Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Não há nostalgia como esta

Logo na noite do 25 de Novembro ( se bem me lembro) o MFA pela voz do Capitão de Abril Melo Antunes avisou ( aconselhou) que a direita vencedora deveria refrear a vingança . É que se corria o risco não só de correr sangue mas também de o PCP ser empurrado para a clandestinidade à margem da Democracia que se queria plena para o pais.

Os portugueses perceberam e deram ao Partido em eleições (as primeiras) um resultado elevado ( se bem me lembro 17%). O povo queria o PCP em Democracia.

A partir daí os comunistas foram perdendo votos mas sempre com resultados que o definem como essencial à vida democrática. E, além disso, há que não esquecer a influência na vida sindical e social.

Os portugueses nunca estiveram contra o Partido Comunista, nem estão, mas na sua enorme maioria não aprovam as propostas comunistas. Um Estado a mandar em tudo e todos e um só partido a mandar no Estado.

Bem pode Jerónimo gritar aos quatro ventos que quiseram calar o Partido, tapar-lhe os olhos, manietá-lo que, por mais que o repita, a verdade é que os portugueses não subscrevem as suas propostas e nada têm contra a Festa do Avante.

Há uma nostalgia da clandestinidade e da luta contra o fascismo que a velha geração de dirigentes alimenta.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.