Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Olha se fosse nos hospitais privados

Há por aí uns quantos hospitais públicos com as urgências a abarrotar. Sempre será assim nos "picos" de inverno ou por outras razões. Apesar do Protocolo de Manchester que, à chegada, classifica o doente segundo a urgência da doença que apresenta. Mas, é óbvio, que há uma componente  do foro psicológico que dificilmente é controlável. A ansiedade de quem está doente leva-o sempre a pensar que o seu assunto é mesmo muito urgente, o mais urgente de todos. É também essa ansiedade que explica que 60% das urgências sejam "falsas urgências".

O que fica por explicar é porque razão, havendo hospitais com capacidade disponível, esta não seja aproveitada. Bastaria que o doente tivesse o direito de escolha, não estando sujeito ao hospital da sua área de residência. Essa capacidade disponível devia ser colocada ao serviço prestado pelo SNS, fosse o respectivo hospital público ou privado.

Claro que aos amigos dos pobrezinhos e do monopólio do estado na saúde o doente não interessa nada. Pode lá ser o estado pagar a privados para curar gente doente? Quem quer hospitais privados que os pague. Se não tiver dinheiro que espere 24 horas nas urgências de um qualquer hospital público.

É razoável, não é ?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.