Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O "efeito base" no crescimento da economia

Católica reviu em alta o PIB para 2017 . De 1,7% passou para 2,4% . A verdade é que seria fantástico para o país tal crescimento e vindo da Católica há razões para acreditar .

O Banco de Portugal e o INE prevêem à volta de 1,7% e o próprio governo 1,8% .

A nova previsão para o crescimento do PIB este ano compara com a anterior estimativa de 1,7% e coloca a Católica com a estimativa mais optimista entre todas as instituições que analisam a economia portuguesa. Inclusive mais do que o Governo português, que sinalizou recentemente que deverá rever a sua previsão para valores em redor de 2% este ano. No mês passado o Banco de Portugal reviu em alta a sua projecção para o PIB deste ano para 1,8% e o Conselho de Finanças Públicas melhorou para 1,7%.

Claro que a Católica apresenta razões para este forte crescimento :

- "os efeitos desfasados da política orçamental de 2016 e o desempenho fraco da economia no primeiro semestre" do ano passado, "que favorece, através do efeito de base, o crescimento em 2017". ( como se compara a partir do poucochinho...)

-E assinala que "apesar do forte crescimento" do investimento no quarto trimestre (+5,3% em cadeia), esta componente "está ainda cerca de 25% abaixo dos níveis observados em 2010, pelo que será necessário observar uma série longa de crescimentos robustos para confiar na solidez da recuperação em curso".

Para 2018 a Católica, tal como o próprio governo, já espera um crescimento mais reduzido ( como a comparação se faz numa base mais alta...)

Tudo somado, é melhor e ainda bem, mas mesmo vindo da Católica não é milagre nenhum .

efeito base.png

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post