Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

SERMOS PAIS. A PROFISSÃO MAIS ANTIGA E, NECESSARIAMENTE, MAIS DESPRESTIGIADA DO MUNDO.- Prof Raul Iturra

 

 

 

Para a minha neta Maira Rose Van Emden.

 

 

 

 

Um dia, sem sabermos, procriamos. A paixão e o desejo desabafam entre dois que, sem darem por isso, passam a ser três. Durante um tempo, óvulo impregnado a crescer no ventre materno. A seguir, os gritos que causam o facto de dar vida. E, instantes depois, começamos a sentir a delícia de sermos pais. Condição que dura apenas um cisco da nossa vida, um minuto das várias horas que estruturam o nosso ser histórico. Procura amamentar-se, as caricias, o aquecimento do colo materno, e, àsvezes, o cheiro do corpo paterno. Normalmente, a confecção não é a pronto-a-vestir: fica no topo de todos, o percurso de transferir ideias, afectividades, palavras, sentimentos. Especialmente, sentimentos da servidão do adulto que faz ver, à criança que procura, com olhos que ainda não vêem, qual é o seu lugar no mundo. Tal comoos adultos que, além da paixão e do carinho pela vida em comum, tentam entender o seu papel perante o confronto que aparece no meio deles que são a sua origem. Sermos pais é um sentimento que parece durar até ao derradeiro dia das nossas vidas: esse interesse, essa procura pelo bem-estar, o trabalho até às tantas, para melhorar as condições do lar. Melhores condições, por causa do novo ser do qual se deve cuidar. Um interesse que começa no dia do primeiro movimento, ainda no corpo da mãe, ou antes, no imaginário dos dois: o casal reprodutivo na procura de se ver projectado num terceiro, como esse outro mito da nossa cultura, Pai, Filho, e Espírito Santo. Sermos pais, uma antiga profissão que dura um curto espaço de tempo.

 

Porque a primeira questão que aparece na mente do novo ser, é perguntar-se, tal como Roy Lewis no seu texto de 1960, Por que comi o meu pai?, na procura de o eliminar; imagina novas e melhores maneiras de brincar à John Locke de 1666, para queos seus adultos venham a criar um Ensaio sobre Tolerância com ele, ou a magicar, à Rousseau de 1754, uma explicação sobre A origem de desigualdade entre os seres humanos. A criança, na sua epistemologia em permanente desenvolvimento, magica, para depois, na sua puberdade, agir; no seu crescimento, praticar; na sua vida adulta, cortar relações, abrir outras, desconhecer a relação original, esquecer o amamentar, o aquecimento, o divertimento que teve na idade da nascença. Apenas por transitar de um momento de subordinação aos adultos, ao momento de se confrontar com eles. Nem sabe ainda que, senão se confrontar, não conseguirá dois factos: ser esse novo ser, também ele, um adulto, com autonomia e independência necessárias para confrontar a concorrência da vida; ou ter o carinho distante erespeito por parte dos seus pais. Porque ou a criança mata os seus pais, ou nunca mais consegue ficar dentro do mercado de trocas no qual vivemos. A criança, sem saber, procura a morte do adulto dentro do seu processo de vida, define qual o seu limite de tolerância, luta para desenhar a sua própria desigualdade. Como se a criança tivesselido, entendido ou ouvido, os escritores invocados neste parágrafo.

 

Eis o motivo para pensar, sentir, dizer que, sermos pais, é a mais velha e desprestigiada profissão do mundo. Profissão, que por causa do processo de trabalho remunerativo, a palavra paternidade/maternidade definem. Desprestigiada por causa da luta impingida entre seres humanos que, dentro de um curto espaço de tempo, passam a ocupar os mesmos lugares. Um dia, a criança virá a sentir a paixão que leva àprocriação, precisará também de um sítio de trabalho remunerativo, concorrerá com o seu adulto, mais envelhecido agora – consequentemente, com menos capacidade para o trabalho lucrativo procurado pelo mundo globalizado –, que deve perder, para a nova geração ganhar e ocupar os lugares que devem ser libertados pelos seus progenitores.

 

Pequena, és apenas um instante. És criança apenas por um dia. És amamentada e aquecida por poucas horas dentro da tua História. Porque se não matas os teus adultos, nunca mais és, essa força de trabalho que a tua sociedade vê em ti. Mas, pequena, o problema não és tu, são os teus adultos: nunca mais querem ser largados, continuam com o hábito de mandar em ti, de procurar em ti apequenada feita, dentro da sua paixão. O teu adulto será sempre esse ser que quer saber, até ao mais ínfimo detalhe, o teu quotidiano, a tua intimidade, os teus amores e, especialmente, o objecto do teu desejo. Questão que sempre vais ouvir dentro de um hábito cristão inquiridor ou de Inquisição. Famoso hábito elaborado ao longo do tempo com o intuito de controlar os teus movimentos e ajustar o teu agir, à ética dominante da tua História. História tão diferente da conjuntura vivida pelos teus pais, tal qual será a tua, quando o teu dia de procriação ou de paixão, chegar. Entende, pequena, que é bem mais difícil para o adulto largar o seu rebento que considera sempre seu, com base nos mitos definidos, faz milhares de anos, nas variadas doutrinas. Penso que, o teu nascimento, é apenas a aparição dentro da vida social, deste futuro adulto que, apenas por casualidade, um dia será pai e deverá ser mal falado, coscuvilhado, empurrado, deitado fora, até esse adulto aprender, caso seja possível, os seus próprios limites perante ti.

 

É tudo o que eu gostava de te ensinar, como é conveniente ao teu crescimento. Para saberes que os teus pais são apenas uma vírgula no tecido da tua vida. Vida imensa, comprida e preenchida se conseguires tecer o carinho dentro do respeito entre gerações diversas, línguas diferentes, memórias baseadas em factos nem sempre conhecidos por ti. E, enquanto não entenderes isto, vou tomar vantagem para te beijar, acariciar, passear, mimar. Sei que um dia vaisfechar a grande porta para abrires apenas uma janela que permitirá espreitar apenas o que for teu desejo, mostrar. Com respeito, essa janela será o olho da nossa cumplicidade, para podermos ser pais, durante esse metafórico minuto, que sempre ansiamos.

 

Para esta minha querida pequena, quer mãe quer neta, são estas palavras racionais de um adulto maior que muito vos ama. Tanto e quanto, vós permitis. Com respeito e aconchego. Com amor, esse sentimento que define os conceitos usados neste texto como uma pequena forma de exprimir racionalidade sentimental. De sermos pais. Antigos necessariamente. Desprestigiados por causa da necessidade de tu seres tu. A geração seguinte.

 

Lar, 9 de Maio de 2003.

 

Raúl Iturra

 

lautaro@netcabo.pt

 

CEAS/ISCTE/CRIA

 

Amnistia Internacional.

 

Reescrito e revisto a 20 de Junho de 2014, dia do aniversário da entrada à eternidade do Opa Raúl Iturra Merino.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.