Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Santana Lopes em campanha para a câmara de Lisboa

campanha está a desenvolver-se à frente de todos. Agora já não há dúvidas que o PSD está todo com Santana Lopes. É preciso ver como se comportam as sondagens. Se forem simpáticas o nome está lançado e o próprio aceitará.

O Presidente da Câmara - um tal de Medina - que não ganhou nenhuma eleição, anda a lançar obras por toda a cidade. Sim, também está em campanha. O PS também anda a analisar as sondagens mas é mais difícil não apoiar o presidente em exercício.

Cristas já fez o seu trabalho. Está disponível e obrigou o PSD a definir-se. Se a direita não ganhar a culpa é toda do partido social-democrata.

É, claro, que Santana Lopes não tem pressa, é Provedor da Misericórdia, uma instituição com braços compridos que chega longe e a muitos lugares mesmo a nível nacional. Se o Presidente da Câmara em exercício pode apresentar obra o Provedor não pode menos. Com a vantagem de não ter que dar uns nós cegos no trânsito da cidade e chatear os Lisboetas votantes. Com estas trapalhadas, a última das quais no concurso para adjudicação da obra mais emblemática, todos se vão lembrar do túnel do Marquês. Feio mas útil.

Daí a Santana Lopes é um atalho.

 

O PCP diz que sim o BE diz " que não necessariamente"

A saída da zona euro seria um desastre como todos sem excepção concordam. O próprio Jerónimo já veio dizer que a ideia não é para ser tomada já é para reflexão. Então o que há a fazer é reformar o euro dentro do euro.

Há muitas políticas possíveis no quadro dos fluxos financeiros e cambial que mais tarde serão tomadas depois da limpeza em curso. Creio,  que  não se entenderia a política de austeridade se assim não fosse. O que não podemos esperar é que sejam os credores a pagar o que só nos compete a nós.

O programa de compras de dívida do BCE tem mantido os juros em níveis controlados e permitido que países como Portugal se financiem. A negociação da dívida é fundamental não podemos crescer o suficiente a pagar 8 mil milhões por ano de juros. Os subsídios europeus que entram voltam a sair na forma de pagamento da dívida.

Mas só no quadro da União Europeia e da Zona Euro é possível implementar medidas decisivas para encontrar soluções. Fora da União Europeia estaríamos agora dependentes de uma qualquer agência de notação financeira, a mais pequena de todas as grandes. As mesmas agências financeiras que andaram a aplaudir as políticas que levaram o mundo ocidental à maior crise de sempre.

 

 

Sair do Euro equivale a empobrecer para sempre os trabalhadores

Só a ideologia explica que o PCP e o BE continuem a exigir a saída do país da zona euro. Criar uma nova moeda, o escudo, levaria a que os salários dos trabalhadores sofressem imediatamente uma desvalorização de pelo menos metade. Quem ganha agora 1 000 euros passaria a ganhar menos de 500 escudos. E como grande parte do que compramos vem de fora pagaríamos em escudos o que nos venderiam em euros. E as dívidas em euros seriam pagas em escudos.

Quem tem dinheiro, muito dinheiro, convertia os seus euros em libras, dólares ou francos suíços e assim se safava à desvalorização , mas os trabalhadores não tinham por onde fugir. É incompreensível como o PCP e o BE continuam a preferir seguir a ideologia a defender os trabalhadores.

Ganhávamos nas exportações assentes em mão de obra barata o que o PCP e o BE tanto atacam. Se há maneira de empobrecer o povo e o país é sair da zona euro. Insistem porquê ? Porque para aqueles partidos extremistas o que está em jogo não é o bem estar do povo é o comunismo nas suas várias vertentes. Marxista, marxista/leninista, estalinista, trotquista e mais uns "istas" pois há para todas as bolsas.

E não esquecer que foram os estalinistas que assassinaram o líder dos trotquistas dando-lhe com um martelo na cabeça. Não perderam o jeito como se vê com esta exigência da saída da zona euro...

Depois de pobres e miseráveis fora da zona euro os trabalhadores seriam comunistas para sempre.