Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A dívida a caminho de um novo desastre

Um economista e ex- deputado do PS faz as contas que assustam. Já estou a ver os socialistas a dizerem que esta opinião é de alguém que está azedo por não ser ainda deputado

Os portugueses e Instituições vão continuar a financiar o Estado. No entanto, no caso da dívida tomada por não residentes (externa,) entre Março de 2015 e Dezembro de 2016, estes reduziram o seu interesse em 12%, passaram de 47% para 35% do total da dívida, a contribuir para o aumento das dificuldades.

O Banco de Portugal (BdP) aumentou significativamente a compra de dívida portuguesa, (entre Junho/2015 e Novembro/2016) passou de 4% para 16% e o BCE passou de 12% para 8%. Tudo parece indiciar que a intervenção do BCE desde Junho/2015 tem sido por intermédio do BdP e conjuntamente representam 24% do total da dívida.

O país em 2017 tem de conseguir empréstimos no montante total de 95.520ME, sendo 36.402ME em títulos de curto prazo, 43.970ME em títulos de médio e longo prazo e 15.148 ME em empréstimos de curto prazo, estes valores constam do Orçamento de Estado. Os recursos que precisamos resultam da maturação de empréstimos, cerca de 35,4% da dívida total, a terem de ser pagos no valor de 83.607 ME, (inclui a dívida interna, troca de títulos…) num total de operações financeiras na despesa de 90.607ME.

Uma enorme dependência do BCE que o país não controla . E o défice, senhores, é mesmo o que o governo indica ? Olhe que não...

3 comentários

Comentar post