Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Escrevi um texto ontem, publicado hoje

 

 

 

El texto era sobre la emancipación da mulher e a sua igualdade com os homens.

 

Parece que não, mas recebi imensos comentários, especialmente de senhoras. Os homens, salvo dois ou três, nada disseram. A consciência deve pesar e doer ao se confrontar com os seus factos da vida real. Um país virginal como Portugal, o menos que deve e respeito, paixão, carinho e amor a mãe dos seus filhos.

 

Foi preciso criar una lei para defender mulheres abusadas pelos seus cônjuges, que vivem do que ela cozinham, remendam, costuram, da criação que devem fazer dos filhos e dos ensinar a ler e escrever. O homem chega a casa para ser servido… por ela. E para satisfazer as suas paixões, cansada e todo como está, penetra em ela para o seu prazer, porque uma mulher que não é bem tratada, seduzida, festejada, não há humidade possível no seu clítoris. Aliás, o homem costuma ser rápido, tão curta é a sua paixão. Só precisa de una vagina, ou do traseiro de um menino, para ejacular em três segundos, e a dormir.

 

Um país que se aprecia de ser católico, amar a mulher do próximo parece ser o mandamento mais cumprido. Ou andar a se prostituir com os amigos em casas especiais ou entre eles. Quando há homens juntos, especialmente novos, não querem mulher, brincam sexualmente entre eles, com exibição de pénis e ejaculação coletiva, com apostas de quem vai maus longe com o líquido seminal.

 

Dirão que é de descosidos, mas tenho estudado burguesia que guarda em segredo casas as que levam adolescentes para atos anais, ou para dar de bebe do seu sémen aos novos púberes. O vi na Madeira, o tenho escrito em vários livros e é apenas hoje em dia em que a mulher é precisa pata ganhar dinheiro em trabalhos honestos, que começa a ser respeitada e partilha trabalhos domésticos com o pai dos seus filhos. Elas esmeram-se em agradara pelo medo que têm dos seus homens, especialmente nestes dias em que a lei permite o matrimónio entre pessoas do meso sexo: qualquer bom amigo soave e carinhoso, pode-lhe roubar o seu homem. E ficar mais abandonada.

 

As novas gerações calculam e alimentam a paixão, mas também há debates entre todos eles.

 

É difícil saber o tratamento dos conhecidos, bem como será o nosso com a passagem do tempo.

 

Há apenas uma mulher respeitada em Portugal: a denominada nossa Senhora de Fátima, porque é santa e pode obrar milagres necessários hoje bem dia em que não há dinheiro na país,

 

Freud e Mélanie Klein bem desciam que a líbido era a que comandava o comportamento como tenho citado em inúmeros livros meus, especialmente no terceiro de 1912: Memórias de un extranjero extravagante, ao qual remeto o leitor. Está na etapa de publicação.

 

Porque tanta mulher comenta o meu texto, e de homens apenas 3, casados dentro do seu mesmo sexo, dizem boas ideias?

 

Esta é a minha crítica e comentário ao texto publicado hoje. Pronto para ser passado a Banda Larga, Ainda mais, há uma rede pedófila em Portugal, que começa nas escolas e internatos, especialmente de sacerdotes, que levara a Bento XVI para o desencanto e renunciar o seu estatuto de Papa.

 

Raúl Iturra

 

28 de Novembro de 2013.

 

lautaro@netcabo.pt

 

Nota: nem todo é assim em Portugal, nem também não é apenas em Portugal. Também existe a pedofilia ritual e o mal trato ritual à mulher. Fica para outro texto