Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O portugueses vivem uma ilusão que vão pagar caro

«Henrique Neto defende que os portugueses vivem “uma ilusão”, porque “o país não está melhor” com a geringonça. Prevê que o PS não consiga a maioria absoluta e repita a aliança com os partidos de esquerda. Uma solução que, na sua opinião, impede uma política económica “mais arrojada”.

Diz que António Costa não tem capacidade para fazer as reformas que o país precisa e “governa com dois ou três amigos” e que Rui Rio não tem “ideias alternativas à geringonça”.»

Há cada vez mais pessoas a avisar mas o governo nada verá até às eleições. Nessa altura será tarde se não for antes.

O governo fecha os olhos à plantação da dor futura

Os factores que levaram à falência de bancos e famílias estão aí novamente. Mas o Banco de Portugal anda a dormir e o governo faz de conta que não vê. E não verá até às eleições. Depois não digam que ninguém avisou.

Melhor exemplo: acaba de ser lançado no mercado um produto que traz de volta o financiamento a 100% da compra de casa, com a agravante de já não arrastar apenas indiretamente os fiadores. Não, a sugestão é mesmo hipotecar também a casa dos pais, ou de outros familiares próximos. Plantar a semente da multiplicação da dor futura.

Pior, voltou o crédito à habitação mais obras, no mesmo regime de dupla hipoteca. O que quer dizer que os 100% podem vir a ser excedidos por via de habilidades várias.

A visão de curto prazo que levou o país à quase bancarrota voltou. E as consequências serâo as mesmas.

A Madeira já recebeu seis mil refugiados da Venezuela

O país está a fazer o que lhe compete. Está a receber portugueses que viviam e trabalhavam na Venezuela e que, pela força da miséria e do caos, foram obrigados a voltar à sua terra natal.

Miguel Albuquerque ( presidente do governo regional da Madeira) reiterou a sua proposta de criação de um corredor humanitário para chegar ajuda aos portugueses e lusodescendentes, e, no apoio aqueles que regressaram à Madeira disse que "há uma situação que obriga e vai obrigar a investimento do Estado português", que não contabilizou.

A visita do secretário de Estado das Comunidades à Venezuela no próximo fim de semana decorre numa altura em que portugueses e lusodescendentes gestores e gerentes de supermercados naquele país que foram presos, acusados de impedir o abastecimento de produtos básicos e de violarem as leis que regulam os preços.

O PCP e o BE é que estão muito preocupados com estes nossos conterrâneos...

As prioridades do Bloco de Esquerda

 
 

"O BE exige ao governo a atribuição de matrícula ao navio negreiro Aquarium, mas da referida agremiação nem uma palavra de apreensão sobre os 500.000 portugueses que correm risco de vida na Venezuela. Estamos entendidos a respeito da hierarquia das prioridades."

(Miguel Castelo Branco)

Bloco não para, está a adivinhar o desastre nas próximas eleições. As propostas que apresenta são de gente pouco exigente consigo própria, leves e populistas. Vai pagá-las .

As autoridades francesas recusaram o pedido. "De momento a resposta é não", disse Bruno Le Maire, ministro francês das Finanças. Segundo Le Maire, os navios nestas condições devem, segundo as regras europeias, aportar no porto mais próximo e Marselha não é o porto mais próximo [seria em Itália]. "As questões das migrações devem ser lidadas com clareza e firmeza e as regras europeias devem ser respeitadas."

A politica bloquista é a bem conhecida " é o quanto pior, melhor ", derrubar a União Europeia por dentro e colocar o governo de António Costa contra as regras europeias.

 

 

Tancos é um assunto arrumado dizia António Costa

"O mais provável é que nem sequer tenha existido furto" dizia o ministro da Defesa. Hoje foram detidos vários elementos de elevada patente na PJ militar e na GNR. Que dizer disto ?

O governo tentou a todo o custo desvalorizar o furto porque sabia que só podia ter acontecido com cumplicidade internas e que a explicação cabal do assunto é uma machadada profunda na credibilidade das instituições militares. E a não explicação seria uma machadada ainda maior pela profunda insegurança que criaria entre a opinião pública

Para onde foram as armas ? Em que mãos caíram ? É assim que o terrorismo se arma ?

Estas perguntas têm que ter respostas.

Alguns apressaram-se a dizer que " Tancos é uma encenação".

A proposta disparatada do BE para a habitação

Em Entre - Campos há os terrenos da antiga Feira Popular onde a CML já anunciou que vai construir 70% de escritórios e apenas 30% de habitação. E logo a seguir há os terrenos em frente do ISCTE sem qualquer construção. Porque é que a CML não constrói ali residências para estudantes ?

Anos e anos ao abandono, a dimensão destes terrenos permite a construção de milhares de metros quadrados de habitação e, assim, fixar população, aumentar a oferta e reduzir os preços. 

Também a Colina de Santana onde vários hospitais vão ser encerrados e substituídos com a construção do novo hospital de Todos-os Santos, na zona oriental da cidade, vai libertar milhares de metros quadrados de terrenos, estratégicamente posicionados perto da baixa de Lisboa e muito bem servidos por transportes.

Quando os partidos e a CMLisboa falam em falta de habitação escondem estes terrenos "fillet mignon", que vão dar fortunas a quem ali construir e à própria câmara e ao estado.

Se não se cria habitação na cidade, isto é um estímulo a mais pessoas viverem fora de Lisboa e mais carros a entrar na capital para o trabalho.

O que é que a esquerda tem a dizer sobre este absurdo? Vai ficar calada a ver esta oportunidade de ouro de aumentar o número de habitações em Lisboa ser escandalosamente desaproveitada?

E os “bem-pensantes” comentadores não têm nada a dizer? Não se indignam com este absurdo que está a ser perpetrado à vista de todos?

É bem mais fácil aumentar impostos, taxas e taxinhas que os contribuintes pagam.

Novo referendo sobre o Brêxit é admitido pelos trabalhistas ingleses

Face às dificuldades em se chegar a um acordo razoável para o Reino Unido e para a União Europeia há cada vez mais políticos a avançarem com a possibilidade de um novo referendo. Amanhã na reunião do Partido Trabalhista esta questão vai ser colocada aos congressistas.

Um segundo referendo é o cenário preferido pela maioria dos trabalhistas britânicos — segundo uma sondagem recente, mais de 75% dos trabalhistas querem esse segundo referendo.

Corbyn explicou que, na sua opinião, seria preferível pedir eleições antecipadas, mas se a decisão dos congressistas for no sentido de pedir um segundo referendo, esse será o cenário pelo qual o líder trabalhista irá lutar nos próximos tempos.

O que as negociações sobre o Brêxit têm mostrado é que o Reino Unido enfrenta problemas sérios se sair da União Europeia com a Irlanda do Norte e a Escócia maioritariamente a quererem o " remain".

Desafio o PS a escolher entre o BE e os doentes

Catarina Martins desafia o PS a escolher entre a esquerda e a direita na Lei de Bases da Saúde. E qual é a diferença entre a esquerda e a direita no SNS ? Para o BE o SNS será de esquerda se for totalmente público e será de direita se os utentes tiverem direito de escolha e possam recorrer ao sector público, ao sector privado e ao sector social.

Que o estado assegure o acesso universal e gratuito à saúde estamos todos de acordo, agora que o Estado seja também o único prestador dos cuidados é que não se percebe como isso beneficia os doentes.

Ah, coisa e tal, o sector privado e o sector social "são negócio" . E pergunto eu, se o "negócio" cuidar bem dos doentes, reduzir as listas de espera para consultas e cirurgia, não é o doente que ganha ? Ou não ?

Mas para a actriz Catarina Martins o doente não interessa nada, o Estado gordo e monopolista é que é, a ideologia opera e trata os doentes...

Já demos com uma foto de um deputado do PCP ( que também quer o Estado como prestador único) na sala de espera de um hospital privado e, temo, que é só aguçar a lupa e ainda vamos encontrar um "Robles" na mesma  sala de espera .

É que a impossibilidade do estado manter o SNS em níveis aceitáveis é tão óbvia que dificilmente se pode levar a sério esta "cena" da actriz que se converteu à política.

Esta malta do BE é fraquinha...

O Brexit pode desmantelar o Reino Unido não a União Europeia

A primeira ministra britânica já coloca a hipótese de eleições antecipadas face aos problemas em conseguir um acordo favorável com a UE. Sempre foi claro que qualquer país que saia da UE não pode ficar numa situação melhor do que a que tinha como membro. Isso seria chover na nabal e fazer sol na eira e abrir a porta aos desejos dos anti UE.

De acordo com o The Guardian, Therea May estará a ser alertada por alguns dos seus ministros para o perigo de um hard brexit e as suas consequências nefastas sobre o Reino Unido. Após a primeira-ministra ter visto o seu plano rejeitado pelos 27 no Conselho Europeu na Áustria, algumas figuras do Partido Conservador garantem que Downing Street arrisca uma "calamidade ao nível da crise do Suez".

"É como a crise do Suez. Não fazemos ideias quais vão ser as consequências indesejadas. As próximas três semanas podem mudar tudo. A crise do Suez durou meses e agora estamos noutro possível ponto de viragem na história política do Reino Unido", afirmou uma figura dos conservadores ao The Guardian.

À atenção do Bloco de Esquerda o das taxas, taxinhas e impostos

Manuel Salgado, vereador da Câmara de Lisboa, quer reverter diversos prédios públicos em Lisboa em oferta de habitação para assim baixar os preços e beneficiar a classe média.

Em Paris, na França em geral, têm um problema idêntico. E o que fizeram? Em cada operação urbanística a partir de um certo número de fogos, 25 % dos fogos têm de ter características para serem arrendados para habitação acessível. Esses fogos são comprados pela administração pública a preços mais baixos. Em Inglaterra fizeram o livro branco da habitação porque há também, concretamente em Londres, um problema crítico de custo das rendas. Em várias outras cidades este problema está a colocar-se. O chamado problema da affordable housing existe em praticamente todas as cidades europeias e nos Estados Unidos.

Mas o BE resolve tudo - não dá para mais - com o aumento de impostos e mais taxas e taxinhas. Enfim ir buscar o dinheiro onde ele está.