Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A TAP privada regressou aos lucros em 2016

TAP regressou aos lucros em 2016 apesar de ter facturado menos que em 2015. É que a gestão pelos privados começou a dar frutos no segundo semestre com um forte aumento do número de passageiros transportados . E os dois meses de 2017 confirmam essa tendência . Isto é, apesar da gestão privada ter na prática apenas seis meses o resultado é extraordinário quando comparado com 2015 : A TAP garantiu ainda que "o segundo semestre registou uma forte recuperação, que incluiu a obtenção de sucessivos recordes históricos no número de passageiros transportados nos meses de Outubro, Novembro e Dezembro, tendência essa que já foi reforçada nos dois primeiros meses do corrente ano". 

A TAP registou no ano passado lucros de 34 milhões de euros, uma recuperação assinalável face aos prejuízos de 99 milhões que atingiu em 2015 .

A razão para este resultado notável é só um . Quem sabe, sabe, e o estado não sabe, por muito que invente frases ( sound bytes ) que espremidos não dão meio copo de sumo. Companhia de bandeira diziam eles.

NOVA-TAP_Landing_BILINGUE.jpg

 

A TAP e o negócio do transporte aéreo são coisas diferentes

A TAP já transportou mais 114 000 passageiros desde que em Junho iniciou as suas operações de "code-share" nos Estados Unidos.

Ao Negócios, o responsável assegura que o "feedback" dos turistas norte-americanos que visitam Portugal "é muito positivo" e acredita que o número vá continuar a crescer "consideravelmente". Os dados do INE comprovam: até ao final de Setembro, o número de hóspedes desta nacionalidade nos hotéis lusos cresce 19%, para os 388 mil. A sua quota de mercado é de 4,3%. 

Estas operações de "code share" ( partilha de passageiros) estão a ser feitas com a "JETBLUE" companhia de aviação do accionista americano da TAP. Entretanto, o novo accionista chinês vai avançar com novas rotas de e para aquele país.

Talvez agora os mesmos de sempre percebam a diferença entre a "TAP de bandeira" com a "TAP negócio do transporte aéreo". A primeira estava moribunda e morreria a prazo a segunda cresce e ganha dinheiro. Bem, não sei se é bom que a TAP ganhe dinheiro mas isso fica para outra ocasião...

A TAP privada descongela salários

Após seis anos de congelamento a TAP chegou a acordo com os sindicatos em aumentar os salários em 0,9%. Isto para os quase 3 700 trabalhadores de terra. Quanto ao pessoal de voo também já terá chegado a acordo para aumentar salários com os respectivos sindicatos.

Há dois dias já tinha sido anunciado que os resultados da TAP no primeiro semestre tinham melhorado de forma muito significativa e que tudo aponta para resultados positivos já em 2017.

Ao mesmo tempo foi anunciado que a TAP melhorou e conseguiu estes resultados transportando menos passageiros, o que quer dizer que foi com menos despesa operacional ( combustíveis, horas extra...) .

Chama-se a isto aumentar a rentabilidade da operação. Menor número de voos mas mais passageiros por voo. Passageiros dos US, Brasil e China encaminhados para a Europa através da TAP. E da Europa para os mesmos países.

E a carreira aérea Lisboa-Porto-Lisboa com preços competitivos.

Quem não sabe ser caixeiro fecha a loja. Foi o que fez e bem o governo ao vender a TAP e deixar a gestão do transporte aéreo a quem sabe.

tapzul.jpg

 

 

A TAP cresceu 82% entre Lisboa e Porto

Comparando com o mesmo período do ano passado a "TAP Express" cresceu 82% em passageiros transportados. Está a concorrer com o comboio. Há partidas de hora a hora. O passageiro sabe que há sempre um avião disponível. Ainda há quem não perceba o que a gestão privada trás à companhia aérea ?

A taxa de ocupação média ronda os 65%, o que a TAP considera "bom para pouco mais de um mês de serviço". O objetivo da companhia é crescer sobretudo no chamado ponto a ponto, ou seja nos voos puros entre as duas cidades. Assim, com a ponte aérea, "o transporte de avião já concorre com outros modos de transporte tanto em preço como em duração total da viagem".

O preço oscila entre 39 Euros e 99 Euros e não há atrasos no embarque . O passageiro tem flexibilidade podendo viajar num ou outro avião segundo as suas conveniências .   

 

tapexpress.jpg

 

 

 

Na TAP há mais um grande negócio do estado

O estado fica com 50% do capital da TAP que é negativo em 500 milhões e garante junto da banca os 600 milhões de dívida. Nunca ninguém conseguiu um negócio assim. É tudo mais fácil para os privados junto dos mercados financeiros e da banca.

Os privados ficam com a gestão. Têm acesso aos mega-mercados dos US, da Europa e da China o que só por si torna a empresa viável. Mas o contrário também é verdadeiro. Os accionistas americanos, brasileiros e chineses passam a ter acesso ao mercado europeu. Está garantida em concorrência aberta  a actividade da empresa.

O tacticismo de António Costa tem esta extraordinária intuição. A curto prazo engana os incautos a longo prazo põe os contribuintes a pagar. Quem não quer um parceiro destes ?

Porque a TAP totalmente privada teria os mesmos pontos fortes na sua estratégia comercial e um ponto fraco na sua componente financeira. Tendo o estado como parceiro, os privados alavancam de uma forma notável os seus mercados de origem por metade do custo e deixam para o estado o restante. Ser companhia de bandeira.

É que na componente operacional não se encontram razões de racionalidade gestionária para que o Estado mantenha uma posição accionista de 50% na companhia aérea. Aposto que a única dor de cabeça dos gestores do estado vai ser conseguir que os lucros sejam reconhecidos aqui no país. Ou grande parte deles.

tapprivada.jpg

 

É só uma coincidência

É, não é Mais duas dúvidas que me ocorreram nesta semana. - Quando a Barraqueiro, que aceitou renegociar a presença na TAP, ganha uma adjudicação direta para manter por mais dois anos a concessão da Metro do Porto, isso é uma coincidência, certo?
- Quando o governo PS e o BE só nomeiam subscritores do manifesto dos 74 para o grupo que vai estudar a reestruturação da dívida, isso quer dizer que...o estudo está feito e pronto a entregar ao Sr. Draghi no Conselho de Estado convocado pelo Presidente Marcelo?

E que dizer do representante pessoal do PM na TAP ?

Um amigo de António Costa é seu representante pessoal nas negociações na TAP. De borla. A que título ? O interessante é que os partidos acham que é natural . Ninguém pia.

Lê-se e não se acredita: os gabinetes de António Costa e do ministro da tutela, Pedro Marques, confirmam que “não há contrato porque [Diogo Lacerda Machado] não tem atuado a título profissional, tem atuado pro bono como representante pessoal do primeiro-ministro”.

Sabe-se agora que o amigo é administrador da Geocapital, empresa de Stnaley Ho, milionário chinês. Tal como é chinesa a HNA, que entrou com capital na TAP. Geocapital essa que há 10 anos comprou uma empresa no Brasil em parceria com a TAP, num negócio que se revelou “ruinoso”. 

É, pá, andam a brincar com o nosso bolso...

 

TAPem os olhos está a entrar dinheiro chinês

Foi bem escondido mas o dinheiro falou mais alto. Nas negociações em que este governo entra há sempre alguma coisa que é escondido. Ao mesmo tempo que anda a reunir com os idiotas do movimento "Não TAPem os olhos", garantido que a TAP continua pública, é aberta a porta aos privados, melhor dizendo, ao dinheiro dos privados e do negócio do transporte aéreo que a TAP e o governo não têm.

Preto no branco: “O Estado português autoriza desde já a entrada no capital social da Atlantic Gateway pela HNA, em percentagem a acordar entre os acionistas da Atlantic Gateway e a HNA.” E mais: estando previsto o financiamento de €120 milhões à empresa, dos quais €30 milhões pelo Estado e €90 milhões pelo consórcio privado, “o Estado português autoriza igualmente que a HNA possa vir a subscrever diretamente parte das obrigações”, sendo que “os direitos que neste memorando de entendimento se referem à Azul se referirão à HNA”.

Os mercados dos US e Brasil bem como da China abrem-se para a TAP tornando-a uma verdadeira companhia de transporte aéreo global. E viável. Foi assim tão dificil perceber o óbvio ?

A bem ou a mal a TAP é nossa

António Costa é muito homem. A TAP será pública a bem ou a mal, disse com aquela cara de quem mente como quem respira. A seguir faz um negócio com os privados que ninguém entende.

Compra 50% aos privados e dá-lhes a gestão corrente enquanto a gestão estratégica é da administração onde colocou seis dos seus amigos mais próximos. Estamos perante um " case study" que abrirá novos caminhos na gestão das organizações.

Quanto à divida da companhia e a não ser que também aqui tenha inovado o estado "adquiriu" 50% e ainda tem que meter mais para compensar o já metido pelos privados. O senhor Neelman que nunca quis 100% da companhia ( recuperava-a e a seguir vendia em bolsa 40% ou coisa parecida) o que quer é o negócio do transporte aéreo ( ainda não se faz o negócio sem aviões) encontrou um parceiro que só quer um "nome", uma "bandeira" e um "hub" e que lhe paga metade dos aviões. Um negócio das arábias ...

PS quer explicações e o movimento " não TAPem os olhos" acordou agora da sua vitória exigindo ser ouvido urgentemente pelo governo. Cheira-lhes que Costa os enganou com a verdade.

A TAP continua nossa mas foi privatizada. O Rui Moreira ontem ainda não tinha percebido.

O governo não manda na TAP privatizada

A TAP deixou de ser uma empresa pública com a privatização. Se fosse necessário Rui Moreira mostrou como é que as empresas públicas operam em mercados concorrênciais. Obedecendo a práticas não comerciais que geram prejuízos que os contribuintes pagam.

A afirmação é dirigida ao presidente da Câmara do Porto, que defendeu a necessidade de o Governo dar ordens à TAP para restabelecer as ligações internacionais a partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro. Rui Moreira quer que o Governo interceda para evitar a suspensão dos destinos para o estrangeiro que a empresa considera deficitários, mas “como era de prever” o executivo vai deixar essa decisão para a comissão executiva.

A TAP privada vai sobreviver, pública morreria ou, então, empobreciam os contribuintes