Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O Reino Unido ainda não saiu e já quer ficar

O Reino Unido quer negociar um amplo acordo comercial com os " nossos parceiros europeus " . Claro, são 400 milhões de consumidores com elevado poder de compra que o Reno Unido só encontra bem longe do outro lado do Atlântico. E isso não ajuda nada , faça o país as ameaças que fizer . Vai negociar com todo o mundo, pois vá, é o que lhe resta . Mas isso custa dinheiro e competitividade e terá a concorrência de gigantes económicos bem mais próximos.

O Reino Unido como forte país que é vai jogar os seus trunfos . O seu mercado de 50 milhões de consumidores, os três milhões de imigrantes que vivem no país e uma fiscalidade de baixos impostos para as empresas, com a intenção de repor a competitividade e chamar investimento europeu.

Nada disto pode ser ignorado pela União Europeia como também não poderá ignorar que uma saída fácil para o Brêxit levará a que outros países também queiram o lombo . No mínimo uma relação priveligiada mas não completa como já existe com a Noruega e a Suiça .

O ministro do 'Brexit', David Davis, já alertou na terça-feira os seus colegas no Governo para que devem estar preparados para "o cenário improvável" de que "um acordo mutuamente satisfatório possa não ser alcançado" com a União Europeia. E a Escócia dá sinais cada vez mais fortes que poderá sair do Reino Unido caso o Brexit se concretize.

O referendo é um bom instrumento democrático de consulta, mas não para tomar decisões que afectem profundamente a política do governo e que perdurem no tempo afectando as gerações futuras . Lembre-se que quem quis o sair foram as gerações mais velhas enquanto as gerações mais novas preferiram o ficar.

A aproximação do Reno Unido a uma União Europeia com sucesso é uma questão de tempo.

espacoS.jpg

 

Caso Sócrates se salve o amigo está tramado

Se o Tribunal aceitar a tese de Sócrates que o dinheiro não é dele então as suspeitas cairão todas sobre Carlos Santos Silva . E este é tão amigo que além dos empréstimos não se importará de arcar com todas as responsabilidades inclusivé ir parar à cadeia ?

Se as contas bancárias forem mesmo de Sócrates, percebe-se que delas tenham saído os pagamentos de férias que ele fez com namoradas em sítios luxuosos.

Mas se o dinheiro for de Carlos Santos Silva, já se percebe menos bem por que razão serviu para pagar essas extravagâncias. 

E a que título é que Carlos Santos Silva recebeu milionárias quantias se nada o ligava a esses negócios e não estava em posição de os facilitar a não ser por ser amigo do ex primeiro ministro ?

Poderia continuar a dar exemplos, mas estes chegam para mostrar que, se o dinheiro for de Sócrates, tudo faz sentido; mas se for de Santos Silva, nada se compreende.

Há alianças que comprometem

O governo começou com uma previsão para a economia de 2,4% acabou em 1,4% . Que moral tem o governo para atacar quem também errou ?

Explorando uma deslocada referência de Teodora Cardoso a um possível "milagre" no défice orçamental do ano passado, um deputado do PCP, mais papista do que o papa na defesa do Governo, veio considerar ser um milagre que Teodora Cardoso ainda tenha emprego e salário. É uma advertência coerente, pois na futura "democracia popular" que o PCP defende não haveria obviamente entidades independentes de escrutínio orçamental e quem ousasse discordar da pauta do poder teria como destino imediato a porta da rua. De facto, há alianças que comprometem...

E quando a execução orçamental, deixa cair os princípios do documento dos doze sábios,( em que se baseou o programa do governo) apostando no consumo interno e se agarra desesperadamente às exportações e às cativações que degradam o serviço público, dá que pensar ouvir o BE e o PCP exigirem a saída de quem falhou bastante menos .

Aponta o roto para o nu ...

 

Estamos no faz de conta habitual

Marcelo deixou desta vez que a boca lhe fugisse para a verdade. É que efectivamente o aumento dos impostos indirectos está a sair do pelo dos contribuintes. Ninguém diria, ouvidos que sejam o Jerónimo e a Catarina que louvam as reversões e os avanços.

O défice foi obtido à custa da degradação dos serviços públicos na saúde e na educação e com medidas não repetíveis. A redução do investimento prejudica a economia e o emprego no futuro, até o Jerónimo o afirma, quer dar solta ao défice que ele sabe que não é de confiança . A Catarina, contra a opinião expressa do secretário de estado do trabalho, reafirma que quer avanços na legislação laboral. 

Estamos no faz de conta habitual Agarrem-me ...e depois engolem os sapos todos que forem precisos para se manterem na rota europeia. Em paralelo vão dizendo que o governo é do PS e que eles (PC e BE) nada têm a ver com a acção governativa. E soam os alarmes, esta semana tanto Jerónimo como Catarina vieram avisar do desastre que seria se o PS tivesse maioria e não precisasse deles. Já conhecem as sondagens deste mês ?

Para quem é europeísta ouvir António Costa reafirmar o apego do PS à União Europeia e à Zona Euro, é um descanso. Esse é o objectivo principal sejam os socialistas ou os social democratas a governar. O que os separa é instrumental .

Já com os comunistas o que nos separa deles é a União Europeia, a Zona Euro e a Democracia.

 

 

Com o PS levam os independentes

Leva a UTAO na pessoa da Drª Teodora Cardoso que tem o desaforo de dizer a verdade. O défice tão cantado por António Costa foi conseguido com medidas insustentáveis e irrepetíveis. Todos sabem que é assim, mas isso não impediu que o PC pela voz de um dos seus jovens antidemocratas ameace . Olha o salário .

Teodora Cardoso e a sua carreira profissional falam por si coisa que nenhum dos seus críticos pode dizer .

António Costa ( o do Banco de Portuga) cometeu muitos erros, é verdade, mas a maioria são herança do prudencial Vitor Constâncio. O BES muito antes de António Costa ser governador do Banco de Portugal ( nomeado no tempo de Sócrates é bom lembrar) já estava falido e alimentava-se das fraudes que se conhecem agora . E não se pode esquecer que foi António Costa ( o governador) que retirou a Ricardo Salgado a idoneidade e o afastou da administração do BES. 

Muito convenientemente, quem está debaixo de fogo do governo, são duas entidades independentes que não usam a cartilha oficial.

Quem se mete com o PS leva, não é Jorge Coelho ? 

Excesso de estupidez...perdão, de confiança

O pessoal anda a gastar a toda a força. Isto está a ir para muito melhor é preciso bombar desde já . O crédito ao consumo voltou e a confiança acelera . Poupança, nem vê-la . O Prof Daniel Bessa avisa :

expconf.jpg

O comportamento é perigoso, a DECO publica números assustadores , a coisa não é sensata mas o pessoal não aprendeu nada . É o caso das famílias sobreendividadas que pedem ajuda - 30 000, só à DECO - número que não cessa de aumentar desde 2011 . Há coisas que não batem certo diz Daniel Bessa.

 

 

 

Não se perderam nem perdem impostos diz ex- director geral

Todos os que são ouvidos dizem que se tratou de uma falha informática com excepção do sindicalista Ralha que diz que houve mão humana.

O responsável considera que o não acompanhamento das transferências ocultas para os offshores de 10 mil milhões de euros, entre 2011 e 2014, não deverá resultar na perda de impostos. O líder da administração fiscal entre 2007 e julho de 2014 justifica que, aparentemente, as 20 declarações em falta entraram “fora do prazo ou tratam-se de declarações de substituição”.

“Se me perguntarem se é expectável que se percam impostos em consequência do que aconteceu, Direi que não”, afirma o ex-líder da AT, admitindo que os procedimentos inspectivos possam ter começado com algum atraso, mas salientando que “partir do momento em que o problema foi detectado seguramente a  AT está a tratar os dados”.

O sindicalista Ralha o tal que queria que os camaradas funcionários públicos tivessem livre acesso aos dados fiscais dos cidadãos, vai ter que justificar a insinuação. É que a não ser assim fica crismado. Mentiroso !

As exportações a puxar pela economia

Com a economia da zona euro em forte aceleração, as exportações portuguesas que têm os principais mercados europeus como destino, também aceleram. E por isso a economia vai continuar a crescer . Bem bom .

Logo agora que o PCP vai iniciar a campanha com vista a preparar o país para a saída do euro. Grande azar para os comunistas (PCP e BE) que querem sair do euro e da UE verem o país a melhorar com a aceleração da economia da zona euro.

"O bom resultado do último trimestre deve-se ao investimento, que deixou de cair e passou a subir, em quase todas as suas componentes", acrescenta o Fórum para a Competitividade.No entanto, deverão ser as exportações a liderar o processo de retoma económica.

Duas componentes muito importantes que o governo abandonou no seu programa no inicio da governação em benefício do consumo interno mas que a realidade recolocou na direcção certa. Antes tarde que nunca .

Aí está uma aceleração da economia sustentável e robusta na Zona Euro

A economia na Zona Euro acelerou novamente em Fevereiro puxada pela Irlanda, Espanha , França e Alemanha. Confirma-se que a crise está a ficar para trás . Os outros países serão arrastados nessa aceleração como é o caso de Portugal . Pelas exportações não pelo consumo interno .

A economia da Zona Euro cresceu, em Fevereiro, ao ritmo mais acelerado em quase seis anos, impulsionada sobretudo pelo aumento da produção no sector da indústria. Apesar de o sector industrial ter dado o impulso mais expressivo, com o crescimento mais acelerado da produção desde Abril de 2011, o sector dos serviços também contribuiu para a melhoria do índice, com a actividade empresarial a crescer ao ritmo mais rápido dos últimos cinco anos e meio.                                                                                                                    Agora que o PCP e o BE vão iniciar as suas campanhas de preparação para a saída do Euro...

 

Não ouvi respostas a justificar a não actuação da Autoridade Tributária

Realmente não se percebe. Em que é que a não publicação das estatísticas das transferências para as off shores justifica a não actuação da Administração Tributária ?

Sabe-se a origem das transferências ,o seu montante, são legais e destinam-se a off shores com que os bancos portugueses têm relações frequentes . Além disso foram comunicadas ao Banco de Portugal e ao Fisco .  O que é que impediu a Administração Tributária de fazer o seu trabalho ? Se é que não o fez ?

Se o não fez - controlar e tributar - o erro é seu, se o fez então o Estado não foi prejudicado em nada .

“O que é que o facto das estatísticas não terem sido publicadas impediu a autoridade Tributária de fazer a fiscalização necessária? Porque se está a ligar no mesmo problema a não publicação com o não controlo dessas operações? Porque se liga estas duas coisas que não têm a ver uma com a outra ?”, disse Ferreira Leite. “Não ouvi respostas a justificar a não atuação da Autoridade Tributária. A única coisa que ouvi foi que tinha dúvidas que a sua publicação poderia beneficiar o infrator”, acrescentou.