Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A União Europeia saiu do ventilador


A União Europeia está ainda longe de encontrar a resposta suficiente para gerir a terrível crise económica provocada pela covid-19 e para se reerguer quando o vírus for vencido. Mas só o pessimismo mais impenitente ou o antieuropeísmo
mais feroz permitem afirmar que as medidas aprovadas ontem são um
fracasso, uma prova acabada da falta de solidariedade ou uma vitória inequívoca dos falcões ricos sobre os pobres do Sul. Com os planos mais ambiciosos para a reconstrução remetidos para um Conselho Europeu no futuro próximo, o que se esperava da reunião do Eurogrupo aconteceu: os Estados-membros foram capazes de um acordo, reduziram a crispação, afastaram o espectro de uma
derrota colectiva e conseguiram mobilizar 540 mil milhões de euros para os problemas imediatos. Como disse o Presidente, “é um começo”. Não foi fácil chegar lá porque nada é fácil numa União que continua minada pela noção de um suposto risco moral que faz com que os “responsáveis” do Norte receiem pagar os desmandos dos “perdulários” do Sul. Mas as clivagens que há duas semanas
implicaram palavras duras e o regresso real do perigo de um desentendimento fatal extinguiram-se à custa de uma negociação que revelou espírito de compromisso e a noção de que todos teriam a perder com a falta de um acordo. Ao contrário do que aconteceu na crise do euro, os mais fortes não Æcaram de um lado e os mais débeis do outro. A Itália e a Espanha, com Portugal no mesmo
lado da barricada, tiveram como aliados tácitos a Alemanha e a França. Os planos foram aprovados, a condicionalidade no acesso aos fundos aligeirou-se e a Europa acordou ontem com um novo estado de espírito para os próximos passos.
Como o que falta fazer a seguir é muito mais exigente em termos de volume financeiro do que os 540 mil milhões de euros do Mecanismo Europeu de Estabilidade, do Banco Europeu de Investimentos e do programa europeu SURE, preparemo-nos para novos atritos. A emissão de dívida mutualizada (os
eurobonds) está fora da carteira e como qualquer estratégia alternativa só fará sentido e terá substância se os países mais ricos assumirem uma parcela dos riscos dos mais pobres, é fácil imaginar o que se segue — até porque, para a
reconstrução da economia europeia, será necessário muito mais dinheiro. Mas depois da forma como o Banco Central Europeu decidiu uma intervenção musculada no mercado da dívida soberana sem o habitual queixume alemão e
depois do acordo do Eurogrupo, a União respira melhor. Se recuperou o ânimo para a incerta batalha da reconstrução, essa é uma pergunta sem resposta

Manuel Carvalho - Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.