Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Disposto a desistir de governar para poder governar

O PS comprou a paz das ruas com o acordo com o PCP e o BE, que não teria se governasse em maioria absoluta. É por isso que não quer ter maioria absoluta.

Que diriam os partidos da extrema esquerda perante o que se passa com as cativações e a degradação dos serviços públicos se não tivessem que cumprir o acordo ? A troco de cedências, Costa conseguiu meter no bolso a força sindical do PCP e a força mediática do Bloco. 

O preço visível deste sossego é a aceitação de medidas negociadas com a esquerda dura: o aumento do salário mínimo para 600 euros, a reversão das privatizações dos transportes (crucial para os sindicatos do PCP), etc. Neste ciclo político chama-se a isto "cumprir os acordos". Mas há outra forma, implícita, de cumprimento: a inacção do Governo. Inacção na Segurança Social, área em que a última reforma de fundo foi do PS. Inacção no trabalho, área em que o PS deixou as medidas de Mário Centeno. Inacção na política orçamental, área em que um exercício de revisão de despesa tem um objectivo risível de 50 milhões de euros. Inacção na escolha das áreas em que o Estado deve reforçar ou cortar.

Como lembrou Alexandre Homem Cristo esta semana no Observador, todas as reformas nos últimos anos - da Segurança Social à Educação, passando pelo Trabalho - foram feitas contra a oposição do PCP e do Bloco .

1 comentário

Comentar post