Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Mães saltam de "hospital em hospital"...públicos

Quando a Ordem dos médicos avisa para as más condições das maternidades no sul do país.Quando as mães viajam 200 kms desde o Algarve para encontrarem um hospital que as receba. Quando morrem doentes em lista de espera o que é que nos propõem?

Tudo menos encaminhar os doentes para os hospitais privados,mesmo que acessíveis e preparados. É preferível os doentes correrem riscos do que o PCP e o BE correrem o risco de ver os empresários da saúde terem lucro.

Alguém com um mínimo de senso aceita esta ideologia que troca vidas pelo ódio? Mas andam por aí a defenderem o bem do povo, o mesmo povo que deixam a sofrer em listas de espera, já que os que podem são tratados em bons hospitais privados.

Mais um inquérito, mais uma morte de um bebé aos pés da ideologia comunista.

A Escócia quer a independência do Reino Unido e manter-se na UE

O Brexit acordou o demónio e três anos depois o Reino Unido vê-se abraços com uma situação política muito grave.

O Banco de Inglaterra já veio confirmar as negras previsões se houver uma saída desordenada

Desde a votação do Brexit, em 2016, a questão da independência da Escócia voltou a colocar-se. Apesar de 52% dos eleitores do Reino Unido, no seu conjunto, terem votado no ‘leave’ (para sair da UE) e 48% no ‘remain’, a Escócia votou maioritariamente pela permanência (62% contra 38%).

Os políticos que se batem por um novo referendo destacam o voto esmagador dos escoceses para o Reino Unido permanecer na UE.

Três anos depois coloca-se a possibilidade de novo referendo agora apoiado por uma maioria que deseja a permanência .Segundo uma sondagem realizada após a visita do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, à Escócia – onde foi vaiado –, 52% dos eleitores são favoráveis à independência e 48% estão contra.

Pode-se enganar quase todos durante algum tempo  mas não durante o tempo todo.

 

Ninguém é obrigado a frequentar uma má escola ou um mau hospital

listas.jpg

Em apenas seis meses cresce para 132 000 o número de utentes tratados fora da área de residência.Ninguém é obrigado a aceder a um mau hospital ou a uma má escola. Ninguém é obrigado a morrer enquanto espera por uma cirurgia. Ninguém é obrigado a ficar para trás só porque frequenta uma má escola pública.

É que são os mais pobres os prejudicados.

 

Passada a crise o sector privado voltou a ganhar peso

Não há como fugir a isto. Sempre que o país melhora, os sectores privados da Educação e da Saúde voltam a ganhar peso no sistema.No sistema de saúde há mais dezanove hospitais privados a juntarem-se aos 114 já existentes. No sistema da educação os colégios passaram a ter mais procura. A percentagem de alunos em colégios aumentou em todos os ciclos do ensino básico e secundário.

Globalmente, em 2000/01 a percentagem de alunos no privado correspondia a 11,8%. No ano lectivo passado era de 15,3%.No ensino secundário um em cada cinco estudantes (21,3%) paga para fequentar o ensino privado.

Sempre que as famílias melhoram o seu nível de vida, mais procuram os sectores privados da saúde e da educação.Isto é, se portugueses vivem mal e por isso não têm liberdade de escolha, não têm outro remédio que não procurarem o sector público.Assim que adquirem a liberdade de escolha, com maior folga financeira, procuram o sector privado.

Há aqui uma lição a tirar. Os estatistas que querem obrigar a sociedade civil a frequentar os serviços públicos medíocres esbarram com esta realidade. A liberdade de escolha corresponde a mais procura do sector privado.

Até há quem diga que os estatistas não têm especial simpatia com níveis elevados de qualidade de vida dos cidadãos. Perdem doentes nos hospitais públicos e alunos nas escolas públicas.

Brexit é igual a "choque instantâneo" diz Banco de Inglaterra

Já lá vão três anos e o Brexit não ata nem desata. E a razão é bem simples. O "choque da saída sem acordo" será instântaneo e "O responsável pela política monetária justificou à BBC Radio 4 que “as implicações económicas de uma saída sem acordo são que as regras do jogo para exportar para a Europa ou importar da Europa vão mudar completamente e algumas indústrias muito grandes neste país, que são altamente lucrativas, vão deixar de ser lucrativas“.

O Banco de Inglaterra estima que um Brexit sem acordo levará a uma desvalorização da libra, um aumento da inflação e uma desaceleração da economia britânica.

É só por isto não é por mais nada.

 

Mais 19 hospitais privados que se juntam aos 114 existentes

Para quem quer ver, a realidade hospitalar nacional é mais que clara. Se não houvesse procura - e os portugueses procuram livremente- os privados não responderiam com mais oferta.

Para os administradores ​​​​​​​hospitalares, estes números são sinal da confiança que se vive no setor privado, em parte por causa da descrença no serviço público.

"Isto quer dizer desde logo que há aqui uma procura. Naturalmente os investimentos começaram a ser feitos nas grandes cidades, em Lisboa e depois no Porto. Mas de facto também têm sido feitos investimentos noutros pontos do país - Madeira, Açores, Vila Real, Viseu", refere o presidente da Associação da Portuguesa de Hospitalização Privada.

hprivados.jpg

 

 

Uma gola que queima devagarinho

Para além de não servir para nada , o kit distribuído  não passa do que habitualmente se chama "criar a necessidade do produto". Criado o mercado há que montar as empresas que vão fazer o negócio já que os subsídios europeus estão à mão do camarada, do filho ou do pai.

Basicamente o que nos dizem agora é que a gola que foi distribuída para defender as pessoas do fogo não deve ser usada junto  do fogo. Compreendido.

Se era apenas para sensibilizar, o melhor seria não brincar com o fogo. Por mais persuasivos e educadores do povo quisessem ser aqueles que, no ano passado, distribuíram os kits, faltou-lhes atenção aos factos. Os factos: aqueles homens e mulheres, muitos deles velhos e atrapalhados, ouviram uma oratória, a tal campanha de sensibilização; e àqueles homens e mulheres, muitos deles fracos e temerosos, foi-lhes estendido um saco. Pergunta-se à Proteção Civil: o que mais ficou daqueles dias de campanha? As palavras ou a gola de poliéster? No dia do cerco do incêndio, olhos postos no saco do kit à porta, o que faria o sitiado? Não poria a perigosa gola antifumo na cara?

É que a gola não mata mas queima ainda que poucochinho.

 

Mais uma ramo da família PS a fazer negócios com o Estado

Graça Fonseca : Este é mais um caso para juntar aos que nos últimos dias têm vindo a público: a empresa do pai de Pedro Nuno Santos fez contratos públicos, assim como o marido da ministra da Justiça tem colaborado várias vezes com o Governo, incluindo com o Ministério da Administração Interna, além do filho do secretário de Estado da Proteção Civil, que celebrou pelo menos três contratos com o Estado já depois de o pai assumir funções governativas. O nome de Graça Fonseca junta-se agora ao leque.

Bem faz o governo é melhor mudar a lei já que o PS não muda

Os "medicamentos - milagre" chegam sempre ao doente

O verdadeiro problema é se há ou não o medicamento. Se não houver não há sequer margem para discussão do preço. Por isso a primeira prioridade é assegurar que as condições que levaram a indústria farmacêutica a produzir o medicamento se mantenham. E, nessas condições, a financeira é fundamental porque é essa condição que permitiu juntar todas as outras .

É, claro, que um medicamento inovador tem que ser caro. Anos de investigação, milhões em investimento em novos equipamentos, desenvolvimento de novas tecnologias. E, também é claro, que chega primeiro a uns que a outros. Mas chega, se não existir é que não chega a ninguém.

Todos os medicamentos hoje conhecidos foram, no seu tempo, "medicamentos-milagre". O meu pai dizia-me que nos anos 40 as crianças no verão morriam como tordos. Sem água tratada, sem saneamento básico, as "febres" matavam a eito, só as forças da natureza se safavam. Mas a penicilina quando foi descoberta era pouca para chegar à frente de batalha onde os soldados morriam de infecções. Hoje há antibióticos para combater todas as infecções e chega a toda a gente.

Há meia dúzia de anos chegou o medicamento que cura a hepatite C. Em Portugal, onde chegou tarde, já há 14 mil pessoas curadas. Muito caro mas mais barato do que estar a tratar esses doentes durante 20 anos de uma doença que, com sorte, se mantinha crónica.

No cancro também estão a chegar medicamentos inovadores que abrem a esperança de a doença ser controlada e curada numa percentagem cada vez maior de doentes.

E está a chegar o "medicamento-milagre" para todas as Matildes de Portugal.

Que a ideologia não mate a esperança de milhões de doentes limitando a indústria farmacêutica na produção destes "medicamentos-milagre" .