Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Não é cortar é acabar com as reformas não contributivas

O exemplo tem que vir de cima. E as reformas e pensões que resultam de regimes "não contributivos " deviam terminar já hoje.  Cortar 15% nos subsídios de políticos que contribuiriam com zero continua a ser um roubo. Um "roubo-15%" mas ainda assim um roubo.

(...) o Governo deveria começar por cortar nas reformas não contributivas, igualmente suportadas pelos contribuintes, e que consistem em todas aquelas reformas atribuídas a detentores de cargos políticos ou colocados nas altas hierarquias da Administração Pública, nos serviços e fundos autónomos, e nas empresas públicas.

Ou seja, o Governo teria de começar por cortar as reformas que não resultaram, nem de perto nem de longe, de carreiras contributivas devidamente tipificadas e que são aplicáveis ao comum dos cidadãos. Só assim poderia dar o exemplo, facilitando a compreensão, e uma base de apoio alargada, em redor das restantes medidas - aquelas que são verdadeiramente tão impopulares quanto necessárias.

E, assim, a convergência entre a CGA e a Segurança social, bem como a redução de subsídios de viuvez e sobrevivência, convenientemente moderadas, já seriam compreendidas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.