Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A OCDE , a extrema esquerda e a Cornucópia

A OCDE diz que as reformas laborais do governo de Passos Coelho estão a mostrar-se favoráveis à economia e ao emprego. Ora o BE e o PCP querem reverter essas reformas. O PS , o PSD e o CDS vão deixar que essa reversão aconteça ou vão fazer uma frente que a impeça ? E que posição tomar face a anunciada campanha do PCP sobre a saída do Euro ? E quanto à renegociação da dívida exigida pelo BE ?

Está a chegar o tempo das decisões para os partidos que apoiam o governo . PCP e BE são fortemente minoritários não parece que se possam tomar decisões decisivas contra a esmagadora maioria da sociedade. Quem ceder vai pagar fortemente nas urnas como já se está a ver com o PS a comer as intenções de voto que PCP e BE estão a perder.

Os cenários parecem ser três a) o PS obtém maioria absoluta e avança para eleições antecipadas b) PCP e BE rompem o acordo com a justificação que não podem continuar a apoiar um governo de direita ( como Jerónimo já o anda a crismar) c) Marcelo, perante o possível impasse, lidera uma solução até ao fim do mandato, tendo em vista conseguir consensos alargados para os grandes problemas nacionais que, sozinhos, os partidos já mostraram não conseguir .

Após um ano de governo os grandes e decisivos problemas mantêm-se . O investimento caiu de forma abrupta; a economia não cresce para o previsto e fica-se pela metade ; as taxas de juro subiram vários pontos em relação a Espanha e Itália e a sua trajectória é preocupantemente ascendente, tocando nos 4% ; o país continua na dependência das agências de rating bem como em relação ao programa de compra de dívida do BCE ; o alívio da dívida não se faz contra os credores e, ao contrário, não dessa de subir ; a contenção da despesa está a ser feita à custa do investimento .

Ora, todas estas questões que empurram o país para o empobrecimento, não têm solução com a actual composição governativa. E, não se vê, como os partidos se vão por de acordo sem romperem com os seus principais pilares ideológicos por muito que sobre o pragmatismo e o prazer do poder.

Acresce que PCP e BE estão a inundar a administração pública de simpatizantes seus. Quando esse poder estiver instalado não haverá mais razões estratégicas para engolir sapos.

Marcelo vai distribuir cada vez mais afectos como ainda agora fez no caso da Cornucópia .