ou à Luz. Ironias da vida política.

"Os representantes da estrutura da CGTP na ADSE "manifestam a sua inteira disponibilidade para dialogar com os diferentes grupos [privados], tendo como objeto o cumprimento das convenções em vigor, as formas de pagamento das quantias resultantes das regularizações e a negociação de novas tabelas e novas convenções"

Sem privados não há ADSE

Quem paga a ADSE são os funcionários públicos individualmente. Pagam 3,5% sobre o salário o que é muito. Mas com isso ganham a liberdade de escolha. Podem escolher entre os hospitais públicos do SNS e os hospitais privados.

Enquanto cidadãos portugueses os funcionários públicos têm acesso livre e gratuito ao SNS pelo que, na prática, a ADSE abre caminho ao acesso aos hospitais privados. Sem hospitais privados não há razão para haver ADSE.

Então quem estará interessado em acabar com a ADSE ? Os funcionários públicos ? Nem pensar . Os privados ? Também não, facturam cerca de 20% do total da sua facturação. Então quem ?

A ideologia dos que querem o Estado a tomar conta de nós, destruir a propriedade privada e a iniciativa privada.

Não é Bloco de Esquerda e PCP ? E no PS também há quem faça de conta que não percebemos.

PS : o Estado não entra com dinheiro nenhum. Bem pelo contrário vê aliviada a conta no SNS de cerca 1,7 milhões de doentes

São os beneficiários da ADSE que escolhem os privados

A ADSE garante liberdade de escolha não empurra ninguém para este ou aquele privado em detrimento do SNS. A actual discussão sobre a ADSE mostra esta evidência. E, claro, se os utentes escolhem é porque têm boas razões.

Desde logo porque no SNS encontram listas de espera que nos privados não encontram. E também encontram nos privados a prestação de um bom serviço tal como no SNS . Tudo junto há mais de um milhão de funcionários públicos que escolhem os privados.

Alguma coisa contra por haver doentes que são tratados mais rapidamente nos privados e que, paralelamente, aliviam o SNS ? É bom para todos.

Agora já temos quem se mostre muito preocupado com a sobrecarga para o SNS caso os privados e a ADSE não cheguem a acordo. Seria mau para todos.

Esperemos que a prestação dos privados na oferta de serviços de saúde não volte a ser ignorada ou mesmo atacada.

O povo que escolhe os privados é quem mais ordena.

Logo-Rede-Parceiros_700x325-96dpi.png

 

Destruir a ADSE por razões ideológicas

Para esclarecer um equívoco.
Se a ADSE deixar de dar vantagens comparativas aos seus associados, por exemplo, o acesso aos prestadores privados de saúde, isso não significará mais dinheiro disponível para os prestadores estatais de saúde.
A ADSE é um sistema voluntário em que os seus associados aceitam descontar 3,5% do seu ordenado para poderem escolher usar os serviços estatais quando querem (e que pagam via impostos) ou os serviços privados quando querem (e que pagam via contribuição voluntária).
Se esse acesso diferenciado deixar de existir, deixa de existir razão para manter o desconto de 3,5% do ordenado e esse dinheiro deixa de estar disponível para os sistemas de saúde (privados ou estatais) porque passou a estar no bolso dos funcionários, que mantêm o acesso aos prestadores de serviços estatais.
Não é líquido que os gestores da ADSE não estejam a promover o suicídio da ADSE por razões ideológicas.

PS : privados suspendem contrato com ADSE ( Um milhão de doentes que irão sobrecarregar os já

exaustos hospitais públicos)

A ADSE e os prestadores privados de saúde

 

Os funcionários públicos têm o melhor seguro de saúde disponível em Portugal, integralmente pago do bolso deles e em condições inigualáveis pela indústria seguradora pela dimensão do universo de beneficiários e por ter prémios indexados aos seus salários.

O António Costa meteu os sindicatos da CGTP na gestão da ADSE como "representantes dos beneficiários" no modelo de gestão introduzido pelo governo. Como é inevitável, os sindicalistas infiltrados na ADSE andam a fazer uma cruzada ideológica contra a contratação de prestadores de saúde privados, tentando impôr-lhes condições contratuais inaceitáveis por eles. Quando a corda rebentar e os privados desertarem os funcionários públicos entrarão no mundo das listas de espera de anos para cirurgias ou sequer consultas de especialidade no SNS onde morrem milhares de doentes por ano. Se antes não racharem os cornos a quem lhes quer destruir a ADSE.