Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Portugal deve agradecer ao Banco Central Europeu

Quase um terço da dívida portuguesa está nas mãos do BCE que assim tem segurado as taxas de juro e a tem mantido nos mercados. Também é para isto que Portugal está na Zona Euro e na União Europeia. Fora há muito que a situação seria insustentável.

"Com um rácio de dívida, em percentagem do PIB, bem acima de 125%, o fardo da dívida é claramente insustentável, não fosse o apoio incondicional por parte do banco central. Agradeçam ao BCE”, escreve Marcus Ashworth.

"Os progressos na economia têm sido bons, mas não suficientemente bons para começarem a abater neste impressionante fardo de dívida”

O colunista, especialista em mercados financeiros, considera que a recente baixa das taxas de juro no mercado — já a descontar a hipótese de as agências de rating subirem a notação — é “mais o resultado da escassez relativa de títulos do que uma qualquer transformação económica súbita”.

Sem o apoio do BCE estaríamos perante uma situação insustentável. Será por isso que PCP e BE não escondem o azedume. Lá se foi o plano em preparação para a saída do Euro ou para a renegociação da dívida.