Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O diabo em forma de dívida que não para de crescer

A dívida é uma forma diabólica de...diabo. Não se nota e paga-se mais tarde pelos vindouros que assim não podem contestar nada . Paga e não bufes...

Em Setembro de 2016, a dívida pública portuguesa atingiu os 133,08% do produto interno bruto (PIB). Este é o valor mais elevado de toda a série do Banco de Portugal, que recua até 2007, e mostra que o endividamento do sector público ainda não entrou numa trajectória descendente.

Este valor representa um crescimento face ao trimestre anterior (131,7% do PIB) e ao mesmo período de 2015 (130,4%). Em valores absolutos, a dívida pública ascende a 244,4 mil milhões de euros, tendo também aumentado em cadeia e em termos homólogos.

 Comentário mais votado Anónimo Há 43 minutos

Boa tarde,
Se alguém tinha dúvidas de onde vinha o dinheiro para as 35 horas, aumentos de salários mínimos, de subsídios e da contratação dos trabalhadores a prazo, está explicado. Virá dos impostos sobre os nosso filhos.
Porque é isso que é a dívida pública... o consumo actual com base no futuro pagamento de impostos (para pagar juros). O mais impressionante é que as mesmas forças políticas que clamam pela reestruturação da dívida são as mesmas que permitem o seu aumento. Deverá ser a velha técnica de deixar o balão encher até rebentar... o problema é que, quando rebentar, vai rebentar nas mãos de todos os portugueses e não apenas nos políticos que encheram o balão.

O diabo está a bater à porta

Os juros da dívida a dez anos estão nos 4% limite da DBRS para deixar cair a notação do país para "lixo" o que traria de imediato uma escalada das taxas. Só num mês a taxa de juro cresceu 20%. É por causa do Trump, de Holland, do Brêxit e de tudo o que mexe. Se conseguíssemos que o mundo fosse um cemitério - como é a situação Portuguesa - talvez ficássemos por aqui , mas isso António Costa não consegue. E como não consegue o diabo está mesmo a bater à porta. É uma questão de tempo.

O BCE pregou um alho na nossa porta para afastar o belzebú mas o maldito já se habituou e espera pacientemente que a compra de dívida termine . Como a economia - outro simbolo de que o diabo não gosta - não cresce - o próprio governo prevê para os próximos anos um crescimento à volta dos 1,5% - estamos esturricados ainda antes de entrarmos nos altos fornos crematórios.

Bem vistas as coisas estamos como habitualmente à espera de um milagre mesmo com o diabo à porta.

O diabo ainda não veio mas já fomos apanhados por ele

O PIB está ao nível ( estará?) de 2015 . O investimento afundou e as importações não podiam ser mais esclarecedoras. Não há importação de máquinas e equipamentos o que prova que não há investimento. Nem novo investimento nem de substituição.

Tal qual no tempo de Sócrates há um silêncio sobre estes assuntos que são os pilares do futuro . E percebe-se porquê. Aumentam-se os votantes potenciais, função pública e pensionistas e calam-se os sindicalistas. CGTP e Fenprof.

Os hospitais não pagam a fornecedores e nas escolas faltam funcionários. O Metro ainda anda, com atrasos e mau serviço, mas anda. Os juros são os mais altos da União Europeia ( a Grécia que ia dar lições ao mundo não conta ). A dívida não para de crescer . A treta da Catarina ( exportações) vai salvando a geringonça . O consumo interno não arranca.

Teremos mais uns aviões F 16 oferecidos pelos US para vender à Roménia ?