Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Um país triste, pobre e revoltado

O New York Times dedica hoje uma extensa reportagem a "um país triste, pobre e revoltado". Mas a verdade é que não temos que ser pobres. Somos um país com imensas riquezas, com sol, mar, boas características ambientais, boa terra, um povo extraordinário que dá cartas por onde vive e trabalha. Mas não queremos deixar de ter o último estado napoleónico, que tudo controla, que chega a todo o lado e a lado nenhum. Pagamos o que o diabo amassou para sermos dependentes e subsidiados. Não se cria riqueza e vemos com maus olhos quem a cria. E se algum empreendedor cria postos de trabalho tem imediatamente à perna os que acham que não passa de um explorador  do trabalho dos outros. E, pior, tem lucros. A grande meta de vida da maioria de nós é ter um emprego "para toda a vida" No tempo do meu pai a grande sorte era ser funcionário público. No meu tempo era entrar num banco. Agora é estar numa empresa pública subsidiada ou numa qualquer empresa monopolista do regime. E, claro, sempre o estado. 
Não  deixaremos nunca de ser tristes e revoltados. Não lutamos pelo que acreditamos, com independência, com mérito e com risco. Preferimos uma "vidinha" com ódio aos que fazem pela vida. Seremos sempre tristes e revoltados. Por isso abandonamos a nossa terra e procuramos longe o que aqui não estamos dispostos a procurar. Há séculos que como povo nos portamos assim. Mas hoje já todos percebemos que não temos que ser pobres.  Basta deixar de sermos um país de funcionários e de subsidiados!                                                                    




Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.