Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A saúde não pode ser um negócio já os funerais...

Não se morre de coronavírus mas morre-se mais. Concretamente mais 12 137 pessoas em Julho/20 do que em Julho/19. Presume-se que cheias de saúde.

As listas de espera, habitualmente, ficam-se pelas 150 000 pessoas agora com o Covid 19 andam nas 400 000. Ou porque não precisam de tratamento e podem esperar ou porque o SNS não tem meios para as socorrer. Como estão a morrer mais do que no ano passado é porque o SNS não as trata a tempo e horas.

O Público revela hoje o aumento enorme de mortos que não de Covid em julho (há 12 anos que não morria tanta gente) e a DGS diz que foi por causa de duas vagas de calor. Ninguém quer fazer mea culpa de não ter havido uma estratégia de saúde pública para outras doenças (e em julho morreram 156 pessoas com covid 19 num total de 10390, ou seja 1,5% do total!).

A DGS já veio dizer que a razão são as ondas de calor, justificação mais do que conveniente. Assim não há culpados e cai que nem sopa no mel na velha justificação do PS. Não há culpados e se há é do governo anterior.

É, claro, que a razão é a insuficiência de meios para ocorrer às necessidades da população. O discurso é que nunca houve tanto investimento e tantos médicos e enfermeiros no SNS mas a verdade é que as listas de espera não param de crescer. 

Se a população fosse mesmo a prioridade o horário voltava a ser de 40 horas/semana e as parcerias com os sectores privado e social desenvolviam-se. Mas a ideologia não deixa.

A extrema esquerda não deixa que a saúde seja um negócio prefere que o negócio passe para as funerárias.

117103532_1037221030008147_8272471119346063451_n.j

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.