Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Pensamento do dia: "read my lips....no more taxes", ou "virámos a página da austeridade" - por Rui Ferreira.

 

Eis os novos escalões de IRS, propostos pelo actual governo.

Um casal, tenha um rendimento agregado familiar bruto de 20,100 euros/ano, representa um salário bruto, por cada conjuge, de 718 euros, brutos, mensais.

Temos assim, que com os novos escalões, um casal nestas circunstâncias, com um rendimento individual de 718 euros brutos mensais, entre IRS e os descontos para a Segurança Social, (TSU) passará a ter que entregar ao Estado, praticamente 50% do total do seu rendimento, o que fará, com que no final de cada mês, leve para casa, 360 euros líquidos.

Considerando que sobre este valor, ainda irá pagar IVA e muitos outros impostos, taxas e taxinhas, tudo de forma indirecta que é para que não lhe dôa tanto, tudo descontado, sobre os 360 euros líquidos, ainda lhe irão retirar, no mínimo, mais 25% sobre esse valor, ficando com somente 270 euros líquidos mensais para fazer face as suas despesas.

Temos assim, que um casal com rendimento conjunto mensal de 1436 euros / mês, irá ver o Estado, pela mão do actual governo, a confiscar-lhe 897 euros /mês, deixando-os somente com 538 euros / mês, para fazer frente às suas despesas.

Passámos a ter um Estado que se apodera de mais de 2/3 do rendimento de um casal, quando cada um deles ganhe 718 euros mensais brutos. Se isto não é um confisco, e um Estado ladrão, então o que será?

No anterior governo, as esquerdas,então na oposição, acusavam o executivo em funções, de considerar todo o cidadão, trabalhador ou aposentado, que apresentásse um rendimento individual, acima de 1600 euros/mês, como sendo "rico", pois era só acima destes valores que se aplicavam os cortes e a sobretaxa de IRS.

Agora, com o governo actual, a "bitola" para que as finanças considerem um trabalhador como "rico", irá passar a ser de 718 euros /mês.

Em 2017, com estas novas tabelas de IRS, Portugal consegue mais que triplicar o numeros de cidadãos considerados "RICOS".

E ainda dizem que as esquerdas não conseguem criar riqueza, nem gerar gente prospera e rica. Estes, em menos de um ano irão triplicar, às mãos das esquerdas. 

E para aqueles que andam sempre por aqui a dizer que não há almoços grátis, fica comprovado que afinal até há. Para o Estado, há almoços grátis, e como podemos ver, esse mesmo Estado, já se está a preparar, para em 2017, nos enviar a factura dos almoços que andam a fazer em 2016.

Mas nem tudo é mau, pois também foi este actual governo, que conseguiu virar a página da austeridade, e por isso já estamos a viver todos muito melhor. Não acreditam? Perguntem ao fisco em 2017, que eles irão dizer que sim!!!!

 
 
 
   
 
 
 
 

Católica abre primeira Faculdade de Medicina privada

Católica junta-se ao Hospital da Luz para nova faculdade de medicina em Cascais que vai ser instalada no edifício do antigo hospital, dando resposta à consistente procura. Enquanto o SNS se debate cada vez mais com sérios problemas financeiros o sector privado é cada vez mais procurado. Tal facto também é visível na aquisição por parte dos players mais fortes de hospitais e clínicas já existentes.

E como se trata de privados a única razão da expansão é o aumento da procura, respondendo às necessidades de vastas camadas da população que pagam seguros de saúde para se furtarem às lista de espera na saúde pública. Todos ganham, principalmente os doentes, com o alívio da procura nos entupidos hospitais públicos. 

Como é óbvio não há ataque nenhum ao SNS. O que há é uma oferta que corresponde a uma procura dos cidadãos.  

Vem aí um brutal aumento de impostos

Primeiro foi o imposto sobre o combustíveis que é pago pela classe média e as empresas. Depois o IMI, o sol e as vistas. Tudo para aumentar os funcionários públicos que são os seus votantes. Agora vem aí um brutal aumento de IRS que vai apanhar mais de 370 000 contribuintes. Novamente a classe média.

E como se faz ? Cria-se uma nova classe média. Quem ganhar 1 000 euros passa a pagar IRS. Simples, fácil e dá dinheiro. E quem vai ser aumentado ? Os funcionários públicos e os pensionistas que votam na esquerda.

Ao mesmo tempo que os impostos aumentam, a despesa operacional pública vai crescendo, tudo compensado com o corte na despesa do investimento o que equivale a dizer que estamos a hipotecar o futuro. Não cresce a economia e não há criação de postos de trabalho.

Quando a economia não cresce, vir dizer que não há aumento de impostos, ao mesmo tempo que se aumentam salários e pensões, só pode ser à custa de dívida. A tal que não cessa de crescer e que nos leva 8 mil milhões, tanto como o SNS. A tal que os que não sabem viver sem ela querem "negociar".

Para terem mais margem e mais tempo para gastar. Os credores é que não compreendem esta visão libertadora e revolucionária. O nosso empobrecimento é a solução encontrada pela extrema esquerda.