Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Séculos com moeda própria e fora do Euro

E com moeda própria que desvalorizávamos. E o que é que o país ganhou com isso ? Alguma vez fomos prósperos ? Alguma vez tivemos o nível de vida que temos hoje ? Então querem voltar para onde fomos infelizes ?

Quinze anos e uma dolorosa crise financeira depois, o euro chega ao pico da adolescência debaixo de fogo cruzado e com traumas por resolver. "O euro foi um fator de destruição para a economia portuguesa, que deixou de ter instrumentos próprios para resolver as suas crises", considera Francisco Louçã, professor universitário. Para o ex-líder do Bloco de Esquerda, o euro foi benéfico para economias fortes, como a alemã, mas se mantiver o modelo atual, "é insustentável e não sobreviverá a outro crash financeiro".

Francisco Veloso prefere ver o copo meio cheio. "O euro veio trazer previsibilidade nas transações e em toda a circulação de moeda, pessoas e bens. Trouxe um nível significativo de conforto tanto para as famílias como para as empresas", destaca o diretor da Católica Lisbon School of Business and Economics . "É natural que haja forças políticas que defendam a saída do euro, mas estamos muito longe disso. Para mim não é claro que nos próximos dez anos uma economia como a grega não venha a equacionar de forma mais séria se quer ou não estar no euro, mas de forma geral acho que até vão existir outros países interessados em fazer parte da moeda única".

Também a Deco acredita que em 2032 estaremos a assinalar os 30 anos da zona euro. "Apesar de todas as tempestades, o que verificámos ao longo destes anos é que o euro foi muito positivo para a economia nacional. Estamos a falar de um poder de compra que não teríamos sem uma moeda tão forte", conclui Paulo Fonseca.

eurosaida.jpg