Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

E os outros ?

O assessor de António Costa que mentiu sobre a licenciatura pediu a demissão. De vez em quando há alguém que tem a dignidade de aceitar o resultado dos seus actos. Na maioria das vezes arranjam umas desculpas esfarrapadas e siga a marinha ( não é piada aos barcos de guerra russos que atravessam as nossas águas).

A questão é que para os jotas dos partidos ter ou não graduação académica é fundamental daí que, tantos que chegam ao poder , são apanhados em declarações falsas sobre o seu mérito académico. A sua vida académica não resiste ao escrutínio público.

O que não podemos é deixar de apreciar o gesto deste assessor quando estamos cercados por políticos que mentem, falsificam, compram habilitações e vemos metade do país ( conforme a cor) a branquear comportamentos irresponsáveis.

O mesmo se passa com a Justiça que quando na peugada de poderosos é criticada por metade do país ( conforme a cor). Esta tendência para baixar a cerviz mostrando o pior de nós mesmos é um perigo para a democracia .

Eu já perdi amigos por não pactuar com atropelos aos principios democráticos. Somos todos iguais perante a Lei e os costumes. E isso afasta-nos dos que precisam de comprar habilitações académicas para singrar nas estruturas partidárias.

A escola pública em que os professores não acreditam

Se os próprios professores não acreditam na escola pública que razões terão os pais, os alunos e a sociedade pagante para acreditar ? 

"Se fosse uma empresa, provavelmente a escola estaria a abrir falência, mas como não pode fechar para balanço tornou-se um quebra-cabeças impossível, sobretudo quando não há nem consensos políticos, nem dinheiro. Por isso é a escola que temos, e, graças ao esforço de muitos professores, garante o sucesso académico de muitos. Ótimo. Mas poupem-nos por favor à demagogia, e não nos peçam para acreditar numa escola em que os próprios professores não acreditam e onde trabalham a contragosto, usando a pouca energia que lhes sobra para manifestações em favor do modelo de escola que os faz infelizes. Se calhar as palavras de ordem têm de ser repensadas."

"Quase 91% dos professores dizem que a comunicação social contribuiu para o desprestígio da profissão. Primeiro espantei-me (é raro o jornalista que não tenha uma avó, mãe ou irmã professora e alinhe pelas suas queixas), mas depois fez-se luz. Os media dão, de facto, demasiado tempo de antena a Mário Nogueira. E ninguém dúvida do efeito das suas declarações na opinião pública. Bem visto."

Sobre o Déficit de 2015 - 2,98% - por Rui Mendes Ferreira

Ficámos agora a saber, por um documento enviado à UE, pelo actual governo que o deficit de 2015, afinal foi de 2,98%, e assim sendo, foi o governo de Passos Coelho e Paulo Portas que retiraram Portugal do procedimento por déficits excessivos!

Tudo isto está confirmado pelo INE e comprovado por documento do actual Governo enviado a Bruxelas!

Percebe-se agora, que o PS andou a esconder este feito, pondo em causa os interesses de Portugal e de todo um povo, apenas por oportunismo e interesses políticos!

O governo anterior, em 4 anos, não só tirou o país da banca rota, como nos livrou da Troika, chamada por Sócrates, assim como nos livrou do Memorando de Entendimento negociado por Sócrates.

Portugal, em menos de 4 anos, conseguiu reduzir o seu deficit de 11,2%, criado e deixado pelo PS de José Sócrates, para 2,98%! Valor este, que, teria sido menor, com toda a certeza, não tivesse estado já em funções, o actual governo, no último trimestre de 2015, e não tivesse sido de sua autoria o fecho de contas, relativas a esse ano.

Ou seja, sabemos agora, que com toda a certeza, não só ficámos abaixo dos 3% requeridos pelo Tratado Orçamental, como até teria sido cumprido provavelmente o objectivo de 2,8% constantes no OE de 2015.

Conseguiu-se uma redução de praticamente 8,3%, o que deu uma média ligeiramente superior a 2% a cada ano, no volume de endividamento público do Estado.

Vou repetir, em 4 nos reduzimos o déficit do Estado, em 8,3%, a uma média superior a 2% por cada ano, com o anterior governo.

Tudo isto, é certo, com muito sacrifício dos Portugueses, mas com resultados positivos que finalmente já estavam a ser uma realidade.

Mas mesmo com uma tão grande redução nos gastos públicos, ainda assim, o anterior governo, deixou-nos um país com contas públicas controladas, em cumprimento (pela primeira vez) dos tratados europeus, e do Tratado Orçamental, deixaram uma economia a crescer 1,6%, ao ano, desemprego a baixar, investimento privado em crescendo, investimento público dentro dos valores orçamentados, sem recurso a cativações, nem suspensões de gastos e investimentos já aprovados, as exportações a crescer de forma sustentada, e a baterem records consecutivos, e, não menos importante, mas também pela primeira vez, o país apresentou ao longo de 2 anos e meio, uma balança externa com excedente.

Conseguimos ainda, registar um saldo primário, com excedente, o que significa que a partir desse momento, já não estávamos mais a gerar dívida adicional resultante de gastos correntes, mas somente resultante dos custos dos pagamento de juros.

Os juros da nossa dívida, no início do 3º trimestre de 2015, estavam perto dos 1% ao ano, e absolutamente em linha com os juros pagos pela nossa vizinha Espanha.

E presentemente, o que temos?

Temos o actual governo a esconder despesas por todos os meios, a tentar martelar contas, a não pagar a fornecedores, a aumentar cada vez mais a dívida pública, agora a um ritmo ainda mais rápido, e a cativar e cancelar toda a despesa que estava no Orçamento de Estado, prevista como investimento público, para tentarem alcançar uma redução do deficit de uns míseros 0,4%.

Vou repetir: o actual modelo de políticas de governação, está a criar uma brutal factura adicional, e já deram cabo dos ganhos que as contas públicas e a economia do nosso país já estavam a conseguir, para supostamente conseguirem reduzir o déficit somente em 0,4%. E pelo que sabemos, nem estes 0,4% estão ainda certos.

Se com tantos cortes, e mais aumentos de impostos, e aumento das receitas, e nem assim conseguem reduzir o deficit, e a dívida voltou a crescer brutalmente, então para onde está a ir o dinheiro? Só pode estar a ir para mais despesa do Estado, e que anda a ser novamente escondida do povo português. Por agora, pois mais tarde ou mais cedo, ela irá ter que aparecer.

E tudo isto, apesar de terem aumentado as receitas com a recolha de impostos, em mais de 2%. Para os menos conhecedores, em média cada 1% do PIB corresponde +/- 1,75 a 1,80 ,mil milhões de euros.
E, como se não fosse suficiente, a Espanha, continua com os seus juros na ordem dos 1%, e Portugal, já está a pagar na ordem dos 3,5%.

Para terem uma ideia, se tivéssemos taxas de juros dentro dos valores que a Espanha está a pagar actualmente para o prazo a 10 anos, juros esses que com o anterior governo conseguimos alcançar, por cada 1% a menos, teríamos uma poupança nesta factura no montante de 2,35 mil milhões de euros. Como desde que o actual governo assumiu funções, os nossos juros subiram de 1% para 3,5%, este aumento de 2,5% representa um custo de 6,4 mil milhões de euros ao ano, que iremos pagar a mais, que aquilo que pagaríamos futuramente, se eventualmente tivéssemos mantido o anterior governo, e o anterior rumo.

Vou repetir: a mudança de governo, e a inversão das políticas de governação, e a mudança do caminho que estávamos a seguir, irá custar-nos futuramente, só em juros, mais de 6,4 mil milhões de euros por cada ano, que poderíamos vir a deixar de pagar, se tivéssemos mantido o rumo.

Para terem um exemplo da grandeza, deste valor, é mais que aquilo que o nosso país gasta durante um ano inteiro, com o Serviço Nacional de Saúde, e que poderiam vir a ser poupados, se não tivéssemos mudado de governação.

Isto está-no a sair muito caro, e irá sair ainda mais caro e durante muitos e muitos anos. Aqueles que duvidam disto, ou não acham que é assim, só se estão a enganar a eles próprios.

A economia reduziu o crescimento para valores abaixo dos 0,9%, ou seja, basicamente regressou à estagnação, a nossa balança externa deixou de registar excedente e passou a ser novamente altamente deficitária, o desemprego não baixa, os impostos que já antes eram altos, ficaram ainda mais altos, o consumo e o investimento desapareceram quase por completo, o Estado suspendeu todas as despesas de investimento, que poderiam gerar algum trabalho e algum crescimento, e os impostos, a dívida, e as despesas correntes, e despesas com pessoal no Estado, são actualmente as a únicas coisa que estão a crescer.

E tudo isto e toda esta inversão de resultados, de terreno positivo para regresso a negativo, foi conseguido em menos de 1 ano.

Menos de um ano, foi quanto levaram para estragar todo um trabalho de 4 anos.

Se tivéssemos mantido o anterior trajecto, em menos de dois anos, o nosso deficit ficaria não só totalmente eliminado, como pela primeira vez na nossa história, iríamos conseguir obter um superavit e, por essa via, iniciariamos a efectiva redução da dívida soberana do nosso país.

Se tivéssemos mantido a anterior via, em 2018, já estaríamos a construir um melhor legado para os nossos filhos e as seguintes gerações, sem novas dívidas e ainda a conseguirmos reduzir as existentes.

Socialistas e Comunistas acharam que este não era o caminho a seguir, e em menos de 9 meses, não só deram cabo de todos os sacrifícios que andámos a fazer, como ainda colocaram o país novamente numa senda para o crescimento da dívida pública, dos custos dos juros, e na estagnação económica.

Podemos dizer que a culpa de tudo isto é dos partidos que actualmente nos governa, pois contrariamente ao resultado das eleições, não foi este o governo que escolhemos?

Sim, de facto podemos. Mas em boa verdade, este caminho só está a ser invertido, e com os resultados péssimos, que ao fim de muito pouco tempo já estão bem à vista, porque o quem nos governa, sabe que este novo caminho, o caminho da facilidade, da irresponsabilidade e da total ausência de respeito pelas gerações seguintes, tornou-se a vontade da maioria do povo português.

Um povo e uma nação, que após ter sido sujeita a 4 anos de duras dificuldades, opta livremente por mandar às urtigas em pouco mais de meio ano, tudo o que se alcançou com enormes esforços em 4 anos, em boa verdade, merece totalmente o país miserável que somos, e que tudo indica, queremos continuar a ser.

Quem não merece um país e um legado destes, são os nossos filhos, netos, e seguintes descendentes, pois ainda nada fizeram nem contribuíram para esta situação. Mas serão eles que irão ter que pagar por todo o mal que lhes andamos a fazer, mesmo que, muitos deles, ainda nem sejam nascidos.

Estamos a presenciar um "suicídio colectivo", económico e social", e uma autêntica auto destruição de toda uma nação e de um povo, mas de forma deliberada, aceite, e consciente, e feita pela maioria do seu próprio povo. E como se não bastasse, ainda estamos a fazer questão, de arrastar para a miséria, as futuras gerações.