Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

FMI exige aumento dos descontos dos funcionários públicos

Eis um assunto que tem passado "invisível" aos políticos, (estejam no governo ou na oposição), aos sempre tão reclamantes funcionários e sindicalistas do sector público, e aos analistas, jornalistas e comentadores do nosso país.

Clamam os beneficiários das pensões do sector público, e os actuais trabalhadores, que o seu sistema de reformas, é unicamente o resultado dos seus descontos.

Não é. Nunca foi, e continuará a não ser, se nada for corrigido.

Só em 2014, para que se pudesse pagar aos pensionistas do sector público, o Estado, para além das contribuições resultantes dos normais descontos feitos pelos trabalhadores e respectiva entidade patronal (o Estado) teve que ir sonegar aos impostos dos demais contribuintes (o sector privado), 3,8 mil milhões de euros.

Vou explicar de forma bem simples para todos poderem compreender: todos os meses, após os trabalhadores do Estado descontarem os 11% da TSU e a sua entidade patronal os restantes 23,75%, e o Estado com estas contribuições, proceder ao pagamento aos reformados do sector público, ficam a faltar qualquer coisa como 320 milhões de euros, que o Estado tem que ir retirar aos descontos e impostos de todos os restantes trabalhadores e empresas do sector privado.

Entendem agora porque é que o actual governo só aumentou 60 cêntimos as reformas dos mais pobres e desfavorecidos cidadãos do nosso país, com o argumento de que não tinha dinheiro para aumentar mais?

Ou seja, mais de metade do nosso deficit público actual, e do crescimento anual da nossa dívida pública, vai todinho para pagar um sistema de pensões, em que os seus beneficiários, recebem muito mais que os descontos que fazem e fizeram.

Se isto não é um roubo descarado às gerações actuais, passadas, e futuras, dos trabalhadores e empresas do sector privado, e confisco e transferência abusiva de riqueza do sector privado para o sector público, então o que será?

No entanto, apesar de tal distorção, no nosso sistema de pensões, políticos e governantes, continuam a fazer vista grossa, e em alguns casos, caso do governo actual, que ao retirar a sobretaxa das pensões acima dos 1500 euros, contribuiu para o acentuar deste roubo sobre todo um povo, para sustentar uns tantos, com pensões com valores a que não teriam direito.

Percebem agora, que este país só se irá alguma vez endireitar, à força, e com gente vinda de fora?